Bem Aventurados os Misericordiosos

Neste sermão vamos aprender que bem aventurados são os misericordiosos.

Texto: Mateus 5.7

INTRODUÇÃO:

Ao abordarmos o tema Misericórdia, parece que não habitamos neste planeta. O mundo está se habituando à realidade da violência, e do cada um por si. Somos bombardeados diariamente por notícias desalentadoras sobre o progresso da maldade e da violência. Os relacionamentos cada vez mais individualistas. Os filmes cada vez mais apelando para a violência, na “ânsia de retratar a realidade, eles incentivam a decadência da nossa cultura”, afirma o conhecido escritor Dias Lopes.

É diante desse retrato imenso de progresso da insensibilidade e desamor ao próximo, ao semelhante que, substituindo as emoções pela dor do outro, que Jesus nos diz que “felizes são os misericordiosos”, ou seja, aqueles que se apiedam com a situação do outro, que não agem segundo o curso desse mundo, mas reagem com o coração de Deus. O rei Davi tinha a convicção de que a misericórdia devia ser uma marca distintiva na sua vida com Deus: “bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por todo o sempre.” (Salmo 23. 6).

O texto lido afirma que “os misericordiosos alcançarão misericórdia”. Entretanto no Salmo 109. 6-16 há uma maldição para aquele que não exerce misericórdia.

6- Põe sobre ele um ímpio, e Satanás esteja à sua direita.

7- Quando for julgado, saia condenado; e a sua oração se lhe torne em pecado.

8- Sejam poucos os seus dias, e outro tome o seu ofício.

9- Sejam órfãos os seus filhos, e viúva sua mulher.

10- Sejam vagabundos e pedintes os seus filhos, e busquem pão fora dos seus lugares desolados.

11- Lance o credor mão de tudo quanto tenha, e despojem os estranhos o seu trabalho.

12- Não haja ninguém que se compadeça dele, nem haja quem favoreça os seus órfãos.

13- Desapareça a sua posteridade, o seu nome seja apagado na seguinte geração.

14- Esteja na memória do SENHOR a iniqüidade de seus pais, e não se apague o pecado de sua mãe.

15- Antes estejam sempre perante o SENHOR, para que faça desaparecer a sua memória da terra.

16- Porquanto não se lembrou de fazer misericórdia; antes perseguiu ao homem aflito e ao necessitado, para que pudesse até matar o quebrantado de coração.

O que é, então, uma pessoa misericordiosa?

I – A dor do semelhante é a sua dor

Esse é o conceito bíblico.

“Misericórdia é lançar o coração na miséria do outro e estar pronto em qualquer tempo para aliviar a sua dor”, afirma um escritor.

A palavra “Chesed” é misericórdia em grego que significa segundo Barclay: “a capacidade de entrar em outra pessoa até que praticamente podemos ver com seus olhos, pensar com sua mente e sentir com seu coração. É mais do que sentir piedade por alguém.”.

A misericórdia desenvolvida em nosso coração atende até quem não merece.

A misericórdia é ver uma pessoa sem o pão, e lhe estender a mão, é ver uma pessoa ferida e lhe fazer o curativo, seja ferida no seu espírito, na sua alma, nos seus sentimentos, nas suas dores, nas suas emoções e no seu corpo. É, não apenas sentir, ou até chorar, mas agirmos. O maior exemplo de misericórdia foi demonstrado por Jesus. Ele curou os doentes, alimentou os famintos, abraçou as crianças, foi amigo dos pecadores, recebeu os desesperançados, alcançou os desabrigados, tocou no intocável quando tocou nos leprosos. Os solitários e abandonados se sentiram amados por Ele. Consolou os aflitos, perdoou os que caíram em opróbrio. Ofereceu uma segunda chance a Pedro quando ele chorou amargamente arrependido de tê-lo negado.

Em 2ª Coríntios 8. 1-5 Paulo afirma que exercer misericórdia com os necessitados, é uma graça que Deus nos dá, em vez de um favor que fazemos às pessoas.

A misericórdia, portanto, segundo esse texto, é dar-se de si mesmo em favor dos que necessitam.

Devemos compreender que a fonte da misericórdia não é nata em nós mesmos, não é uma virtude natural. Por natureza somos maus, cruéis, insensíveis, egoístas, incapazes de exercermos misericórdia. Você precisa nascer de novo antes de ser misericordioso, você precisa de um novo coração, antes de ter um coração misericordioso, conforme a Bíblia.

A misericórdia bíblica é sem esperar receber. É descansar nas promessas do Senhor, e tão somente no Senhor e na sua fidelidade.

I – A Ação Misericordiosa

Em primeiro lugar devemos entender que a principal ação misericordiosa é quando compreendemos o valor de uma alma. Essa é a principal ação. A alma é a coisa mais preciosa que um homem tem. Jesus alertou que não devemos temer àqueles que podem matar o corpo, mas a alma. “Segundo Dias Lopes, a alma é como um rico diamante em anel de barro.”.

É na alma que está a Imago Dei. A imagem de Deus. Como exercer misericórdia por uma alma? Chorando por ela, advertindo aos homens da tenebrosa situação de sua alma sem Cristo, e vivendo no pecado. Ao mesmo tempo, preservar o nome do nosso semelhante é um ato de misericórdia. O bom nome vale mais do que riquezas. É algo que deve ser preservado pelo homem misericordioso. Há pessoas pródigas em levantar dúvidas, suspeitas sobre o nome do seu próximo, do seu semelhante, deixando a misericórdia de lado. De fazer críticas infundadas. A Bíblia diz que a garganta do ímpio é como sepulcro que enterra o bom nome das pessoas.

Há veneno de serpente em suas palavras (Rom. 3.13). Essa atitude é motivada por dois fatores: a inveja e o orgulho. Quando expomos os pecados das pessoas demonstramos a falta de misericórdia. O amor cobre multidão de pecados, mas a falta de misericórdia tem prazer de espalhar o pecado dos outros. Quem não tem misericórdia espalha boatos falsos e maledicentes, caluniadores. Devemos resistir e defender os que são caluniados e expostos por comentários maldosos e ressaltar o valor e a dignidade das pessoas lembrando que Jesus morreu por nós quando ainda éramos pecadores.

As pessoas feridas necessitam do bálsamo da misericórdia e não da espada da acusação. Os escribas arrastaram uma mulher e a jogaram aos pés de Jesus. Eles queriam que ela fosse apedrejada. Mas Jesus em vez de condená-la, perdoou-a e restaurou-a. Em vez de enterrá-la, levantou-a dando-lhe vida.

III – Fomos criados para exercermos misericórdia.

“Efésios 2. 10 afirma: “Pois fomos feitos por Ele, criados em Cristo Jesus para as boas obras; previamente preparadas por Deus para que andássemos nelas.”.

Um escritor afirma: “Todas as criaturas cumprem o papel para o qual foram criadas: as estrelas brilham, os pássaros cantam, as plantas produzem segundo a sua espécie. O propósito da vida é servir. Aquele que não cumpre a sua missão para o qual foi criado não produz o que é útil.”.

Ao sermos misericordiosos, nós resplandecemos o caráter de Deus, que é misericordioso. Por isso, devemos diariamente exercer a Misericórdia, não nos esquecermos, pois o Senhor as renova a cada manhã em nossa vida.

IV – As promessas do Senhor aos Misericordiosos.

Eles receberão de Deus o que deram aos outros

Serão felizes. Jesus disse que “mais bem-aventurado é dar do que receber” (Atos 20. 35).

Eles receberão de Deus exatamente o que deram aos outros. O misericordioso abre as comportas do céu sobre sua cabeça. Não é um meio de ser salvo, mas é o meio de demonstrar que está salvo pela graça.

Eles receberão recompensa nesta vida.

“Bem-aventurado aquele que acolhe ao necessitado; o Senhor o livrará no dia da calamidade.” (Sl. 41. 1).

Eles serão abençoados em sua prosperidade.

“A alma generosa prosperará e a quem dá a beber será dessedentado” (Pv. 11. 25).

Eles serão abençoados na vida por vir. Não são as nossas obras que nos levam ao céu, mas nós as levamos para o céu.

“… bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem de seus trabalhos, pois suas obras os acompanham.” (Ap. 14. 13).

A Bíblia diz: “Quem se compadece do pobre, ao Senhor empresta e este lhe paga o seu benefício” (Pv. 19. 17).

Jesus afirma: “Dai e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão.” (Lc. 6. 38).

Um bilionário de Belo Horizonte: morreu e não reconheceu os seus filhos de fora do casamento. Não quis dividir sua fortuna de mais de 3 bilhões de reais. Morreu pobre, cego e nu. Hoje, eles brigam na justiça pela herança.

Não são assim os misericordiosos. Ouvirão de Jesus no dia do juízo: “Vinde benditos de meu pai, entrai na posse do Reino, que vos está preparado desde a fundação do mundo, porque eu tive fome e me deste de comer; tive sede e me deste de beber…” (Mateus 25. 34-40).

CONCLUSÃO:

Amado (a) irmão (ã), você que nos visita, o seu coração é misericordioso? Você sente a dor do outro? Abre-lhe o coração, a mão e o bolso? Você se importa com as almas que perecem? Se importa com a reputação das pessoas? Você tem usado o que Deus lhe deu para abençoar as pessoas? O mundo tem sido melhor porque você existe? Se assim tem sido a sua vida, grande é o seu galardão nos céus. Amém.

Autor: Pr. João Roberto Raymundo

Visite: http://www.ejesus.com.br

Comentários

comments

Sobre Antonio C. Barro

É professor da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina. Formado em teologia, com mestrado e doutorado pelo Fuller Theological Seminary, nos Estados Unidos. É o criador e editor do blog cristão: www.coisado.com.br

Contribua com sua opinião