É tempo de conquista

Este momento de virada no calendário traz um ambiente propício para renovarmos nossa esperança e alegria para novas conquistas. Ao longo do mês meditaremos no livro de Josué que narra a entrada do povo de Deus na Terra da Promessa. Deus tem grandes promessas para você e para mim. Vamos ler hoje Josué 3.3-5:

“Deram esta ordem ao povo: ‘quando virem a arca da aliança do Senhor, o seu Deus, e os sacerdotes levitas carregando a arca, saiam das suas posições e sigam-na. Mas mantenham a distância de cerca de novecentos metros entre vocês e a arca; não se aproximem! Desse modo saberão que caminho seguir, pois vocês nunca passaram por lá’. Josué ordenou ao povo: ‘Santifiquem-se, pois amanhã o Senhor fará maravilhas entre vocês”.

O Antigo Testamento somente pode ser compreendido em seu mais profundo significado espiritual se o estudarmos à luz do Novo Testamento. Tudo o que nele está escrito é como uma figura, uma sombra, uma tipologia, uma ilustração (Hebreus 8.5; 9.9, 23; 10.1) do que é totalmente revelado em Cristo Jesus. Neste sentido, Josué é um tipo de Jesus, o Cristo. Ambos os nomes tem a mesma raiz e o mesmo significado: Salvador. Mas o tipo (Josué) é apenas uma referência do que há de vir (Jesus). É como um desenho no papel daquilo que se tornará a verdadeira obra.

Com este entendimento, vamos tirar três grandes verdades de um tempo de conquista para um novo começo em 2.009:

1. Um tempo de conquista acontece na presença do Pai (v.3 e 4)
A arca da aliança era o principal item do tabernáculo onde se manifestava a presença de Deus Pai. Foi transportada à frente do povo pois simbolizava a presença e ajuda de Deus na batalha. Seu transporte era feito exclusivamente pelos sacerdotes e requeria um preparo especial, sob o risco de morte se não cumprissem todo o ritual.

Os sacerdotes eram pecadores e limitados. A arca também apresentava muitas restrições para a manifestação da presença de Deus. Contudo essa figura “sacerdote + arca” aponta para o que seria definitivo: Jesus Cristo, não somente sacerdote, mas sumo-sacerdote, vai adiante (Hebreus 6.19, 20), adentra a presença do Pai (Hebreus 9.11) não somente para oferecer oferta, mas tornando-se a própria oferta (Hebreus 9.12) e, criando um novo e vivo caminho que jamais poderíamos percorrer sem ele (Hebreus 10.20). Cristo entrou como homem de maneira permanente na presença do Pai para nos representar e interceder em nosso favor (Hebreus 7.25; 9.24; Romanos 8.34).

Há um caminho para 2.009 que já foi preparado por Jesus. Como o melhor sacerdote que se apresenta a Deus com os pedidos do povo, Ele já foi adiante de cada momento e episódio que acontecerá neste ano através de sua poderosa intercessão. Por isso podemos descansar e ficar muito confiantes. Assim como o povo de Israel devia sair de suas posições e seguir a arca e os sacerdotes, nas várias áreas da vida também devemos sair de nossas posições e seguirmos a Cristo. Ele fez um caminho para percorrermos neste ano. Um ano inteiro na presença de Cristo é a primeira verdade para esse tempo de conquistas.

2. Um tempo de conquista exige o coração como o do Filho (v.5a)
Era um momento muito importante na vida do povo. Eles ficaram 40 anos no deserto. Toda uma geração havia morrido sem entrar na Terra da Promessa. Todos os que ali estavam veriam nos próximos dias a grande conquista. Neste contexto a ordem de Josué foi: “Santificai-vos.”

Esta ordem remetia imediatamente aos rituais de expiação e purificação feitos pelos sacerdotes. A forma como o povo praticava a santificação era através da oferta de animais, em arrependimento pela culpa dos pecados cometidos. Ora, aqui também temos a figura que apontaria para o que viria a ser perfeito e definitivo. Por meio do sangue de bodes e touros e cinzas de uma novilha os impuros tornavam-se exteriormente puros (Hebreus 9.13), Mas isso tinha que ser repetido com freqüência, pois era um ritual incompleto. Ao contrário, Jesus o fez oferecendo-se a si mesmo de maneira definitiva (Hebreus 7.27). A partir deste sacrifício definitivo, o plano de Deus foi de estabelecer uma nova aliança onde ele põe suas leis em nossa mente e as escreve em nossos corações, perdoando definitivamente nossa maldade, não se lembrando de nossos pecados e tirando nossa culpa, purificando nossas consciências (Hebreus 8.10-12).Um novo ano sem culpa e com a consciência livre! Não é por obras, nem por modismos, nem por indulgências, nem por penitências. Essa grande conquista só pode ser através de Cristo. Nenhum outro sacrifício pode ser eficaz.

O que acontece é que quando nos arrependemos de verdade, convencidos de nossa natureza perversa e má, deixando de nos justificar como que se fossemos merecedores, neste momento a obra de Deus está qualificada para um grande transplante em nosso interior. Passamos a receber um novo coração, da mesma natureza de Cristo. Aqui está um grande milagre. Nossa santificação depende exclusivamente da operação deste nosso coração. Um ano inteiro deixando que o Senhor tire de nós o coração de pedra e coloque o coração de carne (Ezequiel 11.19; 36.26), como o de Cristo, é a segunda verdade para esse tempo de conquistas.

3. Um tempo de conquista depende das maravilhas do Espírito Santo (v.5b)
Chegamos ao ponto alto do texto. Josué disse: amanhã o Senhor fará maravilhas entre vocês. Toda a barreira seria removida. Já tinham a experiência anterior, em outra geração, de passar o Mar Vermelho. Mas aqui temos uma nova necessidade que exigiria um grande milagre e operação de Deus. Quando os pés dos sacerdotes com a arca tocaram nas margens do Jordão as águas se abriram, formando uma grande muralha, por onde o povo passou em terra seca.

A passagem pelo Jordão é o início para as grandes maravilhas que Deus continuará fazendo. Na vida de Jesus o Jordão foi o lugar onde aconteceu seu batismo e o Espírito Santo desceu como uma pomba sobre ele (Mateus 3.13-17). A partir daí, a vida de Jesus torna-se uma seqüência de maravilhas, todas operadas pelo Espírito Santo. Nosso sumo sacerdote já tocou as margens do Jordão e enviou o Espírito Santo (João 14.16; 16.7, 13).

Também em nossas vidas é necessário passarmos pelo Jordão. Nossa vida só será uma seqüência de maravilhas se houver a ação plena do Espírito Santo. Ao recebermos o Espírito Santo, recebemos poder (Atos 1.8).Um ano inteiro enchendo-nos do Espírito Santo (Efésios 5.18) para experimentar suas maravilhas.

Conclusão
Nosso Deus é o mesmo ontem, hoje e sempre. Assim como ele conduziu seu povo à Terra da Promessa, ele nos conduzirá a grandes conquistas neste ano. Sua presença foi adiante, esteve durante a passagem do povo e foi a retaguarda. Assim também ele fará conosco em 2.009. Vamos buscar a presença do Pai, o coração como o do Filho e a comunhão do Espírito Santo durante todo o ano. As grandes conquistas serão uma conseqüência natural.

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários no Facebook