O risco de se perder e a graça de ser achado

O risco de se perder e a graça de ser achado

Certa vez, um grupo de religiosos – ou de gente que se considerava bastante justa – viu um de seus mestres acompanhado de uma turma que eles consideravam ter uma “reputação duvidosa”. É que gente religiosa costuma se preocupar mais com reputação que com integridade. Então, começaram a fofocar entre eles sobre o absurdo daquela situação.

Só elogios, finalmente.

Só elogios, finalmente.

Em 1978 foi publicado um livro do autor Colin Chapman cujo título era: O cristianismo no banco dos réus (há uma cópia em nossa biblioteca).
Com o decorrer dos tempos foi a igreja que se sentou no banco dos réus. Ela se tornou a inimiga da sociedade e por incrível que possa parecer ela está se tornando também a inimiga dos cristãos.

Também é com você

Também é com você

Um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo no tipo de comida que haveria ali.
Ao descobrir que era uma ratoeira ficou aterrorizado.

Estou desanimado

Estou desanimado

Olhe ao redor e tente “ver” a pessoa que está “invisível”. Convide alguém para sair, tomar um café. Inclua uma jovem solitária no seu círculo de companheiras. Leve um rapaz com você no futebol.