Cobiça

Uma tribo selvagem aprendeu a caçar macacos valendo-se apenas da cobiça deles. Os membros da tribo simplesmente saíam com contas coloridas e brilhantes dentro de jarros de vidro para que os macacos pudessem enxergá-las. A curiosidade e o desejo pelas contas levavam os macacos a enfiar as mãos dentro da pequena abertura dos jarros com o objetivo de alcançá-las. Como o pescoço dos jarros era bem apertado, os macacos não conseguiam retirar as mãos em que seguravam as suas riquezas. E o jarro era muito grande para que fugissem carregando-os. Os macacos enfrentavam uma escolha agonizante: largar as quinquilharias e fugir ou manter as mãos fechadas e ser capturado. Em geral eles escolhiam a captura. Eles adquiriram seu tesouro, mas somente por um momento. No final das contas, perdiam sua liberdade e suas vidas. Da mesma forma, diante das riquezas, muitos homens se transformam em tolos.

Até que ponto a ansiedade por conquistas materiais tem tirado nossa tranquilidade e impedido a nossa felicidade? De que temos sido capazes no afã de ajuntar os tesouros cobiçados que julgamos ser a motivação principal de nossas vidas?

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários

comments

Contribua com sua opinião