Não é um fardo, é meu irmão

Um missionário americano caminhava pelas ruas centrais de uma cidade chinesa. Chamou-lhe a atenção algumas crianças que carregavam outras crianças, menores, em suas costas. Ao mesmo tempo que as carregavam, brincavam e se divertiam.

“Deve ser muito ruim,” disse o americano, tentando ser simpático, a um pequeno menino, “ter que carregar um fardo tão pesado enquanto brinca!” “Ele não é nenhum fardo,” disse rapidamente o garoto, “ele é meu irmão.” “Bem, sua atitude mostra o quão nobre e cavalheiro você é!” disse o missionário, dando-lhe uma quantia em dinheiro para que comprasse algo para ele e o irmão. Ao retornar para casa, o missionário disse à sua família: “Um pequeno menino chinês me ensinou o significado mais completo das palavras: ‘levai as cargas uns dos outros'” Ele contou sua conversa com o menino e acrescentou: “Se um menino chinês pode carregar e cuidar de seu irmão sem considerá-lo um fardo, nós também devíamos não considerar um fardo o transportar nossos irmãos, mais fracos e necessitados, que nos procuram buscando ajuda. Qual tem sido nossa atitude diante de um irmão ou irmã que vem a nós em busca de socorro? Temos lhe estendido a mão oferecendo o nosso melhor possível, com alegria no coração por podermos praticar os ensinos de Cristo ou ignoramos completamente o apelo, considerando aquele irmão um fardo que nos tira a liberdade de cuidar de nossas próprias coisas?

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários

comments

Contribua com sua opinião