Sete Pecados Capitais – Orgulho

O primeiro dos pecados capitais é a soberba (ou orgulho). Porém, antes de começarmos nosso estudo sobre o orgulho, é necessário esclarecer algumas questões sobre o que NÃO é orgulho, e assim evitar possíveis confusões.
O que não é orgulho
Respeito próprio não é orgulho. Reconhecer o valor que temos como criaturas feitas à imagem e semelhança de Deus não é orgulho. Quando perdemos essa noção da imagem de Deus em nós, corremos o risco de afundar na areia movediça da auto-piedade. Temos valor sim! Mas esse valor está ligado ao valor que Deus nos conferiu a criar-nos à sua imagem e semelhança. Portanto, respeito próprio não é orgulho.
O prazer de receber reconhecimento não é orgulho. O reconhecimento faz parte da saúde dos relacionamentos humanos. As crianças especialmente precisam de reconhecimento para crescer com um correto senso de valor sobre si mesmas. Quem nunca ou ouviu um “parabéns!” ou um “você fez um bom trabalho” pode passar o resto da vida à busca de reconhecimento. Portanto não há orgulho na satisfação por ter feito algo certo; o orgulho chega quando eu começo a me achar realmente bom por ter feito algo certo.
Não é orgulho a satisfação pelas conquistas de amigos e parentes. Isso está bem longe de ser orgulho! Embora não seja um bom sentimento achar-se especial por ser parente dum político importante, ou porque um amigo ocupa uma posição de destaque na empresa ou por que seus pais fazem parte de um clube restrito, isso não é orgulho.
O que é orgulho, então?
O orgulho não só é o primeiro dos pecados capitais, mas é também o mais terrível deles em suas conseqüências. Orgulho é a matéria prima, o ingrediente básico de todos os outros pecados.
Fomos alcançados pelo orgulho, quando atribuímos a nós mesmos a origem dos resquícios da imagem de Deus, com que fomos criados. Por causa do orgulho, deixamos de reconhecer Deus como a fonte de todo o Bem e passamos a achar que pode haver em nós mesmos algum tipo de bondade.
Poeticamente, Hugo de São Victor, um mestre cristão medieval, comparou o orgulho ao sentimento que levaria um riacho a desejar desligar-se da fonte que o abastece e ter vida própria; ou a um raio de luz a desejar romper sua ligação como Sol e brilhar sozinho. O resultado seria um pouco de independência no começo e no final apenas um leito seco para um e a total escuridão para o outro.
O orgulhoso é aquele que não deu a mínima importância à parábola da parreira (contada por Jesus em João 15) na qual nós somos os galhos e Ele é a própria árvore. Sem Ele, nada podemos fazer. A soberba leva o galho a arvorar-se, a pensar que é árvore e a desejar a honra e o lugar que cabem à árvore. Em outras palavras, o soberbo tenta roubar a glória que pertence a Deus, atraindo destruição para si mesmo.
Orgulho foi o pecado de Lúcifer que disse: (13) …Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; (14) subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. (Isaías 14:13,14)
O orgulho é o mestre da desfaçatez. As outras pessoas o vêem em nós, mas nós dificilmente o admitimos. Além disso, o orgulhoso incomoda-se profundamente com o orgulho do outro.
C.S. Lewis, em Cristianismo Puro e Simples, afirma o seguinte:
“De fato, se quisermos descobrir o quanto somos orgulhosos, o método mais fácil e perguntar a nós mesmos ‘quanto me desagrada ver os outros me desprezarem, recusarem-se a me dar qualquer atenção, intrometerem-se em minha vida, tratarem-me com ares paternos, ou se exibirem com ostentação? ’”

Orgulho através da Bíblia
(A) No capítulo 26 de Levítico vemos primeiro uma série de promessas feitas ao povo de Israel, recém saídos do Egito. No verso 3, as promessas têm uma condição: se andares nos meus caminhos; a partir do verso 14, o Senhor começa a dizer quais serão as providências que Ele tomara para corrigir o seu povo, caso ele não ouçam e cumpram os mandamentos; no verso 18, uma nova etapa de correções para o caso de o povo continuar sem ouvir a voz do Senhor. É nesse contexto que surge o verso 19 “quebrantarei a soberba da vossa força…”.
Soberba é resistir às correções do Senhor. Achar que é forte e inteligente ao ponto de poder enfrentá-lo e por isso achar que não precisa dar ouvidos a sua Palavra.
Quantas vezes, irmãos, o Senhor nos ensina, orienta, oferece oportunidades de corrigirmos nossas vidas, mas nós agimos com orgulho. Olhamos para a correção do Senhor como se ela não fosse necessária. Corrigir o que? Perguntamos. Minha vida vai bem, obrigado!
Depois de ensinar e corrigir a primeira vez o povo de Israel, o Senhor avisou “Se ainda assim não me ouvirdes… quebrantarei a soberba da vossa força”.
Quantas vezes mais? Quanta disciplina até que você reconheça a soberba do seu coração?
(B) Deuteronômio 18:20-22 apresenta algumas precauções ao povo sobre o trabalho dos profetas. Os profetas gozavam de alta estima junto ao povo, mas não era para as pessoas acreditarem em toda e qualquer profetada dita em nome de Deus, não. O teste era simples: os profetas que falassem em nome de Deus nunca teriam suas profecias frustradas, tudo que eles dissessem aconteceria.
Mas, aqueles que profetizassem alguma coisa e a profecia não se cumprisse, era porque se haviam deixado dominar pela soberba e falavam apenas de si mesmos.
Era o orgulho que fazia o profeta falsear a palavra de Deus para parecer espiritual e não perder o posto. É o orgulho que faz o irmão, ao orar, afirmar coisas em nome de Deus que Deus mesmo nunca disse, apenas para ficar bonito. É o orgulho que faz a irmã aconselhar a amiga com conselhos próprios e dizer que é de Deus.
Se Deus está calado diante dos problemas que a vida têm lhe apresentado, não há porque falar em nome dele, como se Ele precisasse de ajuda para se expressar. O Senhor não se cala à toa. Por isso não invente, fique humildemente em silêncio e espere que Ele fale. No tempo certo Ele se fará ouvir.
(C) No livro de Neemias, capítulo 9, está registrado um dos momentos mais marcantes de reconciliação entre Deus o povo de Israel. Exilados na Babilônia por causa de seu orgulho, o povo disperso, sem líderes, sem ânimo e sem fé. Neemias e os levitas conduziram o povo ao Arrependimento e à confissão de pecados. Essas foram as marcas desse reencontro.
No verso 29, o povo confessou a soberba de seus antepassados: “não deram ouvidos aos teus mandamentos… obstinadamente deram de ombro” (viraram as costas – NVI).
Tem sido essa a marca da soberba em sua vida? Dar de ombros mesmo quando o Senhor renova Sua misericórdia sobre sua vida e lhe dá novas oportunidades para acertar?
Confessar os pecados não é nada fácil. Confessar a soberba e a arrogância é ainda mais difícil. Mas, a confissão é uma espécie de limpeza de alma. Foi assim que o povo fez no capítulo 9 de Neemias: confessou e clamou ao Senhor por capacitação para viver diferente. Nós também podemos fazer o mesmo.
(D) No Salmo 10:4-6 vemos outras considerações sobre o orgulho. (4) O perverso, na sua soberba, não investiga; que não há Deus são todas as suas cogitações. (5) São prósperos os seus caminhos em todo tempo; muito acima e longe dele estão os teus juízos; quanto aos seus adversários, ele a todos ridiculariza. (6) Pois diz lá no seu íntimo: Jamais serei abalado; de geração em geração, nenhum mal me sobrevirá.
A marca principal na vida do orgulhoso é viver como se Deus não existisse. A partir dessa premissa, o orgulhoso chega à mesma conclusão de um dos personagens de Dostoiesvisk no livro Os irmãos Karamazov, que se Deus não existe e não há vida futura, nada mais é imoral, e tudo é permitido. Diante da ausência do padrão divino, o orgulhoso, diz o salmista, considera a todos motivo de riso.
Não se engane, meu irmão, quando o outro é sempre motivo de gracejo, daquele riso que despreza e menospreza, é sinal de que o orgulho ocupou espaço em sua vida e a arrogância se instalou no coração. Cuidado!
Ainda falando sobre o orgulhoso, o salmista diz que ele sofre da síndrome da indestrutibilidade. Ele acha que nada lhe atingirá, que ninguém tem dignidade para ofendê-lo, que lê jamais será abalado e que a sua vitória servirá para os seus filhos e netos.
O orgulhoso tem uma falsa segurança, porque ele está seguro em si mesmo. Ele é como um jangadeiro em alto mar, que em plena tempestade se imagina conduzindo um transatlântico. O orgulhoso ri dos outros porque em sua arrogância se acha superior a todos.
Você é esse jangadeiro? Em nome de Jesus abandone suas falsas seguranças e clame ao Senhor dos Mares para que Ele lhe resgate e lhe ponha em segurança, antes que a tempestade vire o seu barquinho.
Ainda há algo a falar sobre o orgulho e também sobre os antídotos de Deus contra esse pecado, apresentados tanto nas bem-aventuranças quanto na oração modelo ensinada por Jesus. Mas vamos continuar na próxima semana. Hoje eu gostaria de encerrar com as palavras do profeta Jeremias (9:23-24).
(23) Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; (24) mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR. (Jeremias 9:23-24 ARA).
Hoje vamos dar continuidade à série de pregações sobre “Os Sete Pecados Capitais” e concluir nossas reflexões sobre o primeiro deles: o orgulho.
(12) Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas. (13) Também da soberba guarda o teu servo, que ela não me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre de grande transgressão. Salmos 19:12-13
Nesse texto o salmista pede livramento ao Senhor das faltas involuntárias. Essa era uma questão que era considerada na Lei. Em número 15:30,31 há o relato da forma como deveriam ser tratadas as quebras involuntárias da lei de Moisés.
Para ampliar nossa compreensão sobre a soberba, é importante a gente perceber que ela é colocada nesse salmo em contraposição a esses pecados involuntários. A soberba é o pecado atrevido, deliberado, rebelde mesmo. É uma atitude de afronta intencional à vontade de Deus.
Por isso, meu irmão, você deve ficar atento. Quando a Palavra de Deus falar algo para você, não seja orgulhoso ou arrogante. Não endureça o seu coração. O escritor da carta aos Hebreus tem um recado para nós sobre isso:
(7) Assim, pois, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz, (8) não endureçais o vosso coração como foi na provocação, no dia da tentação no deserto, (9) onde os vossos pais me tentaram, pondo-me à prova, e viram as minhas obras por quarenta anos. (10) Por isso, me indignei contra essa geração e disse: Estes sempre erram no coração; eles também não conheceram os meus caminhos. (11) Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso. (12) Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; (Hebreus 3:7-12 ARA)
Asafe, no salmo 73 afirma que a soberba costuma assediar aqueles que têm vidas prósperas, gozam de boa saúde e não passam por grandes aflições no dia-a-dia da vida.
Salomão também pensou sobre o orgulho O sábio rei de Jerusalém (Pv. 8:13) afirma que a soberba e sabedoria não se dão bem; uma aborrece a outra. Onde a soberba acha lugar a sabedoria desaparece, ficando só a esperteza.
Salomão afirma ainda que o orgulho trás consigo a desonra (Pv.11:2). O orgulho, segundo o rei de Israel, também resulta em contenda (Pv.13:10), porque o orgulhoso não pede conselho a ninguém; ele faz tudo com acha que deve fazer e depois briga com Deus e o mundo porque não deu certo. É por isso que a soberba precede à ruína e a altivez de espírito à queda (Pv.16:18).
O escritor do livro de provérbios afirma ainda, corajosamente, que os orgulhosos serão abatidos por sua própria soberba, porque o orgulhoso negocia a própria honra para não se sentir inferior. (Pv.19:23).
O profeta Isaías, ao falar contra o rei de Israel, diz que a soberba daquela nação se revelava em sua renitente postura de insistir em construir, quando Deus estava derrubando; e plantar, quando Deus estava arrancando.
(9) Todo o povo o saberá, Efraim e os moradores de Samaria, que em soberba e altivez de coração dizem: (10) Os tijolos ruíram por terra, mas tornaremos a edificar com pedras lavradas; cortaram-se os sicômoros, mas por cedros os substituiremos. (Isaías 9:9-10 ARA)
Meu irmão, o orgulho faz com que não aceitemos qualquer revés em nossas vidas; se o Senhor está derrubando os seus muros de proteção e arrancando as árvores do seu jardim, é por amor a você. Isso se tornará em aprendizado e aperfeiçoamento, se você se agir com humildade; mas pode vir a se tornar em destruição, se você der lugar ao orgulho.
No capítulo 13 do livro do profeta Jeremias, o Senhor usou uma ilustração com um cinto de linho, que apodreceu depois de ser colocado entre as rochas, na beira de um rio, para explicar como ele lidaria coma soberba do povo de Judá e Jerusalém. No verso 10, Ele explica em que consistia o orgulho daquele povo.
(9) Assim diz o SENHOR: Deste modo farei também apodrecer a soberba de Judá e a muita soberba de Jerusalém. (10) Este povo maligno, que se recusa a ouvir as minhas palavras, que caminha segundo a dureza do seu coração e anda após outros deuses para os servir e adorar, será tal como este cinto, que para nada presta. Jeremias 13:9-10
Precisamos compreender que Deus não considera o orgulho algo desprezível. Ele tratará o orgulho em nossas vidas com rigor e firmeza.
Ezequiel, ao profetizar contra Jerusalém, faz uma comparação dos pecados cometidos naquela cidade com os pecados cometidos em Sodoma, a cidade que foi destruída por Deus. O profeta afirma que a origem da devassidão de Sodoma foi a soberba que tomou conta dos seus moradores, por causa da prosperidade em que viviam.
(48) Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR Deus, não fez Sodoma, tua irmã, ela e suas filhas, como tu fizeste, e também tuas filhas. (49) Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: soberba, fartura de pão e próspera tranqüilidade teve ela e suas filhas; mas nunca amparou o pobre e o necessitado. (50) Foram arrogantes e fizeram abominações diante de mim; pelo que, em vendo isto, as removi dali. (Ezequiel 16:48-50)
O escritor C.S. Lewis, em seu livro “Cristianismo Puro e Simples” nos ajuda compreende a natureza do orgulho:
“O orgulho não sente prazer em possuir algo, mas apenas em possuir mais do que o próximo… A pessoa tem orgulho de ser mais rica, mais inteligente ou de ter melhor aparência do que os outros… É a comparação que nos torna orgulhosos; o prazer de estar acima dos outros. Não havendo competição, o orgulho desaparece.”

Contrapontos do Orgulho
Como devemos lidar com o orgulho em nossas vidas? O assunto é importante e a Palavra de Deus não nos deixa desamparados sobre isso. O contraponto ao orgulho que a Bíblia nos apresenta é a humildade. “Bem-aventurados os pobres de Espírito” – Mat 5:3 BV.
A palavra que Jesus usou, e foi traduzida como pobre, era usada para descrever as pessoas destituídas de tudo, completamente falidas, sem nada a que se apegar.
Jesus afirma então que felizes são aqueles que têm consciência de seu estado miserável, que reconhecem a sua falência, que desconfiam de suas próprias motivações, que consideram não encontrar em si mesmas nada em que se possam apoiar e por isso buscam em Deus sua felicidade. “Bem-aventurados os pobres de Espírito”.

Enganos sobre a humildade
O engano mais comum é o que leva as pessoas a pensarem que ser humilde é apresentar uma imagem de coitadinho, que não é ninguém e não tem nenhuma importância. Humildade não pode ser confundida com autocomiseração. Humildade não é fazer cara de triste e se depreciar para receber elogio dos outros. Isso é orgulho em pele de humildade.
A tristeza pelo sucesso do outro ou por sua posição de destaque não é humildade. Isso é outro engano. Acusar os outros de orgulhosos porque são mais bem sucedidos do que nós não nos faz pessoas humildes. Era assim que Frederich Nietszch criticava a humildade pregada por muitos cristãos. Mas isso não é humildade, é ressentimento em pele de humildade.
Jeremy Taylor (1613-1667), um bispo anglicano, teólogo e escritor, afirmou o seguinte:
“humildade não consiste em erigir cercas contra você mesmo, usar roupas de mendigo ou portar-se de forma suave e submissa. Consiste porem em ter de si próprio uma avaliação sincera de que você realmente é mau e medíocre”
No evangelho de Lucas (18:10-14) Jesus contou uma parábola.
(9) Propôs também esta parábola a alguns que confiavam em si mesmos, por se considerarem justos, e desprezavam os outros: (10) Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano. (11) O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano; (12) jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. (13) O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador! (14) Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado. Lucas 18:9-14 ARA
Quem é você meu irmão? Você está grato a Deus por ser uma pessoa legal? Por ser um cidadão exemplar, um bom pai de família, pagar seus impostos e cumprir com suas obrigações religiosoas?
O Senhor lhe chama a bater no peito, como aquele publicano, e clamar pela misericórdia de Deus por causa dos seus pecados e do orgulho que lhe assedia.
Escrevendo aos Filipenses, o apóstolo Paulo apresenta o relato do maior exemplo de humildade que já existiu: Jesus Cristo. Acompanhe comigo.
(4) Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros. (5) Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, (6) pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; (7) antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, (8) a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. (9) Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, (10) para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, (11) e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. (Filipenses 2:5-11 ARA)
Para Jesus humildade era não apegar-se a sua condição divina, esvaziar-se a si mesmo; para nós, é assumir com convicção o nosso vazio e reconhecer que nada temos em que possamos nos apegar, senão a Graça e o amor de Deus, revelados em Cristo Jesus.
O humilde entrega a glória a quem ela pertence: ao Senhor. Por isso, na oração modelo, Jesus no ensina a reconhecer a santidade de Deus: santificado seja o teu nome. Não o meu nome, não a minha reputação, não a minha imagem, mas o teu nome seja louvado e exaltado.
Quando reconhecemos a santidade de Deus somos confrontados com nosso pecado, é verdade! Mas também somos acolhidos pela Graça de Deus, que nos recebe, assim como somos; porque Deus dá graça aos humildes, mas resiste aos soberbos.
Quero lhe dar a oportunidade de iniciar hoje um relacionamento pessoal com o Deus da Bíblia. Um relacionamento através do qual você será alcançado pela graça de Deus, será recebido pai como você está e terá seu caráter moldado à semelhança de Cristo. Para isso, você precisa abrir mão do orgulho, deitar fora a soberba e a arrogância e entregar o controle de sua vida a Jesus, aceitando-o como seu Senhor e Salvador.
Se você, meu irmão, hoje compreendeu que o orgulho vem tomando espaço em sua vida e gostaria de confessar o seu pecado e aprender humildade com o filho de Deus, fique de pé.

www.ejesus.com.br
sete pecados, orgulho, orgulhoso

Comentários no Facebook