“A si mesmo se esvaziou assumindo a forma de servo…”. Fp 2.7a
* O mundo define grandeza em termo de poder, posses, prestígio e posição. Em nossa cultura egoísta, com a mentalidade do “eu primeiro”, agir como servo não é uma noção apreciada.
* Mas não é assim que Deus avalia nossa grandeza.
“Quem quiser ser o maior deve se tornar servo”. Mc 10.43
* Deus o formou para servir. Sua forma revela seu ministério, mas o seu coração de servo revela sua maturidade.

COMO OS VERDADEIROS SERVOS AGEM

1. Os verdadeiros servos estão à disposição para servir: não preenchem seu tempo com atividades que limitem sua disponibilidade; fazem o que é necessário, abrem mão do direito de controlar a sua agenda.

2. Os verdadeiros servos prestam atenção às necessidades: estão atentos a maneiras de ajudarem os outros. Vêem as necessidades dos outros como oportunidades de servir.

3. Os verdadeiros servos fazem o melhor que podem com o que têm à mão: não dão desculpas, não deixam para a última hora nem esperam circunstâncias melhores. Simplesmente fazem o que precisa ser feito.

4. Os verdadeiros servos fazem qualquer tarefa com igual dedicação: o que quer que façam os servos, fazem-no de todo coração. O tamanho da tarefa é irrelevante. Pequenas tarefas muitas vezes demonstram um grande coração: seu coração de servo se revela em pequenos atos que outros nem pensam em fazer. Nenhuma tarefa está abaixo de você quando tem coração de servo. As grandes oportunidades estão normalmente camufladas entre as tarefas menores: as pequenas coisas da vida determinam as grandes. Antes de tentar o extraordinário, tente servir normalmente.

5. Os verdadeiros servos são fiéis ao seu ministério: concluem suas tarefas, cumprem suas responsabilidades, mantêm suas promessas e levam a cabo seus compromissos.

6. Os verdadeiros servos mantêm a discrição: não se promovem nem chamam a atenção para si mesmos. A autopromoção e a atividade de servir não se misturam: não agem pela aprovação e pelo aplauso dos outros. Você não achará muitos servos verdadeiros sendo o centro das atenções: satisfazem-se em servir silenciosamente, sem alardes. Persistem em servir a Deus.

“Se vocês derem até mesmo um copo de água fria ao menor dos meus seguidores, certamente serão recompensados”. Mt 10.42

Qual das seis características dos verdadeiros servos é a mais desafiadora para mim?

O servo de Cristo enfrenta três tentações bem reais e sutis. Elas são as mesmas três tentações que o nosso Senhor enfrentou antes de iniciar Seu ministério na terra. Elas se encaixam também às três observações que o apóstolo Paulo menciona em sua carta aos Coríntios (2 Co 4.1-7).

Primeira Tentação: Ser auto-suficiente e autoconfiante. Em lugar de sermos tão convencidos, precisamos estar abertos, desprotegidos e vulneráveis.

Segunda Tentação: Ser espetacular, ter uma mentalidade de celebridade. Jesus se recusou a ser um dublê famoso, não veio para andar em cima de brasas, engolir fogo ou colocar Sua mão dentro da boca de leões para mostrar que Ele tinha algo que valia a pena dizer.

Terceira Tentação: Ser poderoso, estar no controle. Liderar é relevante, necessário e bom. Mas empurrar, manipular, ter pleno controle, jamais! Colocado de modo simples, apenas um Deus é suficiente.

Ser servo implica em diligência, fidelidade, lealdade e humildade. Os servos não competem, nem ocupam a tribuna principal, nem lustram sua imagem ou se colocam debaixo dos holofotes. O servo conhece o seu trabalho e admite suas limitações. Faz o que faz de maneira calma e consistente.

O servo não pode controlar qualquer um ou todas as coisas, e não deveria tentar fazê-lo.
O servo não pode mudar ou “consertar” as pessoas.
O servo não consegue atingir as expectativas de muita gente.
O servo não pode se preocupar com quem recebe o crédito.
O servo não pode ministrar na carne ou totalmente sozinho.

PARA TER UM CORAÇÃO DE SERVO VOCÊ PRECISA PENSAR COMO SERVO

“Meu servo Calebe pensa de modo diferente e me segue completamente.”
Nm 14.24 (Trad Livre de NCV)

“Pense sobre você do mesmo jeito que Jesus pensava de Si.”
Fp 2.5 (Trad Livre de Msg)

Para ser um servo você tem que incrementar a forma de pensar, mudar as atitudes. Deus está sempre mais interessado no porquê fazemos determinadas coisas do que como ou o que fazemos. As atitudes são mais importantes do que as realizações. O rei Amazias perdeu o favor de Deus porque Ele fez o que era justo na presença do Senhor, mas não com a sinceridade de seu coração.

Servos verdadeiros servem o Senhor com cinco atitudes em mente:

1. Focalizam os outros e não a si mesmos.

Esta é a verdadeira forma de humildade: não pensar pouco de nós mesmos, mas pensar pouco em nós mesmos . Paulo disse: “Esqueçam de vocês o suficiente para nos dar uma ajuda”. Isto é o que chamamos – perder a vida “ esquecendo de nós mesmos no servir aos outros. Quando paramos de nos centrar em nossas próprias necessidades, nós nos apercebemos das necessidades dos outros.

Jesus “esvaziou-se a si mesmo por tomar a forma de servo”. Quando foi a última vez que você se esvaziou em benefício dos outros? Você não pode ser um servo se estiver cheio de si mesmo. Só quando nos esquecemos de nós mesmos é que fazemos as coisas que merecem ser lembradas.

Infelizmente, muito do nosso serviço é geralmente servir a nós mesmos. Servimos para que os outros gostem de nós, para que nos admirem, ou para alcançarmos algum objetivo de interesse pessoal. Isso é manipulação, não ministério. É o que acontece quando ficamos todo o tempo em que estamos pensando sobre nós mesmos e quão nobres e maravilhosos nós somos. Algumas pessoas tentam usar o serviço para fazer comércio com Deus: “Vou fazer isso para o Senhor, Deus, se o Senhor fizer alguma coisa por mim”. Servos verdadeiros não usam Deus para seus propósitos. Eles permitem que Deus os use para os Seus propósitos.

A qualidade do desprendimento, como a fidelidade, é extremamente rara. De todas as pessoas que Paulo conhecia, Timóteo foi o único exemplo que ele apontou. Pensar como um servo é difícil porque me desafia no problema básico de minha vida: sou, por natureza, egoísta. Penso muito mais em mim mesmo. Esta é a razão porque a humildade é um motivo de luta diária, lição que precisa ser re-aprendida constantemente. A oportunidade de ser servo me confronta dezenas de vezes todo o dia quando me dou a chance de escolher entre suprir minhas necessidades ou as necessidades dos outros. Negar-se a si mesmo é o centro do serviço.

Podemos medir o coração de servo ao analisarmos o fato de como nós respondemos quando os outros nos tratam como servos. Como reagimos quando nos dão ordens, mandados ou somos tratados como inferiores? A paráfrase da Versão The Message em Mateus 5:41 diz: “Se alguém leva vantagem injusta sobre você, use a oportunidade para praticar a ação do servo”.

2. Pensam como mordomos e não como donos

Os servos se lembram que Deus é o dono de tudo. Na Bíblia, um mordomo era o servo de confiança que gerenciava uma determinada área. José foi um tipo de servo como prisioneiro no Egito. Primeiro, Potifar confiou seu lar a José. Então o carcereiro confiou sua prisão. Eventualmente Faraó confiou o país inteiro a ele. Serviço e mordomia andam juntos desde que Deus espera que sejamos confiáveis nos dois. A Bíblia diz: “Uma só coisa é requerida dos servos e esta é que sejam fieis ao seu mestre”. Como você está tratando os recursos que Deus confiou a você?

Para se tornar um servo verdadeiro, você precisa clarear a idéia sobre o dinheiro em sua vida. Jesus disse: “Ninguém pode servir a dois senhores…” Você não pode servir a Deus e ao dinheiro. Ele não disse que você pode servir aos dois, mas sim que precisa fazer uma escolha. Viver para o ministério e viver para o dinheiro são alvos mutuamente exclusivos. Não se combinam. Qual dos dois você escolhe? Se você é um servo de Deus, não pode vacilar. Todo o seu tempo pertence a Deus. Ele insiste em dedicação exclusiva, nunca em fidelidade parcial.

O dinheiro tem um grande potencial para tirar Cristo de sua vida. Muita gente não serve por causa do materialismo, mais do que por outra razão. Dizem: “Depois que eu alcançar meus objetivos financeiros vou servir a Jesus.” Essa é uma decisão tola de que vão se lamentar por toda a vida. Quando Jesus é o seu Mestre, o dinheiro é que lhe serve, mas se o dinheiro é o seu mestre, você se torna um escravo dele. Riqueza certamente não é um pecado, mas falhar em usá-la para a glória de Deus é. O verdadeiro servo se preocupa mais com o serviço do que com o dinheiro.

A Bíblia é muito clara – Deus usa o dinheiro para testar nossa fidelidade como servo. Essa é a razão porque Jesus falou mais sobre dinheiro do que sobre o céu ou inferno. Ele disse: “Se você não é confiável ao tratar com as riquezas do mundo, quem vai confiar a você as verdadeiras riquezas?” Como você administra seu dinheiro afeta o quanto Deus pode abençoar sua vida.

3. Pensam sobre suas responsabilidades e não no que os outros servos estão fazendo.

Não comparam, criticam ou competem com outros servos ou ministérios. Estão bastante ocupados fazendo a obra que Deus lhes responsabilizou.

Competição entre os servos de Deus é ilógica por muitas razões, estamos todos no mesmo time, o alvo é mostrar a bondade de Deus, não a nossa, temos diferentes áreas de ação e somos diferentes e exclusivamente moldados. Paulo disse: “Não nos comparemos com os outros como se um de nós fosse melhor ou pior. Temos muito mais coisas interessantes para fazer em nossas vidas. Cada um de nós é original”.

Não há lugar para inveja entre os servos. Quando estamos ocupados servindo, não temos tempo para criticar. O tempo que gastamos criticando deveria ser usado para ministrar aos outros. Quando Marta reclamou a Jesus que Maria não estava ajudando com a comida, ela perdeu o coração de serva. O verdadeiro servo não reclama de injustiças, não fica melindrado, e não fica ressentido com os que não estão servindo. Apenas confiam em Deus e continuam servindo.

Não é nossa tarefa avaliar os servos de outro mestre. A Bíblia diz: “Quem está criticando o servo dos outros? O Senhor é quem determina o quanto seu servo é bem sucedido.” Também não é nossa tarefa nos defendermos de críticas. Deixemos que nosso Mestre trate disso. Sigamos o exemplo de Moisés que mostrou verdadeira humildade face à oposição, como também Neemias, cuja resposta às críticas foi simplesmente: “Meu trabalho é tão importante que não vou parar agora para estar com vocês.”

Se você serve como Jesus, pode esperar ser criticado. O mundo, e até gente da igreja, não entende os valores de Deus. Os discípulos criticaram um dos mais belos gestos de amor mostrados a Jesus. Maria pegou o que tinha de mais valor, um perfume muito caro, e o derramou sobre Jesus. Seu magnífico gesto foi chamado de “desperdício” pelos discípulos, mas Jesus o chamou de “significante” e aquilo era o que importava. Seu serviço para Cristo nunca é um desperdício, apesar do que os outros digam.

4. Baseiam sua identidade em Cristo

Lembram que são incondicionalmente amados e aceitos pela graça, assim não precisam provar seu valor quando são amedrontados nas questões inferiores da vida. Muitos de nós somos inseguros para sermos servos. Temos medo que nossas fraquezas e inseguranças sejam descobertos e assim os escondemos com um bocado de pretensão e orgulho.

Um dos exemplos mais profundos do servir baseado numa auto-imagem segura é Jesus lavando os pés de seus discípulos. Lavar os pés era o equivalente a um engraxate, um trabalho sem status. Mas Jesus sabia quem era, de modo que isso não O ameaçou ou O incomodou quando o fez.

A Bíblia diz: “Jesus sabia que o Pai havia colocado todas as coisas sob seu poder, e que ele viera do Pai, de modo que ele levantou-se, tirou a sua capa, pegou uma toalha e a amarrou na cintura…”

Se você quer ser um servo, deve posicionar sua identidade em Cristo. Apenas as pessoas seguras podem servir. Quanto mais inseguro você for, mais você quer que os outros lhe sirvam, e mais vai querer aprovação deles. Por outro lado, quando você baseia seu valor e identidade na sua relação com Cristo, você se liberta da expectativa dos outros. Você torna-se livre para servir.
Os verdadeiros servos não precisam colocar placas e troféus em seus muros para validar seu trabalho. Não insistem em ser tratados pelos títulos e não se vestem com roupagem de superioridade. O status e símbolos de importância são desnecessários e nunca medem seu trabalho pelas suas conquistas. Paulo disse: “Você pode se vangloriar, mas a única aprovação que conta é a do Senhor”.

Se alguém teve a chance em sua vida de usar suas conexões e se exaltar foi Tiago, o meio-irmão de Jesus. Ele teve as credenciais de ter crescido com Jesus, como seu irmão. Ainda assim, na introdução de sua carta, ele se refere a si mesmo simplesmente como “um servo de Deus e do Senhor Jesus”. Quanto mais íntimo você se torna de Jesus, menos você precisa se promover a si mesmo.

* Pensam no ministério como uma oportunidade, e não como uma obrigação.

Adoram ajudar as pessoas, suprir suas necessidades e cumprir o ministério. Eles “servem ao Senhor com alegria”. Por que servimos com alegria? Porque amamos o Senhor, somos agradecidos pela sua graça, sabemos que o serviço é a forma do mais alto nível da vida, e Deus tem prometido uma recompensa. Jesus prometeu: “O Pai honrará e recompensará todos que me servem.” E Paulo acrescenta: “Ele não se esquece como vocês trabalharam duro para ele e como mostraram seu amor por ele por cuidar de outros Cristãos.”

CONCLUSÃO

Imagine o que aconteceria se apenas 10% de todos os cristãos no mundo levassem a sério sua responsabilidade de ser um servo verdadeiro. Imagine as coisas boas que poderiam ser feitas. Você está querendo ser uma dessas pessoas? Albert Schweitzer disse: “As únicas pessoas que são realmente felizes são aquelas que aprenderam a servir.”
Peça a Deus um coração de servo!


www.ejesus.com.br
www.antonicarlos.org

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS