A esperança que não morre

Introdução
- Estamos refletindo no mês de novembro sobre as “riquezas da esperança”. O texto base é Romanos 15.13: “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo”. Vimos o tema “a certeza da esperança” na última semana.
- Ao chegarmos ao final do ano as pessoas podem entrar em um processo de desânimo. Fora o cansaço, percebemos que muitos têm a impressão de que chegaram ao seu limite.
- Nesta semana ouvi por várias vezes frases como “Vou desistir, vou voltar atrás, estou arrependido de ter confiado que poderia dar certo, estou perdendo tempo, vou jogar tudo para o alto”. É nesse momento que a esperança tem que voltar a nossa mente com toda força: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança” (Lamentações 3. 22). Não como a última que morre, mas como a esperança que não morre. Vejamos algumas razões porque nossa esperança não morre:

1) Nossa esperança está firmada na aliança de Deus
- Muitos têm colocado a esperança em promessas de homens, em governos, em pacotes econômicos, na bolsa de valores, em palavras jogadas ao vento, em empresas, em cursos ou em si próprio.
- Nós podemos esperar com esta certeza porque nossa esperança está firmada na aliança que Deus fez comigo e com você. Abraão esperou com paciência porque ele sabia que o próprio Deus firmou a promessa e deu seu próprio nome como garantia (v. 13). A promessa feita a Abraão é estendida a mim e a você através da obra de Jesus Cristo. Como crentes, somos filhos de Abraão, e herdeiros das promessas feitas ao nosso pai da fé. “É o caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão: Em ti, serão abençoados todos os povos. De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão” (Gálatas 3.6-9). Algumas expressões que dão a garantia da promessa que foi feita a Abraão.
- V. 17: “Deus se interpôs com juramento” – Deus não precisa jurar, mas por causa de nossa incredulidade ele fez isso. Não achando ninguém superior, jurou pelo próprio nome.
- V. 18: “é impossível que Deus minta”, aqui podemos lembrar de Números 23.19: “Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá?”.
- V. 19: “a qual temos por âncora da alma, segura e firme”. O salmista ( Salmo 42.5) nos pergunta “Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu”. A esperança em Deus é como um navio mantido seguro e firme por uma âncora.
- Nossa esperança é firmada na aliança de Deus, e ele jamais quebra uma aliança.

2) Nossa esperança está firmada nas possibilidades de Deus
- Em primeiro lugar vimos que nossa esperança está firmada na aliança de Deus para nós. Mas esta esperança deve estar firmada nas possibilidades de Deus. Devemos esperar com paciência (v. 15), assim como Abraão, porque podemos olhar as situações que nos cercam não com a nossa ótica, mas com a ótica de Deus. A promessa feita a Abraão é de que ele seria abençoado e que teria grande descendência (vs. 14). Mas um dia Abraão foi chamado por Deus, Deus pediu-lhe por sacrifício seu único filho, o filho da promessa, o filho a quem muito amava (Gênesis 22.2). Abraão poderia olhar a circunstância e perder totalmente a esperança. Poderia dizer “está tudo acabado, vou desistir, não valeu a pena esperar”.
- Quais são as circunstâncias pelas quais você tem passado nesta hora? Seu casamento (piora), sua saúde (agrava-se), suas finanças (crise). Deus está nos falando nesta hora que precisamos renovar nossa esperança de acordo com visão de Deus e não a nossa.
- Para nós, monte Moriá significa o fim, para Deus significa o começo, para nós adorar pode significar perder tempo, para Deus entregar e confiar, para nós a falta do cordeiro significa impedimento ou derrota (talvez você esteja vendo apenas o cutelo e o fogo), para Deus significa a possibilidade de provisão, para nós o altar significa morte, para Deus é onde ele gera vida.
- Hebreus 11. 17-19: “Pela fé, Abraão, quando posto à prova, ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito aquele que acolheu alegremente as promessas, a quem se tinha dito: Em Isaque será chamada a tua descendência; porque considerou que Deus era poderoso até para ressuscitá-lo dentre os mortos, de onde também, figuradamente, o recobrou”.
- Podemos esperar com paciência quando passamos a olhar as situações de acordo com as possibilidades de Deus.

3) Nossa esperança está firmada na promessa de Deus
- Em primeiro lugar vimos que nossa esperança está firmada na aliança de Deus para nós. Que nossa esperança deve estar firmada nas possibilidades de Deus. Mas ainda que nossa esperança está firmada na promessa de Deus. Abraão depois de esperar com paciência (longanimidade), obteve a promessa (v.15).
- Qual a promessa de Deus que você está esperando nesta hora? “Eis que, já hoje, sigo pelo caminho de todos os da terra; e vós bem sabeis de todo o vosso coração e de toda a vossa alma que nem uma só promessa caiu de todas as boas palavras que falou de vós o SENHOR, vosso Deus; todas vos sobrevieram, nem uma delas falhou” (Josué 23.14). Deus é fiel e não permitirá que nenhuma de suas promessas caia por terra. Precisamos aprender a esperar com a certeza de que nossa esperança nunca morre. Hebreus 10.23: “Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel”.
- Nossa esperança não está apenas baseada nas promessas para agora, para nosso bem estar ou felicidade. Mas nossa esperança está acima de tudo baseada na promessa de um futuro certo, de uma eternidade plena, de vida eterna. 1 João 2.25: “E esta é a promessa que ele mesmo nos fez, a vida eterna”. Esta promessa tem como garantia a obra de Jesus, adentrando os céus, tornando-se o grande sumo sacerdote, sentando-se à direita do pai e nosso intercessor.
- Podemos cantar nossa esperança “Que segurança, sou de Jesus” e esperar os céus, mesmo em meio a lutas ou dificuldades, porque “Vencendo vem Jesus”. Nossa esperança está firmada na promessa de Deus, ele voltará.

Conclusão
- Vimos que nossa esperança não morre porque nossa esperança está firmada na aliança de Deus, está firmada nas possibilidades de Deus e está firmada na promessa de Deus.
-Salmos 40.1: “Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro”.
- Deus se inclina, nesta hora, para aqueles que depositam nele a esperança.

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários no Facebook