Sobre os Dois Montes

Introdução

Em um período de férias de fevereiro de 1985, estando eu a estudar e meditar na palavra de Deus em um estúdio improvisado em Lageado Baixo, no soto da casa de meu sogro, o Sr. Augusto Alfredo Fuckner, já falecido.

Levantando os olhos dos livros e da lição e olhando pela janela deparei com uma paisagem muito comum no tempo de Jesus.

Da minha escrivaninha improvisada com caixas e cadeiras velhas, eu via a minha esquerda uma linda pastagem com algumas arvores que serviam de sombra para os animais que ali pastavam. E mais à frente eu via um monte relativamente elevado contra um céu azul límpido de verão, com algumas roças de milho, aipim, e outras culturas as quais eu não conseguia identificar devido à distância.

Monte da Transfiguração

Estando a contemplar esta paisagem de rara beleza, veio-me a mente a cena relatada em:

Marcos 9: 2 a 8 – A Transfiguração de Jesus. (ler)

Na minha imaginação eu via no plano mais baixo os nove discípulos e um grupo de pessoas que pareciam estar discutindo alguma coisa.

Em um segundo plano eu via três pessoas: Pedro, Tiago e João que pareciam estar extasiados com o que estavam vendo. E em um terceiro plano, um pouco mais alto, eu via mais três pessoas as quais pela leitura da Bíblia, eu bem sabia quem eram.

Embora a distância fosse grande, eu podia distinguir o personagem ao centro, tendo um a sua esquerda, e outro a sua direita. Este era Jesus a conversar com Moisés e Elias.

Em minha imaginação agucei os ouvidos a fim de captar algumas palavras daquela santa conversa, mas não me foi possível, percebia-lhes somente os gestos. Embora a Bíblia, em S. Lucas 9:30 e 31 nos informe dizendo que falavam de sua morte a qual deveria ocorrer em Jerusalém.

Então me vieram à mente as palavras de Pedro: “Quão bom é estar aqui”. (V. 5)

Realmente é muito bom estarmos em algum lugar a sós a meditar sobre uma das muitas cenas bíblicas sobre Jesus, isto nos traz uma paz profunda. Na presença de Jesus qualquer lugar se torna bom.

Volvendo novamente para a lição e a Bíblia deparei-me com o pedido de Tiago e João: “Mestre no teu reino faz que um de nós esteja a tua direita e outro a tua esquerda”.(Marcos 10:35,37). Então me veio o seguinte pensamento: ao terem eles contemplado a transfiguração de Jesus com Moisés e Elias ao seu lado, e sentindo como uma visão do futuro aqui na terra, não desejaram eles Tiago e João, o lugar de Moisés e Elias? Você não gostaria de estar no lugar deles?

E, aí me veio a pergunta: qual dos dois estava à direita, Moisés ou Elias? É claro, não obtive resposta, talvez porque isto não tenha tanta importância. O importante é estar na presença de Jesus.

Tirei deste pensamento uma lição importante: talvez eu esteja interessado em conhecer, em ver, em falar com Jesus face a face. Mas, como Tiago e João, eu não esteja preparado para beber o cálice que Jesus bebeu e nem ser batizado como Ele foi. Embora resposta deles tenha sido: “podemos”, penso que eles não estavam.

Monte do Calvário

Agora, olhando para o cume deste mesmo monte contra um céu cinzento e nublado com nuvens carregadas como prelúdio de um grande temporal, veio-me a mente a cena descrita em:

Marcos 15: 1 a 41 – Jesus perante Pilatos e a Crucificação (V. 24, 25, 28 …ler)

Lá à distância eu também podia ver o mesmo personagem ao centro, como no monte da transfiguração, embora numa situação bastante adversa, tendo de cada lado não as figuras tranqüilizadoras de Moisés e Elias. Mas, dois mal feitores, dois ladrões entre os quais estava sendo contado, e na mesma situação, isto é, pendurado numa horrível cruz.

Via a seus pés algumas mulheres a chorar e também os seus discípulos um tanto decepcionados com aquele acontecimento, embora eles tivessem ouvido dos lábios do Mestre tudo aquilo que estavam a presenciar.

Mais abaixo eu via uma turba que momentos antes gritara: crucifica-o, crucifica-o, agora pasmada com a mudança repentina das condições do tempo que passou de um dia ensolarado para ameaça de uma terrível tempestade.

Realmente estava para acontecer a maior e mais terrível tempestade já vista na face da terra – a morte do Filho de Deus.

Olhando novamente para o monte eu via as três cruzes e parecia ouvir-lhes a conversa, quando um dos ladrões vira-se para Jesus e pede: “… Lembra-te de mim quando entrares no teu reino…”. (Lucas 23: 42). Então também desejei estar com Ele no seu reino, quando Ele respondeu: “… Estarás comigo no paraíso”. (V. 43)

Pude ouvir também daqueles lábios tantas vezes abertos para abençoar, para ensinar, para perdoar, para corrigir com mansidão, a significativa frase: “… Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. (Lucas 23:46)

Aquela cabeça antes sustentada pela varonilidade de um verdadeiro homem, agora pendia sobre o peito sem nenhum pensamento para fluir aos lábios, pois nela deixara de existir a vida.

Vida – tiraram-Lhe a vida os homens, seus irmãos, todos movidos por satanás.

Esta cena ao contrário da anterior que me levou a expressar como Pedro: “Quão bom é estar aqui”, causa-me revolta e então virei as costas para a janela e fiquei a pensar: qual seria a minha situação se eu estivesse em uma das cruzes?” Será que ouviria de Seus lábios: “estarás comigo no Paraíso?” Ou simplesmente ouviria: “… Pai nas tuas mãos entrego o meu espírito”? Como fechamento de causa, isto é, de condenação eterna?

Neste momento eu me lembro do hino do: Arautos do Rei que diz:

“Estavas lá” ( H.ª 59)
Estavas lá ao pregarem meu Jesus?(bis)
Oh, oh, oh, oh nisso pensando quanto tremo, tremo, tremo.
Estavas lá ao pregarem meu Jesus?
Estavas lá quando o sol não quis brilhar? (bis)
Oh, oh, oh, nisso, pensando quanto tremo, tremo, tremo.
Estavas lá quando o sol não quis brilhar?
Estavas lá quando Ele ressurgiu?(bis)
Oh, oh,oh,oh, nisso pensando quanto tremo, tremo, tremo.
Estavas lá quando Ele ressurgiu?

Embora esta cena tenha ocorrido há muito tempo atrás, eu sinto que naquelas mãos santas atravessadas pelos cravos, e naquela cabeça santa dilacerada pelos espinhos da rude coroa, estava gravado o meu nome: Manoel José de Oliveira nascido em Laguna S. C. aos 13 de agosto de 1949.

Creio também, querido irmão, que lá estava gravado o teu nome, não importa se és rico ou pobre, branco ou negro, amarelo, vermelho, criança, jovem, adulto ou velho, bom ou mau. Não importa qual seja a tua situação, o teu nome estava gravado nas mãos santas de Jesus.

Já reconheceste esta verdade? Já pensaste nesta cena com emoção? Se não, ainda é tempo.

Sobre os Dois Montes – quase sempre se busca refugio nos montes. A que monte você se dirige para buscar paz, perdão, alegria? O mundo oferece muitos montes: riquezas,fama, prazeres nas drogas, esportes, sexo etc.

“Corre veloz para o monte, (hino 180 H.A)” de preferência o do calvário. Fisicamente Jesus ali não está, mas sua voz estará ao alcance de teus ouvidos se tão somente pedires: “Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu reino,” então ouvirás: “… estarás comigo no Paraíso”.

Que seja esta também a tua experiência.

(Reeditado em 23//02/2003 – Ponta Grossa Central)

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários no Facebook