Do amor ao inimigo

Neste sermão vamos aprender um pouco mais sobre o amor ao inimigo.

texto: Mateus 5:43-48

Introdução 

De todas as palavras da Bíblia, o “dar a outra face” e “amai vossos inimigos” me parecem ser as que vão mais contra a natureza humana e tudo quanto eu prefiro e tendo a fazer. Por isso, talvez, sejam temas ausentes da pregação cristã, uma vez que é tão difícil viver.

Então, é um tema que a gente trata com certo desdém, como se fosse uma história que Jesus contou um dia, mas que não necessariamente tem que ter a ver com nossa vida (Jesus só podia estar de brincadeira se ele achava que a gente seria capaz de colocar isso em prática).

 

Aqui está o meu problema com aqueles que vivem dizendo que Jesus era simples e de que o evangelho é simples. Pode, às vezes, partir de um ponto muito simples; e pode até ser simples de entender. Mas será simples de viver?

Se fosse simples de viver, não seria nem necessário pregar sobre isso. “Bora para casa então!”. Não. Abraçamos o evangelho não apenas com o entendimento do evangelho, mas, sobretudo, com a vivência do evangelho.

Faz parte do processo de amadurecimento na vida cristã: ter de conviver e lutar com as poucas ou muitas inadequações existentes entre o modo como entendemos e o modo como vivemos.

 

Transição

Afinal, o que Jesus está nos convidando a fazer nesse texto, quando fala de uma forma mais ampla e complexa de amor, que é o amor aos nossos inimigos e perseguidores?

  1. Um convite à inversão de nossos padrões culturais (v. 43-44)

Observe que ele começa com um “vocês ouviram o que foi dito”. A antiga lei, com a qual eles estavam acostumados, partia de um princípio de retribuição: se pegou, pague; se apanhou, bata; se recebeu amor, dê amor; se foi odiado, odeie; se venceu, receba o prêmio; se perdeu, lide com a derrota; etc.

É a maneira como nossa cultura, meritocrática por natureza, tende a nos impulsionar a agir. Como? Dando inúmeros exemplos diários, da escola à universidade, do trabalho ao trânsito, do bar à igreja, de que é assim que as coisas funcionam “aqui em baixo”.

E, quando menos se percebe, já estamos normalizando esse modo de ser e nos adequando a ele, afinal, para sobreviver na selva é preciso, às vezes, agir como selvagem.

O convite de Jesus é para que desafiemos isso, invertendo os padrões. Aceitar o convívio harmonioso com quem te persegue não basta, é preciso amar o inimigo e orar por ele.

Nos tornamos, assim, bobalhões que aceitam tudo e abaixam a cabeça para a injustiça? Não. Jesus foi um bobalhão? Não. Ele lutou, mas com armas diferentes das de seus algozes. Sua justiça era a do reino; e a justiça do reino caminha de mãos dadas com o amor. Não pune, mas perdoa; não bane, mas restaura.

Então, o amor ao inimigo não é um convite à subserviência, é um convite à revolução! Mas essa revolução precisa começar primeiro dentro da gente.

 

  1. Um convite para que abracemos nossa filiação (v. 45) 

Começa dentro de nós na medida em que avaliamos quem somos diante de Deus. Nós somos “filhos”. E o que nos torna filhos? O fato de que somos nascidos do Pai, e agimos conforme ele age. E como age o Pai?

Aqui tocamos num ponto importante. Para responder a essa pergunta, é útil que nos voltemos para dentro de nós mesmos, e nos perguntemos: Como nós temos agido ou como tendemos a agir?

Brennan Manning, no seu livro ‘A sabedoria da ternura’, disse que certa vez fez a si mesmo a pergunta: “Será que eu gasto os meus dias amando?”. Depois de um exame de alma, a resposta foi “sim”. O problema foi quando ele descobriu que dividia a comunidade humana em certas categorias. Então, ele disse: “Há algumas poucas pessoas que amo, certo número de pessoas de quem gosto e uma multidão em quem raramente penso, a quem me dirijo de maneira proativa ou por quem não manifesto qualquer interesse”.

Essa talvez seja uma conclusão a que a maioria de nós, incluso a mim, chegaria caso se fizesse a mesma pergunta. Nós fazemos acepção entre pessoa e pessoa. E no mais baixo escalão dessa acepção, colocamos nossos inimigos e pessoas que nos perseguem.

Cito dois casos que aconteceram numa história recente, para nos fazer refletir.

O primeiro é de um menino do Rio de Janeiro, Wesley, de 2 anos, que morreu após uma parada cardíaca, com escoriações e fraturas no corpo e cabeça. O pai e a madrasta são acusados. Fico pensando se fosse com meu filho; se fosse a mãe desse menino, o que eu seria capaz de fazer com quem praticou isso?

O segundo aconteceu em um cinema, em Colorado, nos EUA, quando um atirador de 24 anos fuzilou a plateia, deixando 12 mortos, e mais de 70 feridos, sendo 11 em estado grave. Se você fosse uma pessoa próxima de alguma das vítimas, perdoaria o seu algoz? Seria capaz de amá-lo sendo quem ele é, tendo feito o que fez?

Agora o que Deus faz…  Ele ama, dá o seu melhor a despeito de quem seja, bom ou mal – como lemos: ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos.

Ser filhos e filhas de Deus é fazer o que Ele faz, mesmo que nunca no mesmo nível. Como lemos em João: “Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus” (1 Jo 4:7). Para isso, é preciso perceber o convite oculto de Deus nesse texto…

 

  1. Um convite para um amor que transcende as categorias de bem e mal… e que cobre uma multidão de pecados. 

Deus nos convida a amar nossos inimigos por que Ele ama os seus inimigos: nós. Deus demonstrou seu amor por nós sendo nós ainda pecadores ou inimigos de Deus (Rm 5.8).

E a pergunta crucial é: algum dia deixamos de ser pecadores?

Não fosse pela graça, nunca deixaríamos de ser inimigos de Deus e, se não for pela graça, que todos os dias nos alcança, jamais deixaremos de ser. Na verdade, de muitas maneiras continuamos a ser algozes de Deus.

Então, o amor de Deus transcende as categorias de bem e mal porque Ele não distingue quem vai amar. Se estamos e permanecemos no seu amor, essas distinções precisam cada vez menos fazer parte de nós…

Quero citar os versos 46 e 47 na tradução “A Mensagem”, de Eugene Peterson:

“Se tudo o que vocês fazem é amar os que são amáveis, esperam um bônus? Qualquer um pode fazer isso. Se vocês simplesmente dizem ‘olá’ a quem os cumprimenta, esperam receber uma medalha? Qualquer pecador básico pode fazer isso”.

É como se Deus estivesse nos dizendo: mostrem ao mundo um tipo de amor que ele não conhece, o amor com o qual eu os amo todos os dias, o amor que revoluciona e provoca uma inversão de todos os valores.

 

Conclusão

A difícil questão permanece sendo: mas COMO posso amar meus inimigos? Talvez um bom começo seja a partir de certos reconhecimentos…

Primeiro, reconhecendo a inaptidão natural que todo temos para amar nossos opositores.

Segundo, reconhecendo o amor de Deus por nós mesmo em nossa condição de seus potenciais inimigos

Terceiro, reconhecendo a revolução de graça que esse amor opera em nós, quando assumimos nossa condição de filhos de Deus e agentes de seu reino de vida no mundo.

Amar ao inimigo é uma daquelas coisas com as quais temos de caminhar a vida toda e, à luz de cada situação e de um exame sincero de consciência e de alma, colocar na mesa nossas imperfeições, inadequações e fraquezas, esperando pela misteriosa força que Deus supre. Só pela graça podemos agir com graça…

 

Termino com uma oração conhecida, a Oração de São Francisco. Precisamos pendurá-la diariamente nas paredes dos nossos corações, especialmente nesse tempo de polarizações em que temos vivido:

 

Senhor, faze de mim um instrumento de tua paz

Onde houver injustiça, que eu leve o perdão

Onde houver ódio, amor

Onde houver dúvida, fé,

Onde houver desespero, esperança,

Onde houver trevas, luz,

Onde houver tristeza, alegria.

Ó mestre Divino, faze com que eu não busque mais

Ser consolado do que consolar

Ser compreendido do que compreender

Ser amado do que amar

Pois é dando que recebemos

É perdoando que somos perdoados,

 e é morrendo que se vive para a vida eterna… Amém!

 

Autor: Jonathan Menezes

Visite: http://www.ejesus.com.br

Comentários

comments

Sobre Antonio C. Barro

É professor da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina. Formado em teologia, com mestrado e doutorado pelo Fuller Theological Seminary, nos Estados Unidos. É o criador e editor do blog cristão: www.coisado.com.br

Contribua com sua opinião