A ressurreição de Jesus é a garantia da nossa fé.

INTRODUÇÃO

- A ressurreição de Jesus é o episódio que dá sentido e significado à fé cristã. Sem ela, como disse o apóstolo Paulo, o cristianismo não teria razão de ser (I Co. 15:14).

- A ressurreição de Jesus é o fato que distingue o Cristianismo de toda e qualquer outra religião, a verdade que demonstra que Jesus é o Salvador do mundo, a Verdade e a Vida.

I – A RESSURREIÇÃO ANUNCIADA

- “Ressurreição” é palavra que vem do latim “ressurrectio”, cujo significado é “reerguimento, reanimação, restabelecimento, recomeço”. Segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, “ressurreição” é “ato ou efeito de ressurgir ou ressuscitar; retorno da morte à vida”.

- A idéia de “ressurreição” sempre esteve presente nas civilizações mais antigas da Terra, ainda que de forma impessoal, como um ciclo da existência. Com efeito, a idéia de “ressurgimento da vida” estava vinculada à própria seqüência das estações do ano, pois, no inverno, na zona temperada (onde floresceram as mais antigas civilizações), toda a vegetação desaparece e boa parte dos animais tem de hibernar, dando ao homem a impressão de que a vida acabou. Com a primavera, há o degelo e a vegetação reaparece, assim como os animais. Diante deste quadro, resultante do dilúvio (Gn.8:21,22), a imaginação humana, deturpada pelo pecado e que havia recorrido à idolatria (Rm.1:22,23), acabou criando os “mitos da ressurreição”, nos quais havia sempre uma seqüência de morte e de nascimento de “deuses”, notadamente dos “deuses da fertilidade”, como era o caso do babilônico Tamuz e do cananeu Baal.

- No que parece ser o mais antigo livro da Bíblia, no livro de Jó, o patriarca afirma que espera ver o Senhor na sua própria carne, ou seja, não em um corpo de uma outra pessoa, mas num corpo seu e somente seu para se apresentar diante de Deus: “em minha carne verei a Deus” (Jó 19:26 “in fine”). É certo que, a este tempo da revelação divina, o patriarca ainda não tinha a compreensão que haveria no tempo do apóstolo Paulo, de que o corpo com o qual veremos a Deus não é o corpo de carne e ossos que agora temos, mas, sim, um corpo incorruptível e glorioso (cf. I. Co.15:44-54), mas, de qualquer maneira, e é o que nos importa aqui, tinha plena consciência do que era a ressurreição, prova de que toda a mitologia então existente não fora capaz de empanar um conceito que, muito seguramente, havia sido revelado por Deus aos mais antigos patriarcas (Enoque certamente deveria ser um deles, pois, se havia profetizado sobre o retorno de Cristo com os Seus santos, como se verifica em Jd.14, não é desarrazoado pensar que lhe tivesse sido dito algo sobre a ressurreição).

- No Antigo Testamento, portanto, vemos que a idéia da ressurreição já está presente, ainda que de forma tímida, como não poderia ser diferente, já que a ressurreição, como tudo o que haveria de se concretizar na pessoa de Jesus, tinha de ser apresentada como sombra, como figura (Rm.15:4; Hb.10:1).

- A ressurreição é a restituição à vida, ou seja, o retorno à unidade entre corpo, alma e espírito, que havia quando da vida física. Jó tinha plena consciência que retornaria, no fim dos tempos, a ter a mesma unidade que o caracterizara na sua existência terrena, ou seja, que tornaria a ter um corpo, no qual estariam sua alma e espírito.

- A ressurreição, para os judeus, era ainda a idéia imperfeita que possuía o patriarca Jó ainda antes da formação do povo de Israel. A idéia de Jó perdurou entre os israelitas, tanto que, em trechos como Is.26:19 e Dn.12:2, vemos realçada a crença na ressurreição final.

- Conforme vemos na Bíblia, nos tempos de Jesus, os judeus aguardavam uma ressurreição no último dia, quando ressurgiriam com seus próprios corpos (Jo.11:24). Todavia, a plenitude da revelação divina a respeito deste assunto veio com o próprio Jesus, “as primícias dos que dormem” (I Co.15:20), que, com Sua ressurreição, mostrou à humanidade precisamente como se daria a ressurreição não só dos santos, que, em tudo será semelhante a de Cristo (cf. I Co.15:23; Ap.20:4,6), como também dos que não são de Cristo, que também ressurgirão, ainda que sem glória e para serem lançados no lago de fogo e de enxofre (Ap.20:5,11-15). Aliás, a ressurreição de Cristo, como nos mostram os apóstolos, vaticinada fora pelo salmista (Sl.16:10; At.2:25-32).

- No Antigo Testamento, vemos sempre afirmações bíblicas de que é impossível o retorno à vida a não ser no instante da ressurreição final, como deixam claro textos como os de II Sm.12:23, Sl.49:14-20 e Ec.9:10, entre outros versículos. Tal circunstância mostra que, ao contrário do que ensinam os espíritas kardecistas, o conceito de ressurreição nada tem que ver com o de reencarnação. Vejamo-los rapidamente:

a) II Sm.12:23 – Aqui o rei Davi diz que o seu filho falecido não voltará mais ao mundo dos vivos, mas ele, Davi, irá para o mundo dos mortos. Ao assim exclamar, Davi mostra, claramente, que não havia possibilidade de uma nova existência terrena para seu filho morto.

b) Sl.49:14-20 – Aqui o salmista (que não é Davi mas os filhos de Coré) mostra que o homem que morre vai para a geração dos seus pais, ou seja, não mais retorna para esta terra, quer seja rico, quer seja pobre, não havendo, portanto, qualquer possibilidade de retorno.

c) Ec.9:10 – Neste versículo, que sintetiza todo o pensamento de Salomão neste que é seu livro da velhice, vemos que só há uma oportunidade para o homem na “vida debaixo do sol”, oportunidade que, se for perdida, nunca mais será recuperada. Depois da sepultura, não há mais qualquer possibilidade de se fazer algo nesta vida debaixo do sol para Deus ou para quem quer que seja.

- Percebemos, portanto, que, na Bíblia Sagrada, no Antigo Testamento, havia a nítida noção, ainda que implícita, de um retorno à vida, ainda que no momento final da história, a demonstrar, portanto, que a idéia de ressurreição não era estranha aos escritos sagrados e que nada tinha que ver com as idéias mitológicas relacionadas com o ciclo das estações do ano nem tampouco com os conceitos de reencarnação, que caracterizavam os sistemas religiosos do hinduísmo, do budismo e até certos setores da filosofia e religião gregas e que, inclusive, haviam influenciado alguns judeus, como se verifica, por exemplo, da indagação dos discípulos com relação ao cego de nascença (Jo.9:2).

- Entretanto, o próprio Jesus foi o principal arauto da Sua própria ressurreição. Logo após a famosa “declaração de Cesaréia”, em que o Pai revelou a Pedro que Jesus era o Filho de Deus vivo, como vimos na lição anterior, Jesus começou a dizer aos Seus discípulos que haveria de padecer e morrer, mas, também, desde então, começou a afirmar que haveria de ressuscitar ao terceiro dia (Mt.16:21; Mc.8:31,32; Lc.9:22). Assim como os discípulos não compreenderam a necessidade da morte de Jesus, algo totalmente contrário ao conceito judeu do Messias, também não puderam compreender o significado da ressurreição, até porque seria o primeiro caso de ressurreição propriamente dita de toda a humanidade (Mc.9:31,32; Lc.9:44,45).

- Muitos, aliás, aproveitam estas passagens dos Evangelhos para apontar “contradições” no texto sagrado. No entanto, quando lemos as Escrituras, verificamos que a realidade da ressurreição de Jesus, embora por Ele anunciada, não havia sido revelada aos discípulos. A ressurreição, como tudo que diz respeito ao Senhor Jesus, não pode ser apreendida pelo intelecto, pela razão, mas deve ser algo que venha da revelação divina, algo que seja proveniente da graça de Deus, porque ela e a verdade vieram por Jesus (Jo.1:17). As coisas espirituais discernem-se espiritualmente (I Co.2:11,14).

- Os discípulos somente puderam compreender a realidade da ressurreição e o seu significado, inclusive nas Escrituras e ditos de Jesus, depois de sua ocorrência, quando o Senhor Se apresentou ressurreto para eles, como se lê em Lc.24:45, quando o próprio Jesus lhes abriu o entendimento, até porque ali eles receberam o Espírito Santo (Jo.20:22).

- Esta circunstância, aliás, é uma necessidade para mostrar como a ressurreição é um fato real e concreto, pois os discípulos, que não haviam compreendido as profecias de Jesus a respeito de Sua ressurreição, não a aguardavam ansiosamente durante os três dias em que Jesus estava no túmulo. Muito pelo contrário, estavam desanimados, desesperançados (cf. Lc.24:19-21), trancafiados no cenáculo, com medo dos judeus (Jo.20:19).

- Diante desta circunstância, não há como dar qualquer crédito às invencionices que, desde o tempo da própria ressurreição (cf. Mt.28:11-15), procuram alardear que Jesus não ressuscitou, mas que Seu corpo foi furtado pelos discípulos, a fim de que se “cumprisse” a profecia da ressurreição. Os discípulos não haviam entendido que Jesus iria ressuscitar, estavam completamente desesperançados e desanimados, de forma que não tinham sequer como pensar numa atitude como esta. Deus não permitiu que os discípulos entendessem a profecia de Jesus precisamente para que as mentiras concernentes ao furto do corpo de Jesus pudessem ser cabalmente desmascaradas. Deus não é Deus de confusão (I Co.14:33). Aleluia!

- Além das palavras claramente anunciadas aos Seus discípulos com relação à Sua ressurreição, Jesus, também, anunciou esta verdade ao povo em geral, mas, como soía ocorrer neste caso, de forma um tanto quanto enigmática (Mt.13:10-17). Assim, quando da purificação do templo, Jesus afirmou que, se o templo fosse derribado, em três dias o reconstruiria (Jo.2:19). Tal afirmação, tomada literalmente pelos judeus e que foi um dos motivos principais de sua condenação (Mt.26:61) e do escárnio durante a crucifixão (Mt.27:40), prova de que foi um dito de Jesus que ficou bem guardado na mente do povo, nada mais era que uma profecia a respeito de Sua ressurreição, como deixa claro o evangelista João (Jo.2:21) e que, também, só foi entendido pelos próprios discípulos depois da própria ressurreição (J.2:22). Temos, pois, que, de forma insofismável, a ressurreição de Jesus foi anunciada tanto pelas Escrituras quanto pelo próprio Senhor Jesus, mas que não foi compreendida nem sequer pelos discípulos até que acontecesse.

II – A RESSURREIÇÃO REALIZADA

- Morto Jesus, a Bíblia nos diz que Seu corpo foi reclamado por José de Arimatéia junto a Pôncio Pilatos (Jo.19:38), que, juntamente com Nicodemos, fizeram uma rápida preparação do corpo de Jesus, pois se aproximava o início do dia da Páscoa, tendo, então, em local próximo ao próprio local da crucifixão, posto Jesus num sepulcro novo (Jo.19:38-42).

- Estes pormenores trazidos por João não são repetidos pelos demais evangelistas, nem o poderiam ser. Não podemos nos esquecer de que João foi o único discípulo que esteve com Jesus até o fim, tendo, inclusive, ao pé da cruz, recebido Maria como sua mãe para dela cuidar, a pedido do Senhor Jesus (Jo.19:25-27). João, portanto, foi testemunha ocular de tudo o que se passou, ao contrário dos outros evangelistas, dois dos quais, aliás, nem sequer fizeram parte do colégio apostólico.

- Além do mais, a narrativa de João não é, em momento algum, infirmada pelos relatos dos outros evangelhos que, por sinal, segundo os estudiosos das Escrituras, foram escritos antes do Evangelho segundo João. Mateus confirma que José de Arimatéia pediu o corpo de Jesus e que o pôs em um sepulcro novo, de sua propriedade, que havia aberto em rocha, o que foi presenciado por Maria Madalena e a outra Maria (Mt.27:58-61). Marcos diz a mesma coisa (Mc.15:42-47), destacando, ainda, que José de Arimatéia era um senador honrado, ou seja, uma pessoa de destaque e que, portanto, tinha uma sepultura também em local destacado. Lucas confirma precisamente o que relataram os outros dois evangelistas (Lc.23:49-56).

- Pelo que se vê, portanto, da narrativa dos quatro evangelistas, Jesus foi sepultado no final do dia da preparação, ou seja, a “véspera do sábado” (Mc.15:42), um dia antes da páscoa, às pressas, o que indica que seu sepultamento se deu antes do pôr-do-sol, pois é aí que se inicia o dia segundo os judeus. Muito se discute se este dia corresponde, ou não, a uma sexta-feira, pois entendem alguns que o “sábado” mencionado não seria literal, mas, apenas, uma denominação do “feriado da Páscoa”. Toda esta discussão tem apenas a finalidade de defender a guarda do domingo ou a guarda do sábado, sendo, portanto, “questão de dias”, com a qual o verdadeiro salvo não mais se deve preocupar, pois seu descanso não é dia algum, mas uma vida em Cristo Jesus (Gl.4:9-9-11; Hb.4:3-13).

- O que é certo, destas narrativas, é que o sepultamento de Jesus foi assunto tratado diretamente com Pôncio Pilatos e que chegou plenamente ao conhecimento dos algozes do Senhor, tendo Jesus sido sepultado em local plenamente conhecido, um sepulcro novo de uma pessoa importante, que havia sido aberto numa rocha. O sepulcro de Jesus, portanto, era um lugar do conhecimento de todos, tanto que não houve qualquer dificuldade em ser reconhecido e se pôr uma soldadesca para impedir o furto de Seu corpo, como solicitado foi pelos escribas e sacerdotes a Pilatos (Mt.27:62-66).

- As narrativas da ressurreição mostram, também, que o sepulcro foi fechado com uma pedra, o que, aliás, os arqueólogos, na atualidade, confirmam ser o costume daquele tempo em Israel. Havia uma grande pedra que foi colocada na frente do sepulcro, pedra esta que, além do mais, por força do pedido dos príncipes dos sacerdotes e dos fariseus, foi selada e guardada por soldados. “…A evidência que os eruditos têm reunido para a ressurreição tem se solidificado como a grande pedra que bloqueava a entrada da tumba. A arqueóloga, Kathryn Kenyon, calcula que aquela pedra pesava de 5 a 6 toneladas e a evidência é extremamente sólida.…” (FINLEY, Mark. As duas tumbas. Disponível em: http://www.google.com/search?q=cache:w9buPi2O2HQJ:jesusvoltara.com.br/sermoes/finley04_duas_tumbas.htm+%22Jesus+n%C3%A3o+ressuscitou%22&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=35&gl=br Acesso em 25 jan. 2008). Como entender que um grupo poderia, mesmo burlando a guarda, calmamente, durante a noite, mover esta pedra sem ser percebido?

- Não há, pois, como prevalecer as invencionices que surgiram, ao longo dos séculos, de que as mulheres erraram de sepulcro, pois, bem observaram onde Jesus havia sido posto, num sepulcro novo, prova de que se estava em local onde não havia muitas sepulturas. Além do mais, a pedra foi selada, numa clara demonstração de que a pedra revolvida seria bem reconhecida pelas mulheres. Como se não bastasse, caso o sepulcro não fosse o de Jesus, claramente os príncipes dos sacerdotes e os escribas teriam mostrado o sepulcro onde Jesus jazia e, assim, desmascarado toda a pregação dos discípulos que, aliás, começou apenas 50 dias depois dos fatos.

- A “teoria do erro do sepulcro”, aliás, é desmentida pela própria “mentira dos judeus”. Por que dizer que o corpo de Jesus tinha sido furtado, se ocorrera “engano de sepulcro”? Não seria muito mais fácil aos príncipes dos sacerdotes e dos escribas acabar com a pregação dos cristãos com a mostra do cadáver no sepulcro correto? Vemos, portanto, que cabimento algum tem esta teoria, defendida por alguns segmentos, notadamente espíritas.

- A outra invencionice que surge a respeito da ressurreição de Jesus é a de que furtaram o corpo de Jesus. Foi a chamada “mentira dos judeus” (Mt.28:11-15), que, por si só, não se sustenta. Mediante paga, os soldados romanos disseram a Pilatos que, enquanto dormiam, os discípulos vieram e furtaram o corpo de Jesus de noite. Pergunta-se, porém: como poderiam soldados tão bem treinados como aqueles, soldados romanos que eram, dormir, exatamente durante a noite, quando o furto poderia ser mais fácil, e todos ao mesmo tempo? E, mais ainda, como dormiram a ponto de permitir que os discípulos retirassem uma pedra pesada, que estava selada, sem que ninguém conseguisse acordar? E, por fim, como, ante sono tão profundo, puderam os soldados contar com detalhes o que aconteceu enquanto estavam dormindo? À evidência, esta mentira não se sustenta e sua divulgação e aceitação pelos judeus é fruto da sua própria incredulidade.

OBS: A propósito, tal mentira tem a mesma consistência e credibilidade das mil e uma justificativas dos políticos brasileiros nos mais variados escândalos que se sucedem em nossa história e que são aceitos apesar de não terem a mínima fundamentação em virtude dos escusos interesses envolvidos….

- Ainda hoje, há quem diga que o corpo de Jesus foi furtado e que não houve ressurreição. Chegou-se, mesmo, a dizer que os anjos vistos pelas mulheres teriam sido “essênios” que teriam vindo furtar o corpo de Jesus. Como esses “essênios” conseguiram burlar a soldadesca romana, estes inventores não explicam. Por que os essênios, que criam na vinda de um Messias militarista e guerreiro vencedor, teriam ido furtar o corpo de Jesus, um Messias que deixara ser crucificado, e com que finalidade, já que, como essênios”, eram muito ciosos da pureza ritual e ter consigo um cadáver era o cúmulo da impureza, também não explicam. São verdadeiros absurdos, fruto apenas do espírito do erro, que toma conta daqueles que rejeitam a Verdade, que é a Palavra de Deus.

- Outros, ainda, procuram dizer que o furto do corpo de Jesus não foi bem o furto do corpo, mas, sim, um resgate de Jesus ainda agonizante, que não tinha morrido e que, após ser resgatado, foi tratado e curado das suas feridas e, em seguida, teria viajado para a Índia, onde prosseguiria Seu ministério até a Sua morte. Outro grande absurdo, pois, ante tais circunstâncias, como explicar a pregação dos discípulos a respeito da ressurreição, ressurreição que não haviam sequer compreendido antes que ocorresse? Como aceitar que pessoas tenham sido levadas à morte e à perda de todos os bens e familiares em nome de uma fantasia? E, mais ainda, como aceitar que, ante tais circunstâncias, não houvesse, por parte dos muitos inimigos dos cristãos, ninguém que pudesse desmentir a ressurreição, com testemunhas (que não seriam poucas…) de que Jesus nem sequer morrera e que fugira para a Índia?

- Mais absurda, ainda, é recente teoria apresentada pelo cineasta James Cameron em seu documentário “O túmulo perdido de Jesus”, apresentado em 2007 pelo Discovery Channel e que foi alvo de inúmeras críticas por parte de especialistas, em que procurou demonstrar que um túmulo encontrado na década de 1980 pelo inspetor da Direção de Antigüidades de Israel, Yosef Gat, no subúrbio de Talpiot, em Jerusalém, onde foram encontrados ossos de pessoas supostamente de uma mesma família identificadas em aramaico como “Maria; Mateus; Jesus, filho de José; Mariamne (que teria sido considerada como sendo Maria Madalena); e Judas, filho de Jesus”, fosse o túmulo da suposta família de Jesus. Como admitir que Jesus tenha vivido em plena Jerusalém e constituído família ali enquanto Seus discípulos diziam que havia ressuscitado e, como admitem os próprios membros do Sinédrio, “enchido Jerusalém dessa doutrina” (At.5:28)?

- Além do mais, os nomes encontrados eram extremamente comuns nos dias de Jesus, sem se falar que a suposição de que a Mariamne era Maria Madalena é uma ilação sem qualquer respaldo científico. O próprio responsável pelas escavações no local, o arqueólogo israelense Amos Kloner bem sintetizou o que é este filme: “…É uma ótima história para um filme, mas é impossível. É bobagem’, disse ele, segundo o jornal ‘Jerusalem Post’. ‘Jesus e seus parentes eram uma família da Galiléia, sem laços com Jerusalém. A tumba de Talpiot pertencia a uma família de classe média do primeiro século.’…” (BBC BRASIL. Diretor de Titanic diz ter encontrado túmulo de Jesus. . Disponível em: http://oglobo.globo.com/ciencia/mat/2007/02/26/294707502.asp Acesso em 25 jan. 2008) e, ainda, “…É um óptimo argumento televisivo, mas um disparate do ponto de vista histórico. José pai de Jesus, era um humilde carpinteiro que nunca poderia ter providenciado sarcófagos tão luxuosos para a família.…” (‘O TÚMULO perdido de Jesus’: Maçonaria realiza a guerra fria contra o Cristianismo. Disponível em: http://port.pravda.ru/sociedade/cultura/26-02-2007/15730-tumulto-0 Acesso em 25 jan. 2008).

OBS: Recentemente, em um simpósio realizado em janeiro de 2008 em Jerusalém, a viúva de Yosef Gat disse que seu marido não divulgou seu achado em vida porque, embora estivesse convencido de que o túmulo fosse de Jesus, isto poderia desencadear uma “onda de anti-semitismo”. Agora, pergunta-se: como tal descoberta afetaria os judeus, se eles não aceitam a divindade de Jesus e isto seria um grande passo para dizerem que estariam certos? Como se vê, o “non-sense” é total neste episódio.

- Como se percebe, tais “teorias” são exercícios de imaginação que não se sustentam por si mesmas, não sendo necessário sequer recorrer ao texto sagrado. A história da Igreja, a evangelização promovida nos dias apostólicos são fatores que desmentem cabalmente toda e qualquer insinuação de que Jesus não ressuscitou.

- O fato é que, no primeiro dia da semana, ainda de madrugada, as mulheres que bem sabiam onde Jesus havia sido sepultado, tomaram dos ungüentos e especiarias que haviam adquirido para ungir o corpo de Jesus. Foram a caminho do sepulcro decididas a realizar tal ato, que era totalmente contrário à lei e aos costumes judaicos, mas elas não se sentiam guiadas pela lei, mas única e exclusivamente pelo seu amor a Jesus, mesmo tendo Ele morrido. Na caminhada, perguntavam a respeito da pedra, pedra que não poderiam remover, mas que não as impediu de prosseguir. As mulheres mostram-nos uma lição de fé, uma disposição de ir ao encontro de Jesus mesmo que todas as circunstâncias sejam adversas. Por isso, quando falamos na ressurreição, temos, em primeiro lugar, de deixar de lado todas as explicações lógicas, materialistas e científicas, para crer em Jesus ressuscitado, pois isto se obtém pela fé, não pela razão humana. Aliás, se não crermos que Jesus ressuscitou, não temos como alcançar a salvação (Rm.10:9; I Ts.4:14).

- Lá chegando, as mulheres não encontraram nem a soldadesca romana nem o corpo de Jesus. A pedra fora removida e nela se encontrava um anjo que anunciou a elas a ressurreição de Jesus. A ressurreição foi acompanhada de um grande terremoto e um anjo removeu a pedra (Mt.28:2). Jesus não precisou da remoção da pedra para sair do túmulo nem tampouco o terremoto era necessário para a ressurreição, mas estes eventos se deram para que houvesse a cabal comprovação de que Jesus havia sido ressuscitado.

- É importante observar que Jesus ressuscitou enquanto homem e, portanto, foi Deus quem O ressuscitou (At.2:32; 3:15; 4:10; 10:40; 13:30,37; Rm.4:24; I Co.6:14; 15:15; I Ped.1:21). O Espírito Santo O ressuscitou (Rm.8:11) assim como o Pai (Gl.1:1; I Ts.1:10), pela glória do Pai (Rm.6:4). Com a ressurreição, Jesus foi exaltado sobre todo o nome (Fp.2:9), passando, então, a ser chamado de Nosso Senhor (Rm.1:4), tendo todo o poder no céu e na terra (Mt.28:18).

- Esta é a primeira ressurreição daquelas que haviam sido anunciadas no Antigo Testamento e pelo próprio Jesus, pois é a ressurreição que significa o retorno à vida verdadeira, à vida eterna, àquela comunhão que existia com Deus antes que o pecado entrasse no mundo. Jesus veio trazer vida e vida com abundância (Jo.10:10) e para nos fazer passar da morte para a vida (Jo.5:24). Por isso, a páscoa prefigurava a morte e ressurreição de Jesus, pois páscoa significa “passagem” e a ressurreição é a prova de que o sacrifício de Jesus foi aceito e tirou o pecado do mundo, permitindo, assim, que nós passemos a desfrutar de uma comunhão eterna e perfeita com Jesus, uma vez aceitando a Jesus como único e suficiente Senhor e Salvador, tendo perdoados os nossos pecados, alcançando a justificação (Rm.4:25).

- Todas as outras ressurreições narradas nas Escrituras (os milagres operados por Elias, Eliseu e o próprio Jesus e, na dispensação da graça, todos os milagres operados pelos seguidores de Jesus) eram apenas demonstrações de que Deus era o Senhor da vida e que, por isso, poderia fazer pessoas mortas reviver, mas nenhuma delas representou a passagem para uma dimensão eterna, tanto que todas as pessoas que ressuscitaram tornaram a morrer. Jesus é o primeiro que ressuscitou e não mais morreu, nem morrerá, porque está em corpo glorificado, visto que não pecou e venceu o pecado e a morte, morte que é o último inimigo a ser vencido (I Co.15:54,55). Por isso, Jesus foi feito “as primícias dos que dormem” (I Co.15:20).

- O retorno de Jesus à vida é a demonstração de que o Seu sacrifício foi aceito por Deus (Is.53:10-12), assim como a saída do sumo sacerdote do lugar santíssimo em vida significava, no tempo da lei, que Deus havia perdoado as iniqüidades do povo e que cobrira os pecados por mais um ano (Lv.16:29-34).

- O retorno de Jesus à vida é a demonstração de que Ele venceu a morte e que, por isso, também nós poderemos nEle vencê-la e alcançar a vida eterna (Rm.8:11; II Co.4:14; Ef.2:6; I Ts.4:14).

- O retorno de Jesus à vida é a prova cabal de que o Evangelho é a verdade, de que podemos crer em Jesus, pois é a ressurreição que nos mostra que a fé em Jesus não é uma ilusão, uma fantasia, mas algo inteligente, palpável. Esta, aliás, é a verdadeira “fé inteligente”, a crença em Jesus e na Sua obra expiatória, a certeza e convicção de que, se nos arrependermos de nossos pecados e crermos em Jesus, alcançamos a vida eterna, pois Jesus morreu por nós e pagou o preço de nossa alma, sendo a prova da eficácia deste sacrifício a Sua ressurreição (I Pe.1:21).

- O retorno de Jesus à vida é a principal garantia de que devemos morrer para este mundo e viver para Deus, de que vale a pena renunciar a si mesmo e seguir a Jesus, porque Jesus a tudo renunciou, inclusive à própria vida, mas isto agradou a Deus que O ressuscitou e O exaltou sobre todo o nome. Assim, também, se formos “inteligentes” e não buscarmos as coisas e prazeres desta vida, mas única e exclusivamente fazer a vontade de Deus, também teremos o mesmo destino que teve o Senhor Jesus – o de agradar a Deus e ser levado à glória assim como foi o Senhor (Rm.6:4; 7:4; II Co.5:15; Cl.2:12).

- O retorno de Jesus à vida é a principal garantia de que devemos aguardá-lO pois, assim como Ele ressuscitou, como havia prometido, Ele também voltará para arrebatar a Sua Igreja e nos livrar da ira futura (I Co.15:51-57; I Ts.1:10).

- Dissemos que a ressurreição de Jesus foi a primeira ressurreição propriamente dita, porque Jesus ressuscitou em corpo glorificado, para não mais morrer. Muitas são as evidências que demonstram que a ressurreição de Jesus é a primeira ressurreição propriamente dita.

- Por primeiro, vemos que Jesus realmente ressuscitou, pois o Seu corpo de carne e sangue foi transformado, tanto que o túmulo estava vazio. Não há sentido algum em dizer que Jesus era um espírito, pois o próprio Senhor negou que o fosse (Lc.24:37-43). Jesus ressuscitou e, por isso, o Seu corpo anterior não foi encontrado no túmulo, visto que a ressurreição envolve a transformação do corpo e a sua união com o homem interior (alma e espírito) (cf. Ap.20:12,13).

- Por segundo, vemos que Jesus, embora tenha ressuscitado, não voltou a ter o corpo anterior, mas passou a ter um corpo glorificado, um corpo espiritual, como explicaria, mais tarde, o apóstolo Paulo (I Co.15:42-50). Tanto assim é que Maria Madalena não reconheceu Jesus de imediato (Jo.20:14-16), nem tampouco os discípulos no caminho de Emaús (Lc.24:15,16,31). Verdade é que, no caso de Maria Madalena se possa argumentar que, pelo seu estado emocional e pelas circunstâncias, só tenha olhado para Jesus no instante em que a chamou e que o texto sagrado, no caso dos discípulos do caminho de Emaús, tenham sido impedidos pelo próprio Senhor de O reconhecer até o momento da bênção.

- Mas, ainda que assim se entenda e se diga que Jesus não tenha modificado Sua fisionomia, tanto que foi prontamente reconhecido no cenáculo, o fato é que a circunstância de ter desaparecido após ter abençoado e partido o pão em Emaús (Lc.24:31), de ter entrado no cenáculo apesar de as portas estarem e terem continuado fechadas (Jo.20:19) e de ter subido aos céus (At.1:9) mostram, claramente, que o corpo de Jesus era diverso do que fora crucificado, que as leis da física não mais se lhe aplicavam.

- Verdade que Jesus podia Se materializar e mostrar-Se de forma que fosse reconhecido pelos discípulos e de modo a que comprovasse que era Ele mesmo e não um espírito, mas isto não retira o fato de que tal materialização é mais uma prova de que o corpo de Jesus é algo superior ao corpo físico que temos, o “corpo espiritual”, que tem a glória divina, glória de que havia Se despido quando de Sua encarnação. Tanto assim é que, na ilha de Patmos, aparece bem diferente a João, pois necessidade alguma havia de comprovar a Sua ressurreição naquela oportunidade.

- A propósito, é o próprio João quem nos ensina que o corpo com que Jesus ressuscitou é diferente do nosso atual corpo, pois diz que seremos semelhantes ao que Ele é agora, o que demonstra que não somos semelhantes a Ele agora (I Jo.3:2). Ninguém mais que João, que acompanhou a Jesus em Sua paixão e morte até os últimos instantes e que depois viu a Jesus ressuscitado e glorioso na ilha de Patmos para nos dizer se Jesus tinha, ou não, um corpo diverso após a ressurreição.

OBS: No seu evangelho, que muitos entendem ter sido o último escrito de João e do Novo Testamento, fica bem claro que “o Verbo Se fez carne”, ou seja, não era mais carne quando João escreveu o Evangelho.

III – A RESSURREIÇÃO COMPROVADA

- Morto Jesus, a Bíblia diz que o véu do templo se rasgou de alto a baixo (Mt.27:51; Mc.15:38; Lc.23:45), numa demonstração de que Deus havia aceito o sacrifício de Jesus que, como Cordeiro de Deus, tirara o pecado do mundo, abrindo um novo e vivo caminho para o homem em direção a Deus, por Jesus Cristo (Hb.10:19-22).

- A ressurreição, porém, seria a prova cabal desta aceitação do sacrifício de Jesus e da vitória sobre o pecado e a morte, com a conseqüente salvação da humanidade pela fé em Jesus. Não é outro o motivo pelo qual a ressurreição foi cercada de “muitas e infalíveis provas” (At.1:3), a fim de que não houvesse como negá-la justificadamente.

- Em primeiro lugar, Jesus, ao ressuscitar, apareceu para as mulheres que tinham ido ao sepulcro para ungir Seu corpo. Elas já sabiam que Jesus havia ressuscitado pois, além de terem visto o túmulo vazio, um anjo lhes anunciou a mensagem da ressurreição. Elas, apressadamente, foram até onde estavam os discípulos e contaram o que havia se passado.

- Neste primeiro contato, já havia, pelo menos, quatro testemunhas, pois foram ao sepulcro Maria Madalena, a outra Maria, chamada mãe de Tiago, o menor e de José e Salomé, que era a mãe de Tiago e de João e Joana (Mt.28:1; Mc.16:1; Lc.24:10; Jo.20:1). Tinha-se, pois, número suficiente para que se considerasse verdadeiro o testemunho das mulheres segundo a lei de Moisés (Dt.19:15; Mt.18:16).

- No entanto, ainda que mais de quatro tinham sido as mulheres que testemunharam que o túmulo estava vazio, fato, aliás, que independia de testemunhas, pois era algo que se podia comprovar facilmente e que foi admitido pelos próprios inimigos de Jesus, que, com a história inventada pelos soldados, tiveram que admitir que o corpo já não estava mais no referido sepulcro, Jesus Se apresentou somente a Maria Madalena, com quem conversou. Para que não pairasse qualquer dúvida, seguiram-se outras aparições a fim de que a ressurreição, razão de ser da fé cristã, jamais pudesse ser posta validamente em dúvida.

- Assim que as mulheres testemunharam aos discípulos sobre a ressurreição do Senhor, Pedro e João foram até lá para se certificarem do ocorrido e puderam ver que, realmente, Jesus não estava mais no túmulo e que, inclusive, os panos que haviam sido usados no seu sepultamento estavam dobrados à parte (Jo.20:3-10). A notícia se espalhou entre os discípulos, tanto que já eram do conhecimento daqueles que iam para Emaús (Lc.24:22-24), mas ninguém ainda vira a Jesus a não ser Maria Madalena.

- Foram estes mesmos dois discípulos os que viram a Jesus, tendo, imediatamente, voltado para Jerusalém para contar aos demais tal circunstância (Lc.24:33-35). Não se tratava mais de “depoimento de mulheres”, nem tampouco de alguém que tivesse visto a Jesus solitariamente, como foi o caso de Maria Madalena. Ao chegarem, os próprios discípulos diziam que Jesus já havia aparecido a Simão (Lc.24:34; I Co.15:5), uma aparição que, como a que se fez a Tiago, irmão do Senhor (I Co.15:7), são mencionadas mas não descritas no texto sagrado.

- Não bastasse isso, Jesus, na tarde daquele mesmo dia, acabou aparecendo a todos os apóstolos no cenáculo, com exceção de Tomé (Jo.20:19-24). Oito dias depois, tornou a aparecer aos discípulos, estando Tomé, desta feita, presente (Jo.20:26-29). Alguns dias depois, tornaria a aparecer aos discípulos no mar de Tiberíades (Jo.21), tendo, ainda, aparecido a mais de quinhentos irmãos (I Co.15:6), sem falar da aparição e desaparecimento no dia da ascensão (At.1:6-9), totalizando um período de quarenta dias em que apareceu antes de subir aos céus (At.1:3).

- Todas estas aparições de Jesus tiveram por finalidade mostrar que Ele verdadeiramente ressuscitou e que, portanto, não havia como negar este fato concreto, que, além do mais, se encontrava demonstrado pelo túmulo vazio. Os discípulos, que não haviam compreendido que Ele havia de ressuscitar, ao verem Jesus ressurreto, não tiveram dúvida alguma da veracidade desta mensagem e passaram a pregá-la com veemência e intrepidez.

- Muitos chegaram a dizer que as aparições de Jesus não ocorreram, que eram invenções dos apóstolos, mas como dizer que meras alucinações e imaginações fossem unir um número tão grande de pessoas, mais de quinhentas, que aceitaram arriscar e perder suas vidas em nome de fantasias? Como dizer que a ressurreição de Jesus foi fruto de uma “manifestação coletiva”, se muitos eram os adversários de tal pregação que, entretanto, não conseguiram sequer uma pessoa que dissesse que havia se enganado e que Jesus não lhe aparecera?

OBS: Entre os que negam a realidade da ressurreição, dizendo apenas que se tratou de “ressurreição da mensagem de Jesus” estão alguns “teólogos liberais”, como Rudolf Bultmann. Mas como poderia “ressurgir” uma pregação como a de Jesus com base em uma farsa, em uma mentira? “…Ainda é de se ponderar o seguinte: se a ressurreição de Cristo não fosse real, o Cristianismo estaria baseado sobre enorme mentira ou alucinação, pois os pregadores do Evangelho nunca anunciaram a Boa?Nova sem incluir necessariamente a notícia da ressurreição corporal do Senhor. Algo de falso ou de mórbido seria o pedestal de vinte séculos de Cristianismo. Ora tal hipótese supõe um portento ou um milagre de primeira grandeza; as mentiras ou falsidades não resistem ao tempo e, cedo ou tarde, são desvendadas (tal foi o caso da lenda dos LXX, da “Doação de Constantino”, das “Decretais do Pseudo?Isidoro”, das obras do Pseudo?Dionísio Areopagita. . .). Ora até hoje não se pôde derrubar a crença na ressurreição de Cristo como se fosse lendária ou mítica. As teorias que tencionam fazê?lo (alegando fraude dos Apóstolos ou sepultamento de Cristo ainda vivo) se comprovam como ridículas e destituídas de peso científico. É, por conseguinte, mais razoável crer no milagre da ressurreição de Cristo por obra da Onipotência Divina do que crer que, segundo o “milagre” do racionalismo moderno, a mentira e a doença mental tenham dado o fruto de vinte séculos de Cristianismo,… séculos que foram certamente beneméritos não só para a religião, mas também para a cultura e o progresso da humanidade. O edifício do Cristianismo logicamente requer um pedestal mais sólido do que a desonestidade e a debilidade mental.…” (BITTENCOURT, D. Estevão Tavares, OSB. A ressurreição de Jesus. Disponível em: http://www.google.com/search?q=cache:cQ4YLaV-CYMJ:www.presbiteros.com.br/Biblia/Ressurreicao.htm+%22Jesus+n%C3%A3o+ressuscitou%22&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=20&gl=br Acesso em 25 jan. 2008).

- É importante observar que, mesmo durante o ministério de Jesus, pessoas houve que Lhe seguiram e que O abandonaram. A Sua própria mãe titubeou na fé, tanto que a vemos acompanhando os irmãos de Jesus numa tentativa de prendê-lO ou demovê-lO de Sua pregação (Mc.3:21, 31-35), muitos discípulos O deixaram depois que acharam muito duro o Seu discurso (Jo.6:60,66), sem falar em Judas Iscariotes, que O traiu. Como, então, nenhum dos que viram a Jesus pôde desmentir a Sua ressurreição ou dizer que tudo era uma farsa ou uma alucinação? Simplesmente porque a ressurreição foi um fato real, concreto, inequívoco, com “infalíveis provas” que não se poderiam contestar.

- A propósito, não devemos nos esquecer de que os irmãos de Jesus eram incrédulos (Jo.7:5). Ora, como, então, entender que tenham crido em Jesus e, inclusive, juntamente com sua mãe, esperaram o derramamento do Espírito Santo até o dia de Pentecostes no cenáculo (At.1:14), senão pelo impacto gerado pelo fato de Jesus ter aparecido a Tiago após a ressurreição? Pessoas que não creram em Jesus enquanto Ele curava, expulsava demônios, fazia milagres, teriam passado a crer com base em alucinações, farsas e fantasias? Evidentemente que não! Jesus realmente ressuscitou e isto não pôde ser desmentido por ninguém! Aleluia!

- Paulo é outro que, após ter sido grande perseguidor da Igreja, ao ter um encontro pessoal com Jesus, o Jesus ressurreto(I Co.15:8), não pôde negar esta realidade e passou a pregá-la(I Co.15:1-4), mesmo quando isto representasse o escárnio dos intelectuais de seu tempo (At.17:32). Como entender que alguém tão letrado e versado tanto na lei judaica, quanto na filosofia grega ou no direito romano, renegasse tudo o seu conhecimento e saber em nome de uma ilusão, de uma alucinação, alucinação que o levaria a enfrentar morte e perseguição? Não há como justificar-se tal fato senão pela circunstância de que a ressurreição é uma realidade que gera fé e esperança por meio de Jesus, que dá sentido à vida espiritual.

- A ressurreição de Jesus é o fato que nos permite ter fé e esperança em Deus. É a garantia da nossa fé. É o grande diferencial do Cristianismo com relação a toda e qualquer religião ou sistema filosófico-religioso. Os grandes líderes religiosos estão todos sepultados e seus sepulcros, até contra a vontade deles, são locais de peregrinação e de idolatria. Seus ensinamentos, ainda que sábios e valiosos, não foram suficientes para que eles vencessem a morte e o pecado. Jesus, porém, mostra Sua superioridade ao ter vivido sem pecado e triunfado sobre o grande problema da humanidade — o pecado e a morte. O túmulo vazio é a prova indelével de que só Jesus é a verdade, só Ele pode nos levar à comunhão com Deus.

- Por fim, muitos dizem que Jesus deveria ter aparecido a todos e não somente aos Seus discípulos, se realmente quisesse que a ressurreição fosse comprovada. Ledo engano dos que assim afirmam, porém. Em primeiro lugar, não se faz necessário que um fato seja visto por todos para que esteja provado, pois, se assim fosse, nada seria provado no mundo.

- Por segundo, mesmo que todos vissem a Jesus, nem por isso creriam. Não foi o fato de terem visto Jesus que levou os discípulos a crerem na Sua ressurreição, mas, sim, a circunstância de terem tido o discernimento espiritual por meio das Escrituras. Foi a fé nas Escrituras, a crença em Jesus que os levaram a crer (Lc.24:41-48). Não são os sentidos do homem natural que nos levam a crer no Senhor Jesus, mas a fé que vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus (Rm.10:17). Tanto assim é que, embora todos vejam a realidade da existência de Deus pela criação, nem por isso todos crêem em Deus (Rm.1:19,20).

- Por terceiro, Jesus tinha de Se manifestar somente aos Seus discípulos, para que estes tivessem o vigor necessário para a pregação do Evangelho (Lc.24:47,48; At.2:32,33; 3:15,16,26), pregação que não poderia parar naquela geração mas que tinha de prosseguir até os tempos da restauração de tudo (At.3:21). À Igreja incumbe a pregação do Evangelho (Mc.16:15) e, por isso, não havia necessidade alguma de uma aparição física a todos os ouvintes, o que se deveria fazer a cada geração. A bem-aventurança não está em ver para crer mas, sim, em crer sem ver (Jo.20:29).

OBS: Por isso, além de fantasiosa, é totalmente fora dos propósitos divinos a suposta aparição de Jesus aos “judeus que viviam na América” após a ressurreição, como se relata no Livro de Mórmon.

- Por quarto, como o meio da salvação é a fé em Jesus, não haveria como se negar o exercício da fé quanto à própria garantia da salvação, a ressurreição de Jesus. A despeito das infalíveis provas, ninguém pode crer em Jesus se não crer em Sua ressurreição. A fé é necessária para a salvação e, portanto, também tem de ser necessária para a aceitação da ressurreição, ainda que, pelas provas trazidas no texto sagrado, esteja longe de ser uma crendice ou uma superstição. Daí porque Jesus só ter Se apresentado vivo aos discípulos, devendo isto ser crido por tantos quantos Deus chamar a esta graça. A crença em Jesus e em Sua ressurreição é a condição para termos a vida eterna (Jo.11:25).

- É extremamente elucidativo, ademais, uma descoberta arqueológica ocorrida em Jerusalém recentemente, como relata o pastor adventista Mark Finley, que ora transcrevemos: “…Alguns anos atrás, o Professor E. L. Sukenik, um arqueólogo judeu, começou a escavar uma tumba cristã nas áridas montanhas calcárias ao redor de Belém. Foi encontrado na tumba várias caixas de pedra chamadas ossuários aonde os ossos do morto eram colocados.Ele encontrou marcas nestes ossuários que o levou a alegar ter encontrado as mais antigas evidências do Cristianismo jamais descobertas.Em todos os quatro lados de uma das caixas, Sukenik achou grosseiros desenhos de cruzes feitas a carvão. Ele também encontrou várias inscrições em Grego nos ossuários.O que fez esta descoberta particularmente importante foi a idade da tumba. Cacos de cerâmica encontrados dentro dela são de um tipo conhecido como Herodiano. E também foi descoberta uma moeda datada. Ela havia sido cunhada por Agripa I no ano 41 D.C. e nenhuma moeda ou cerâmica de uma origem posterior foi encontrada. Então nós temos evidências da fé Cristã nos anos 40 D.C., cerca de dez anos após a crucifixão de Cristo em 31 D.C. Agora, chegamos na descoberta realmente estarrecedora. Dois ossuários tinham inscrições com o nome Jesus. Estes não eram os nomes das pessoas dentro do ossuário; eles eram na verdade declarações de fé, palavras de dedicação. Em uma, o nome de Jesus foi seguido das letras gregas “iou”. Agora, gnósticos e pagãos em geral usam freqüentemente esta palavra para denotar Deus. É uma versão abreviada de Jeová. Então o que nós temos numa tumba dos anos 40 D.C. é uma inscrição dizendo: Jesus Jeová ou Jesus é Deus. O outro ossuário que carrega o nome de Jesus tem as letras gregas “aloth”, que em hebraico significa “o ascendido”. Isto mesmo, “aloth”, o ascendido. Você está começando a compreender o significado disto? Jesus, o ascendido.Amigo, dentro de poucos anos após a morte de Jesus você tem pessoas sepultando seus mortos com declarações de fé cinzeladas na pedra: Jesus é Deus. Jesus, o ascendido, aquele que subiu. Isto é o que estas inscrições na pedra proclamam alto e claro. As pessoas acreditaram na divindade e ressurreição de Jesus logo após Sua crucifixão. Você sabe o que isto faz com a teoria da Distância, a teoria do Mito, a idéia de que a ressurreição de Cristo foi uma lenda que de alguma forma surgiu na história da Igreja? Isto as sepulta. As pessoas estavam proclamando a ressurreição de Cristo em quarenta e poucos anos D.C., enquanto milhares, que tinham conhecido e visto Jesus, ainda estavam entre elas. Se Jesus, o Salvador Ressurreto, foi um mito, foi o primeiro e único mito instantâneo do mundo.…(FINLEY, Mark, op.cit.).

- Desde a pregação dos apóstolos, como não poderia deixar de ser, a ressurreição de Jesus ocupou posição de grande importância entre os cristãos. É a própria razão de nossa fé, como disse o apóstolo Paulo (I Co.15:14). Este é um fato tão singular que o próprio Jesus determinou, como ordenança, que a Igreja celebrasse a Sua morte e ressurreição até a Sua volta, por meio da ceia do Senhor (I Co.11:23-34).

- No entanto, cedo se passou a também celebrar a ressurreição de Jesus numa data especial, por ocasião da Páscoa judaica, quando, então, dentro do calendário israelita, se relembrasse que Jesus era o verdadeiro Cordeiro pascal, aquele que tinha tirado o pecado do mundo. Passou-se, então, a haver a “Páscoa cristã”, onde se celebrava a ressurreição de Jesus, tendo havido, durante séculos, discussão quanto à correta data de celebração, pois muitos a celebravam juntamente com a Páscoa judaica, enquanto outros preferiram estabelecer uma nova data, no domingo, para distinguir a festa judaica da festa cristã. Aliás, foi esta a orientação que acabou sendo seguida, de modo que a Páscoa, a partir do Concílio de Nicéia (325 d.C.) é sempre celebrada no primeiro domingo de lua cheia que ocorre no dia ou depois de 21 de março, lua esta que não é a lua real, mas a lua conforme as chamadas “tabelas eclesiásticas”.

OBS: Para se calcular a data da Páscoa em nosso calendário, usa-se o chamado “algoritmo de J-M. Oudin, que ora se reproduz aqui:”

“…Para calcular a data da Páscoa para qualquer ano no calendário Gregoriano (o calendário civil no Brasil), usa-se a seguinte fórmula, com todas as variáveis e operações inteiras, com os restos das divisões ignorados. Usa-se a para ano, m para mês, e d para dia.

c = a/100

n = a – [19×(a/19)]

k = (c – 17)/25

i = c – c/4 – [(c-k)/3] +(19×n) + 15

i = i – [30×(i/30)]

i = i – {(i/28)×[1-(i/28)]×[29/(i+1)]×[(21-n)/11]}

j = a + a/4 + i + 2 -c + c/4

j = j – [7×(j/7)]

l = i – j

m = 3 + [(l+40)/44]

d = l + 28 – [31×(m/4)]

Por exemplo, para o ano de 2000,

a=2000

c=2000/100=20

n=2000-19×(2000/19)=2000-19×105=5

k=(20-17)/25=0

i=20-(20/4)-[(20-0)/3]+(19×5)+15=20-5-6+95+15=119

i=119-30×(119/30)=119-(30×3)=29

i=29-{(29/28)×[1-(29/28)]×(29/30)×[(21-5)/11]}=29-{1×0×0×1}=29

j=2000+500+29+2-20+5=2516

j=2516-[7×(2516/7)]=2516-[7×359]=3

l=29-3=26

m=3+[(26+40)/44]=3+1=4

d=26+28-(31×1)=23…” (Data da Páscoa. Disponível em: http://astro.if.ufrgs.br/pascoa.htm Acesso em 24 jan. 2008).

A Páscoa, em 2000, portanto, foi no dia 23 de abril.

- No entanto, em que pese esta tentativa de se distinguir a Páscoa judaica da Páscoa dita cristã, a própria idéia de comemoração anual da ressurreição de Jesus está vinculada ao judaísmo. A celebração da Páscoa judaica foi substituída pela ceia do Senhor, pois Jesus é a nossa Páscoa (I Co.5:7). O Senhor instituiu a ceia após ter celebrado a última páscoa e, por isso, não há qualquer necessidade de se ter uma data para celebrar a Sua ressurreição, que sempre é lembrada por ocasião da ceia.

- Assim, não é bíblica tal comemoração, mas isto não deve servir para que ataquemos referidas celebrações, que se apresentam como mais uma oportunidade para a evangelização daqueles que ainda não tiveram um encontro pessoal e verdadeiro com o Cristo ressurreto. Tanto é verdade que o adversário tem buscado (e conseguido) desvirtuar totalmente tal data, transformando-a em uma festividade repleta de símbolos pagãos, até porque está a fazer ressurgir, cada vez mais, os “festivais de fertilidade” que sempre ocorreram nesta época do ano entre os gentios, sem falar na própria distorção relacionada com a própria comemoração da paixão e morte do Senhor, levada a efeito pelas igrejas romana e ortodoxa. Devemos, porém, aproveitar da ocasião para dizer que Jesus está vivo, não mais precisa morrer e que, assim como Deus O ressuscitou, também dará vida eterna a todos quantos nEle crerem.

- Jesus ressuscitou e por isso podemos ter a convicção de que nEle há salvação. “Da sepultura saiu, com triunfo e glória ressurgiu. Ressurgiu, vencendo a morte e o Seu poder, pode agora a todos vida conceder. Ressurgiu! Ressurgiu! Aleluia, ressurgiu !” (estrofe do hino 117 de Salmos e Hinos, de autoria de R. Pitrowsky).

Colaboração para o Portal EscolaDominical: Prof. Dr. Caramuru Afonso Francisco.

Topics: Subsídios Lições |


2 Responses to “A ressurreição de Jesus – Dr. Caramuru Afonso”
frank braga Says:
Março 19th, 2008 at 1:00 am
parabens dr. caramuru mto aprendi com o seu comentario e vai me ser mto util domingo na ebd ,pois ,sou professor ,que o JESUS ressucitado possa lhe abençoar mto ricamente
Valdir Carvalho Says:
Março 22nd, 2008 at 3:15 pm
A DIFERÊNÇA QUE FEZ A DIFERÊNÇA

1ª CORÍNTIOS 15.3…. Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. E apareceu a Cefas e, depois, aos doze. Depois, foi visto por mais de quinhentos irmãos de uma só vez, dos quais a maioria sobrevive até agora; porém alguns já dormem. Depois, foi visto por Tiago, mais tarde, por todos os apóstolos e, afinal, depois de todos, foi visto também por mim, como por um nascido fora de tempo.

Todos nós nascidos fora do tempo, ainda estamos no tempo. Sim. O tempo aceitável da salvação pelo Senhor Jesus. Como está escrito que por nenhum outro nome há que sejamos salvos, a não ser por Cristo Jesus o Nosso Senhor. Nenhum outro homem que passou por esta terra, teve tamanha autoridade espiritual, que pudesse propiciar salvação à humanidade.
Salvação do que?
Não salvação de serem roubados, espoliados de suas riquezas terrenas, mas salvação da alma. Algo da consciência e também da involuntariedade na qual todos os seres humanos estão sujeitos. Algo que pudesse propiciar aos homens de um modo geral, o PERDÃO no mundo celeste, dos nossos erros.
O que diferenciou Jesus dos outros mortais comuns? A sua ressurreição.
Três dias dentro de uma sepultura. Três dias alguns santos permaneceram vivos enterrados, para que pudessem sair de suas covas e aparecessem a muitos pela cidade de Jerusalém. Sim, foram ressuscitados, quando o véu do templo se rasgou de alto a baixo, mas aguardaram em Cristo o poder da ordem SAI PARA FORA, filhos benditos de meu Pai, os possuo por herança. Precisou Jesus morrer para que nós, homens pecadores pudéssemos reviver ao mundo. Três dias foram o bastante para que os homens pudessem perceber que em Jesus a morte teve o seu aguilhão. Necessário foi que Jesus ressuscitasse e fosse visto por centenas, e difundissem que por Ele a morte foi subjugada, mas precisou ser após três dias e precisou ser DEPOIS da ressurreição DELE. Ele teria que ser o primeiro de muitos, cfe. está em Mateus 27:53 e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos.
Mortos estávamos para Deus. Longe da salvação da alma nos encontrávamos.
Aos que O aceitaram necessário foi morrer para o mundo e suas concupcências, para que resplandecessem como luzeiros aos olhos de uma geração perversa e corrupta.
Hoje, como em épocas passadas, o pecado ainda nos separa de Deus. Alguns não dando ouvidos à pregação, caminham para sua ruína eterna. Preferindo às trevas que a LUZ.
A diferença de alguns homens, entre outros está que : A todos quantos dão ouvidos à sua voz, é dado a oportunidade e o PODER se serem feitos FILHOS DE DEUS.
Há os que permanecem mortos em seus túmulos em corpos vivos, infelizmente. Serão para o grande dia do Senhor. Os que dentro das igrejas estão de corpo, mas com suas mentes ainda dentro dos seus erros passados, sepultados nos seus entendimentos. Ouvem mas não entendem, vêem, mas não compreendem.
Poderíamos dizer que somos salvos porque queremos? Não.
A graça que nos faz entender, é anunciada pelos homens, mas o que nos faz entender, vem do alto.

Eis que uma atitude depende de nós: É dar-mos ouvido. Entender que há Deus, que Ele existe, que Ele nos dará o galardão, que Ele nos possibilitará à salvação deste mundo. Senão, nada é nada, caso não almejarmos ou compreendermos que a salvação está em nós buscá-la ardentemente.
Aguardar “o resgate” tão almejado por aqueles que aceitam a Jesus como Senhor e Salvador. O arrebatamento dos santos.
O resgate da RESSURREIÇÃO DOS MORTOS, o resgate do ARREBATAMENTO dos vivos para outra dimensão, a um NOVO CÉU e numa NOVA TERRA.
Em 1ª Coríntios 15.44 Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual. Pois assim está escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente. O último Adão, porém, é espírito vivificante.
Nos é determinado que morramos uma só fez, no corpo natural, mas nos é orientado que morramos a cada instante, a cada dia em nossa maneira de viver e compreender a vida numa outra forma
O que semearmos no corpo natural, colheremos ao corpo espiritual. Poderemos colher louros, se semearmos coisas boas, caso o contrário, colheremos tristezas.
Aquele que nos traz vida, quer que O escutemos e que O acatemos para que por Ele, sejamos vivificados constantemente. É o enviado Consolador presente no nosso entendimento. O Deus presente, enviado por aquele que padeceu, morreu, foi sepultado, aguardou três dias, foi ressurreto, apareceu a muitos, O mesmo que subiu aos céus e disse que iria nos preparar muitas moradas e que prometeu um dia voltar com grande poder e glória, mas com grande AUTORIDADE para fazer julgamento sobre toda a humanidade. Aquele que disse: João 15:22 Se eu não viera, nem lhes houvera falado, pecado não teriam; mas, agora, não têm desculpa do seu pecado.
Ainda há muitos que procurando desculpas para os seus erros, teimam em deixar Cristo pendurado na cruz. Nunca O colocaram na sepultura. E não reconhecem o poder de Deus para O trazer da ressurreição do meio dos mortos. Crêem no Cristo da cruz. Outros crêem no cristo enterrado em algum lugar nesta terra. Nós cremos no Cristo glorificado.
Nós cremos no Cristo de PASSOU PELA CRUZ, QUE PASSOU PELA SEPULTURA, mas que pela GRAÇA de Deus, ESTÁ VIVO, e que disse que estaria pelos séculos, à direito de Seu Pai, intercedendo por nós. Sim, nós, todos quantos crêem em seu nome.
Que outro homem foi ou é capaz de proporcionar tamanho feito?
Em qual outro nome há PODER para que as coisas naturais, sejam transformadas em coisas espirituais e que destas, poção haver GLORIFICAÇÃO?

Não há outro. Jamais houve, e jamais haverá outro, pelo qual possamos ser salvos, a não ser EM JESUS o CRISTO, O NOSSO SENHOR. Aleluia!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS