A igreja que eu quero ser

Eu sou a Igreja. Esta é uma afirmação muito segura. Quando reclamo da Igreja, refiro-me de mim mesmo. Que tipo de igreja eu quero ser? Quais são as minhas convicções como igreja? Estou disposto a pagar o preço de ser a igreja do Novo Testamento, criada por Jesus Cristo? Estou consciente de que devo sofrer por Cristo (Mt 5.11,12)? Estou certo de que devo diariamente testemunhar do evangelho de Cristo? O Senhor Jesus está satisfeito com a Igreja da qual faço parte? Estas são perguntas pertinentes que nos levam à uma profunda reflexão para compreendermos e vivermos a verdadeira natureza da Igreja de Cristo no mundo. Não nos esqueçamos: O campo é o mundo.

A Igreja que eu quero ser, em primeiro lugar, adora o Senhor em espírito e em verdade (João 4.24). Este é o ensino de Jesus. Uma Igreja comprometida com a Santidade, Sublimidade, Majestade, Grandeza, Justiça, Graça e Amor do Deus Bendito eternamente. A Igreja que adora ela o faz com coerência. O nosso culto ao Senhor deve ser sempre lógico (Rm 12.1,2). Não é possível dizer uma coisa e viver outra. O Pai se agrada de um coração quebrantado e contrito (Sl 51.17). Adoração significa reconhecimento verdadeiro da natureza de Deus e a nossa inteira submissão a Ele em profunda sinceridade e profundo respeito. Na Sua presença, dentro e fora do santuário, sou tomado por temor e tremor. Reconheço que Ele está perto de todos os que O invocam e o fazem em verdade (Sl 145.18).

A Igreja que eu quero ser, em segundo lugar, aprende a Palavra de Deus. Tem fome e sede das Escrituras como os Bereanos (At 17.11). Aprendo a Palavra de Deus a partir de Sua veracidade e inspiração pelo Espírito Santo. Também, a começar do amor que possuo pela Palavra (Salmos 119.97). Aprendo a Palavra para praticá-la no dia a dia (Mt 7.24-27). Minhas atitudes e meus atos são definidos pela Palavra inspirada, que é viva e eficaz, que penetra até a divisão da alma e espírito e discerne pensamentos e intenções do coração (Hb 4.12). Aprendo a Palavra para me relacionar com o Senhor e com o meu próximo com qualidade. Assimilo a Palavra para vivê-la cotidianamente. Para andar por fé, pois sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6).

A Igreja que eu quero ser, em terceiro lugar, comunga em amor. Uma comunidade cujos membros vivem em amor. É a comunidade da aceitação, do perdão e da festa. Como igreja, o Senhor me ensina a viver servindo aos meus irmãos. Como comunidade do Reino, tenho prazer em cuidar dos que sofrem, aceitar os marginalizados e perdoar os que me ofendem. Tratar com amor todas as pessoas. Como Igreja, sou um facilitador, catalisador e provedor sempre em Cristo, no Seu caráter e para a glória de Deus. Desejo imitar os irmãos primitivos que se reuniam com prazer, partiam o pão com alegria e singeleza de coração, louvando sempre o Senhor (At 2.42-47). Havia a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Uma igreja formosa em toda a sua expressão. A natureza da igreja é do amor e seus membros vivem de forma interdependente. A Igreja é o corpo vivo de Cristo, que expressa amor profundo aos perdidos (1 Co 12.12-27). Que tem muito prazer em agradar o Senhor que a redimiu com o Seu sangue.

A Igreja que eu quero ser, em quarto lugar, testemunha ou expressa a sua fé ao mundo através do evangelismo pessoal e coletivo; de missões dentro e fora do país e do serviço amoroso. A igreja que eu quero ser está comprometida com um testemunho fiel acerca dAquele que a resgatou com o Seu próprio sangue (1 Pe 2.9,10). Como Igreja, sou povo de Deus para expressar o amor de Deus ao mundo. Não posso deixar de falar do que tenho visto e ouvido (At 4.19,20). Não posso me omitir. Como comunidade do Reino de Deus, estou comprometido com o caráter santo do Senhor que deve ser visto pelo mundo. Como filho de Deus, devo testemunhar ao mundo o Seu grande e incomparável amor em Cristo Jesus (Rm 5.8). Como Igreja, devo fazer com amor a obra missionária orando, sustentando e indo. Também, exercer a diaconia ou o serviço cristão cheio de misericórdia à semelhança de Jesus Cristo.

Conclusão

A Igreja que eu quero ser é bíblica, comprometida com o Senhor Jesus Cristo, contextualizada, sinérgica e serviçal. Uma Igreja que é sal e luz, que não perde a oportunidade de falar do amor de Deus em Cristo. Como igreja, busco os perdidos, invado o mundo no poder do Espírito Santo para pregar o evangelho de Cristo e invisto amorosamente na expansão do Reino de Deus. A Igreja que eu quero ser é uma igreja conformada com a Pessoa e Obra de Cristo e que vive para a glória de Deus Pai!

(OSWALDO JACOB)

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários

comments

Contribua com sua opinião