Maravilhosa Graça
“Porque a graça de Deus se manifestou trazendo salvação a todos os homens” (Tito 2.11)
“Maravilhosa graça! Maior que o meu pecar!…
Como o firmamento é sem fim!…
É maravilhosa, é tão grandiosa, tão sublime e doce para mim! …
Estou salvo por toda a eternidade pela maravilhosa graça de Jesus!”
No Antigo Testamento a palavra graça é frequentemente encontrada em associação com “aliança” e denota a atitude de fidelidade com que ambas as partes de um pacto devem caracterizar-se.
No Novo Testamento a concretização da plenitude da graça acontece com a vinda de Cristo ao mundo. A posição do crente sob a graça não se aplica por algo nele existente, mas pela iniciativa amorosa de Deus.
A vida cristã, assim como o seu crescimento, advém da graça divina. A graça é dádiva, dom de Deus para as pessoas e para toda a humanidade. Tudo quanto Deus é, como Pai, Filho e Espírito Santo, torna-se expressão de Sua graça. A graça parte sempre da iniciativa divina. Deus toma a iniciativa de nos amar, perdoar, reconciliar, salvar, santificar e libertar. O amor, a misericórdia, o perdão, a longanimidade e todos os atos divinos em benefício da humanidade são diferentes formas de expressão do Deus gracioso. A Graça é a manifestação divina na busca incessante pela felicidade do ser humano. Representa o próprio Deus se relacionando com sua criatura; olhando e se manifestando a nós com benevolência, amor e indulgência. Pela virtude da fé alcançamos a graça da Salvação, ato da misericórdia e do amor divino em consonância com o ensino apostólico aos crentes de Éfeso: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.” (Ef 2:8). Fé receptiva, confiante, amorosa e obediente. A desobediência de Adão é extensiva a todo ser humano, e, por causa dela, pagamos pesadíssimo tributo ao pecado, porém, o ato vicário de Cristo, obra da graça de Deus,oferecido gratuitamente, liberta-nos do pecado e nos conduz à salvação. A graça divina é oferecida a todas as pessoas, entretanto, podemos aceitá-la ou rejeitá-la. Pela fé nos apropriamos da graça e passamos a viver por ela. O escritor da epístola a Tito 2:11, escreveu : “Porque a graça de Deus se manifestou trazendo salvação a todos os homens”. João Wesley declara a sua inquebrantável convicção concernente à necessidade da resposta humana ao toque amoroso da graça divina, dizendo: “sabeis como Deus trabalhou em vossa própria alma…. Ele não vos tirou o entendimento, mas iluminou-o e fortaleceu, não destruiu qualquer das vossas afeições, antes são elas mais vigorosas que anteriormente. Muito menos tirou a vossa liberdade, o vosso poder de escolher o bem ou o mal; não vos forçou, mas sendo assistidos pela sua graça, como Maria, escolhestes a melhor parte”. Agostinho (354-430), bispo da Igreja Cristã, em Ipona, na África, primeiro grande teólogo e filósofo da Patrística, conhecido na História Eclesiástica como o Doutor da Graça, sintetiza, magistralmente, esta sublime interação divino-humana: “Aquele que nos fez sem nós, não nos salvará sem nós”.
A ação da Graça de Deus na vida do cristão, além de operar preveniente, salvadora e justificadoramente, na compreensão wesleyana, vai continuar agindo em sua vida rumo à perfeição cristã de modo a produzir nele uma vida de conformidade com a vontade de Deus.
A graça se manifesta em três momentos especiais na vida humana:

1.Graça Preveniente.

Faz com que Deus ame e se manifeste às pessoas e à História independentemente do conhecimento ou da sua opção pela graça. A ação divina é motivo de despertamento, sensibilização e chamamento para a plena graça. O Espírito Santo age na pessoa humana, mesmo antes da sua conversão. Esta verdade é de fundamental importância para todos nós, pois sem a instrumentalidade da graça como poderíamos crer em Deus e nas suas promessas? Como nos arrependeríamos de nossos pecados? Deus em seu amor infinito, age no mundo, para que o mundo creia em Jesus Cristo.

2.Graça Justificadora.

É presente em Jesus Cristo. É por ela que somos salvos, reconciliados, redimidos, libertos e justificados. Nós somos considerados justos, e, obviamente, justificados pelos méritos de Cristo. Essa graça é apropriada pela fé. O Espírito Santo age no coração humano revela seus pecados e estado de condenação eterna, e, à medida que a pessoa vai crendo na palavra e se abrindo para ação do Espírito, Deus vai agindo em seu interior; à proporção que o arrependimento vai acontecendo, a graça justificadora realiza a sua obra pela manifestação do perdão de Deus, pelos méritos de Cristo, que, sacrificialmente, entregou-se na cruz para resgate e salvação daquele que crê. A mensagem do apóstolo Paulo aos cristãos de Roma é comprobatória desta verdade: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; (5.2). “Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus”(6.18). “E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça”. (6.23); ”Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor”(6.22); ”Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito”. (8.1)

3.Graça santificadora.

É presente e ativa por meio do Espírito Santo. É a graça que nos aperfeiçoa e nos santifica em nossa trajetória de fé e vida cristã, tanto pessoal como comunitária. Pela santificação de nosso ser interior vem a transformação diária de nosso caráter em Jesus Cristo. Assim transformado, testemunha ao mundo o que a graça é capaz de fazer com o ser humano, quando se entrega nas mãos do Senhor da vida. Quando o povo de Deus se santifica o nome Dele é santificado, consequentemente, os valores do reino se manifestam sobremodo relevantes na sociedade, e, com isto as boas novas são anunciadas a todos, indistintamente. Sede santos, como eu sou Santo diz o Senhor! Santificamo-nos quando buscamos intimidade com Deus, por meio dos atos de piedade, como a participação na Ceia do Senhor, leitura devocional da Bíblia, prática da oração, do jejum e participação nos cultos. Demonstramos ao mundo que temos Deus e Dele somos se amarmos os nossos semelhantes como Ele os amou. Nossa santidade não é uma santidade alienada, mas se revela em nossos atos de misericórdia, sob a forma de solidariedade ativa junto aos pobres, necessitados e marginalizados sociais, enfim, para com todas as pessoas

Conclusão:

Você tem experimentado, pessoalmente, a graça de Deus em sua vida? Saiba que você é alvo desta graça e somente você, mais ninguém, pode tirar, ou mesmo anular, o poder desta graça maravilhosa. Portanto, sinta-se cheio desta graça e seja transformado pela presença do Deus altíssimo.
Receba a graça da salvação em Jesus Cristo agora mesmo, abra seu coração, deixe a luz do céu entrar, deixa o sol da graça divina em ti raiar e vivificar todo o seu ser.
Experimente as maravilhas de Deus em sua vida. Não é necessário mudar primeiro a sua conduta reprovável diante de Deus, para, então, receber esta graça. A graça divina opera a transformação que Deus tanto deseja que aconteça em sua vida. Deus a tem derramado abundantemente sobre a sua vida, mesmo antes da sua resposta positiva à manifestação do Seu amor que a tudo excede.É humanamente impossível transformar a sua vida sem a graça dada pelo Pai. O fruto desta graça é a glorificação de Seu nome e bênção para todos quantos se encontrem ao seu derredor.
Deus tem superabundante graça para a sua pessoa em particular, para a sua família, para sua comunidade local, para sua cidade e para a sua nação!
Creia e viva esta graça em sua eficácia plena, seja dela dependente, pregue-a enquanto o Deus da Graça lhe proporcionar o dom da existência.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS