A Mensagem da Salvação: O Arrependimento

Nesse sermão vamos aprender um pouco mais sobre a salvação e o Arrependimento
Texto: At. 3.19

Introdução:

– Um dos versículos mais completos na Bíblia sobre a salvação, que mostra os passos dados para alcançá-la é esse que nós lemos.

Primeiro o homem se arrepende dos seus pecados, segundo ele se converte a Deus, terceiro ele tem os seus pecados perdoados, e quarto ele alcança o refrigério em seu coração pela presença do Senhor.

Não existe salvação sem arrependimento. Pois é um elemento vital da fé salvadora.

– A palavra grega para o arrependimento é metanoia, significa literalmente “reflexão posterior” ou “mudança de mente”.

– No sentido usado por Jesus, o arrependimento é um chamado a repudiar a velha vida e voltar para Deus para ser salvo.

– Alguém definiu arrependimento como a verdadeira tristeza sobre o pecado, incluindo um esforço sincero para abandoná-lo.

– Resumindo: “Sentir tristeza a ponto de deixar o pecado”.

 

É nesse contexto que Paulo descreve o arrependimento dos tessalonicenses.

I Ts.1.9: Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro.

– No arrependimento dos tessalonicenses houve três elementos: Voltar-se para Deus; abandonar o erro; propor-se a servir a Deus.

– A verdadeira mudança de mente ira necessariamente resultar numa mudança de comportamento.

– O arrependimento também não é mera obra humana.

– Como todo elemento da redenção, é um dom de Deus, que nos é graciosamente concedido.

 

At. 11.18: E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Na verdade, até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida.

– É Deus que nos concede a virtude do arrependimento para alcançarmos a salvação.

II Tm. 2.25: Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se, porventura, Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade.

– Se Deus não der o arrependimento ao homem ele não conhecerá a verdade da salvação.

 

I- O Arrependimento Genuíno Envolve o Intelecto, as Emoções e a Vontade.

São três elementos que constituem o arrependimento segundo as Escrituras.

 

1- O Intelecto

Intelectualmente, o arrependimento começa com o reconhecimento do pecado, com a compreensão de que somos pecadores, de que o nosso pecado é uma afronta a Deus.

– Podemos ilustrá-lo da seguinte maneira: O viajante descobre estar viajando no trem errado. Esse conhecimento corresponde ao elemento intelectual pelo qual a pessoa compreende, mediante a pregação da Palavra, que não está em harmonia com Deus.

2- A Emoção.

Emocionalmente, o arrependimento genuíno geralmente é acompanhado de uma profunda tristeza.

II Co. 7.10: Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende, mas a tristeza do mundo opera a morte.

– É difícil imaginar arrependimento verdadeiro sem que este inclua ao menos uma parcela de tristeza.

– Podemos ilustrá-lo da seguinte maneira: O viajante fica perturbado com a descoberta que pegou o trem errado, e vem uma tristeza pelo ocorrido.

3- A Vontade.

Volitivamente, o arrependimento inclui mudança de direção, transformação da vontade.

– Constitui-se no desejo de abandonar o pecado e submeter à vontade de Cristo.

– Podemos ilustrá-lo da seguinte maneira: Na primeira oportunidade o viajante deixa esse trem e embarca no trem certo.

– Isso ilustra o lado prático do arrependimento, que significa uma “meia-volta”.

– O arrependimento genuíno altera o caráter do homem em seu todo.

– O verdadeiro arrependimento irá resultar inevitavelmente numa mudança de comportamento.

– Onde não há mudança visível de conduta, não se pode confiar que haja ocorrido arrependimento.

 

II- Arrependimento é Deixar o Pecado.

Mt. 3.8: Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento.

– Aquele que se arrependi verdadeiramente demonstra isto na prática através de seus frutos; abandona o pecado.

Há Cinco Coisas Que Fluem do Verdadeiro Arrependimento:

 

1- Convicção.

Quando um homem não está profundamente convicto de seus pecados, é um sinal bem certo de que ainda não se arrependeu de verdade.

– Se um homem confessa ser convertido sem reconhecer a atrocidade de seus pecados, provavelmente se transformará num ouvinte endurecido que não irá muito longe.

– Na primeira onda de perseguição, no primeiro sopro de oposição, serão carregados de volta para o mundo.

– Para que haja arrependimento de verdade é preciso haver a plena convicção do pecado.

– Até que a convicção do pecado não esteja inteiramente em nosso coração, não podemos encontrar o Salvador.

– Há três coisas que nos levam à convicção:

a) A Consciência.

– A nossa consciência nos alerta a respeito dos nossos pecados.

b) A Palavra de Deus.

– A Palavra de Deus nos mostra o certo e o errado para que possamos corrigir.

c) O Espírito Santo.

Jo. 16.8: E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça, e do juízo.

– Esta convicção é operada pelo Espírito Santo na vida do pecador.

– Precisamos do Espírito Santo agindo em nossa consciência.

– Todos os três são usados por Deus.

 

2- Contrição.

– É um profundo sentimento de tristeza segundo Deus e humilhação de coração por causa do pecado.

– Se não houver verdadeira contrição, o homem voltará direto para o seu velho pecado.

– No Velho Testamento o arrependimento era demonstrado por meio de saco e cinza, símbolo de luto.

Dn. 9.3: E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para buscar com oração e rogos, com jejum, saco e cinza.

– O que Deus quer é contrição, e se não houver contrição, não há arrependimento completo.

Sl. 34.18: Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado e salva os contritos de espírito.

– Muitos pecadores lamentam por seus pecados, mas não tem uma contrição por eles.

– Só lamentar pelos pecados é insuficiente para alcançar o perdão de Deus, precisa haver contrição.

 

3- Confissão de Pecado.

Se tivermos verdadeira contrição, ela nos levará a confessarmos nossos pecados.

– A confissão de pecados é necessária e precisa para se alcançar o perdão de Deus.

– A confissão de pecados é um ato feito pelo pecador do seu coração perante Deus.

– Além de reconhecer o pecado é preciso confessá-lo a Deus.

Pv. 28.13: O que encobre as suas transgressões, nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.

– A confissão de pecados a Deus é uma grande fonte de alívio para o transgressor.

 

– Quem confessa recebe alivio.

– Quem confessa alcança refrigério.

– Quem confessa atinge o ápice do arrependimento.

– Quem confessa alcança a paz.

 

Tempo não apaga pecado; leitura de Bíblia não apaga pecado; frequentar os cultos da igreja não apaga pecado.

– Precisa haver um arrependimento verdadeiro; precisa haver contrição; precisa haver confissão do pecado perante Deus, para se alcançar o perdão.

I Jo. 1.9: Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.

– Deus é misericordioso para perdoar a qualquer que lhe chega para confessar o seu pecado.

– Deus é amor, e está pronto a perdoar a qualquer que se arrepende e lhe confessa o seu pecado.

 

Is. 1.18: Vinde, então, e arguí-me, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.

– Não deixe nenhuma nuvem entre você e Deus.

– Se há algum pecado em sua vida, resolva confessá-lo, e seja perdoado.

 

4- Conversão.

A confissão leva à verdadeira conversão, e não pode haver uma verdadeira conversão, até que se tenha dado esses três passos.

– No versículo de Atos 3.19 diz: Arrependei-vos e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados.

– Certo teólogo disse: “Todos nós nascemos de costas para Deus. O arrependimento é uma mudança de trajetória. É uma volta de cento e oitenta graus”.

– Pecado é afastar-se de Deus.

– Quando há verdadeira conversão, o coração fica liberto do pecado.

Rm. 6.22: Mas agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.

– A conversão transforma totalmente o pecador e o faz virar as costas para o pecado.

– O que antes nós amávamos passamos a odiar, e o que odiávamos passamos a amar.

– Só a conversão é capaz de fazer isso na vida do pecador.

– A conversão é um ato divino operado pelo Espírito Santo na vida do homem.

 

Ef. 2.8: Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus.

– A salvação é dom de Deus para o homem.

– Quando o pecador se converte tudo se torna novo em sua vida. Seus pecados são perdoados, ele se reveste do novo homem e começa e ver a vida com outros olhos.

– Prestemos atenção a chamada de Deus para o seu povo.

II Cr. 7.14: E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.

– Voltemos ao Senhor, e Ele terá misericórdia de nós, porque Ele perdoará.

– Confissão de Cristo.

 

– Se a pessoa se converte, o próximo passo é confessar isso abertamente.

Rm. 10.9,10: A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo.

Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.

– A confissão de Cristo é o clímax da obra de verdadeiro arrependimento.

– É um ato público que demonstra a conversão do pecador.

– Devemos isso ao mundo, aos nossos semelhantes cristãos e a nós mesmos.

– Ele morreu para nos redimir e não podemos estar envergonhados ou com medo de confessá-lo.

 

Lc. 9.26: Porque qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se envergonhará o Filho do homem, quando vier na sua glória e na do Pai e dos santos anjos.

– A confissão de Cristo publicamente revela a total aceitação do Senhor pelo pecador.

– As pessoas conheciam Zaqueu a aceitação dele teve um peso na sociedade muito grande.

– Mateus era um publicano, quando recebeu Jesus em sua casa e o aceitou, confundiu os seus colegas de profissão.

– Maria Madalena atraiu muitas pessoas até Jesus pela mudança que houve na sua vida, pelos que a conheciam.

– A mulher samaritana atraiu uma cidade inteira para Jesus, pelo seu testemunho de mudança de vida que deu, após o seu encontro com Jesus.

 

Conclusão:

 

– A salvação é o bem mais precioso que o homem pode adquirir, mas para alcançá-la precisa passar pelo arrependimento.

– Não dá para cortar caminho para alcançar a salvação.

– Os meios de Deus ainda são os mesmos.

– É preciso arrepender-se e converter-se para ser salvo.

– O céu não é para todos; o céu é para os humildes.

 

Autor: Pr Silvano Doblinski

Visite: http://www.ejesus.com.br

 

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários

comments

Sobre Antonio C. Barro

É professor da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina. Formado em teologia, com mestrado e doutorado pelo Fuller Theological Seminary, nos Estados Unidos.

É o criador e editor do blog cristão: www.coisado.com.br

Contribua com sua opinião