Mordomia – Devolva o que não lhe pertence

Uma das coisas que os pais procuram ensinar aos filhos desde a mais tenra idade é que eles não devem ficar com qualquer coisa que não seja sua.

Muitas vezes é difícil explicar para uma criança pequena que os brinquedos dos amiguinhos não podem ser levados para casa no final da brincadeira, ou explicar porque o boneco, que ele achou na vitrine da loja, não é dele.

Hoje e nos próximos domingos nosso assunto tem a ver com devolver o que não nos pertence. Conversaremos sobre mordomia cristã.

Um parêntesis

Mordomia 1
Pode ser que você esteja pensando: Agora sim! Finalmente a pregação vai ser sobre algo que todo mundo quer: mordomia. Aí você imagina uma praia paradisíaca: o mar verde esmeralda, o céu azul e você comendo aqueles camarões gigantes, feitos no alho e óleo, em plena quarta-feira. Ô mordomia!

É assim que muita gente entende o significado da palavra mordomia: vida tranqüila, dinheiro fácil e o serviço de muitas pessoas. Talvez eu vá frustra um pouco sua expectativa, mas não é desse tipo de mordomia que vamos falar.

Mordomia 2
Mas, pode ser que ao ouvir a palavra mordomia, você tenha-se lembrado daquele mordomo de nariz empinado, com roupa de pingüim e bandeja na mão. Também não é sobre esse tipo de mordomia que vamos conversar.

A mordomia sobre a qual vamos falar tem a ver com devolver o que não lhe pertence ao seu legítimo dono.

Viajando pelo interior

Uma vez por ano eu, Marina e os meninos temos viajado à Valença do Piauí para visitar os pais dela. Normalmente vamos de carro. Todas às vezes, fico impressionado com a imensidão de terra aparentemente abandonada pelo caminho. Milhares de km quadrados de terra sem ninguém, enquanto aqui em Fortaleza as pessoas se amontoam em favelas superlotadas, morando com toda a família em quartinhos mal construídos de 3×3.

Mas o abandono da terra realmente é aparente. Se alguém resolvesse morar e produzir seu próprio alimento em algum desses lugares, rapidamente o dono apareceria reclamando os direitos de propriedade.

Para isso, ele apresentaria um documento que diz como ele adquiriu aquela terra: de quem ele comprou, quanto ele pagou e quais são os limites da sua propriedade. Essas transações ficam todas registradas nos cartórios.

Imagine agora que vamos pesquisar… voltar no tempo para descobrir quem foram os primeiros donos dessas terras. Até onde poderíamos voltar? Talvez até as capitanias hereditárias! E antes disso? Os índios! E antes deles?

Os índios não tinham o mesmo conceito de propriedade que temos (muitos deles eram nômades que apenas usavam os recursos naturais para sua subsistência). Mas com que direito eles usavam a terra onde moravam? Quem os autorizou a usufruir ela? Em outras palavras, de quem é o direito de propriedade do mundo em que vivemos?

O universo tem um dono

Hoje, o direito de propriedade sobre algo pode vir pela compra, pelo uso ou pela doação. Mas também há o direito pela criação.

O direito de propriedade por criação é amplamente reconhecido em nossa sociedade (E também amplamente violado). Quando o assunto é a produção artística, chamam-se direitos autorais; quando a questão é a criação de um logotipo ou o uso de uma expressão, é a vez das marcas registradas; e há ainda as patentes, quando o assunto é a invenção de algo que ainda não existia. Em resumo, se você criou algo, você tem direito de propriedade sobre aquilo que criou.

Esse é um ponto importante. A existência, nas mais diversas sociedades, de um direito de propriedade sobre o que se cria não é uma invenção humana. Na verdade, é apenas um reflexo do direito que o próprio Deus tem sobre a sua criação. Ele se apresenta em diversos trechos da Bíblia como aquele a quem tudo que existe pertence.

Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam. (Salmos 24:1 ARA)

Deus diz: Escute, meu povo, que eu vou falar; vou ser testemunha contra você, povo de Israel. Eu sou Deus, o seu Deus. Não vou repreendê-los por causa dos sacrifícios e das ofertas que vocês sempre me trazem. No entanto, eu não preciso dos touros das suas fazendas nem dos bodes dos seus rebanhos. Pois os animais da floresta são meus e também os milhares de cabeças de gado espalhados nas montanhas. São meus todos os pássaros dos montes e tudo o que vive nos campos. Se eu tivesse fome, não pediria nada a vocês, pois o mundo é meu e tudo o que nele há. (Salmos 50:7-12 NTLH)

Eis que os céus e os céus dos céus são do SENHOR, teu Deus, a terra e tudo o que nela há. (Deuteronômio 10:14 ARA)

Deus requer para si o direito de propriedade do mundo e de tudo que nele há. Mas por quê? Porque foi ele quem criou tudo. Nada existia antes, e ele, pela sua palavra, criou tudo que existe.

No Princípio Criou Deus os céus e a terra (Gênesis 1:1 ARA)

Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem. (Hebreus 11:3 ARA)

O universo tem um proprietário, porque ele tem um criador. Deus é o legítimo proprietário de tudo que existe: montanhas, mares, céu, planícies, vales, geleiras, pássaros, peixes, rios, galáxias, cometas, árvores, animais, pedras, metais, e todos os recursos disponíveis para a sustentação da vida pertencem, por direito de criação, a Deus.

A Terra tem um mordomo

Mas se Deus é o dono de tudo, qual papel cabe ao ser humano nessa história? Qual a nossa participação na criação de Deus? Para entender esse papel, precisamos voltar ao momento em que Deus havia concluído sua criação.

Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra. (Gênesis 1:27 -28 ARA)

Tomou, pois, o SENHOR Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar. (Gênesis 2:15 ARA)

Depois de criar o mundo, Deus não passou uma escritura de transferência de propriedade. Ele nos fez mordomos da criação e nos deu direitos e obrigações.

Temos o direito de interferir na criação – sujeitar e dominar –, de modificar a natureza, de deixar registrada nossa marca na administração do planeta. Deus não nos pôs em uma camisa de força. Ele nos deu inteligência para entender como funcionam as leis desse complexo sistema que se chama vida e nos permite interferir nela.

Mas temos a obrigação de manter a vida – cultivar e guardar –, de preservar o meio ambiente, de valorizar a existência, de respeitar os limites da criação, de não explorar destrutivamente os recursos que devem servir a toda a humanidade.

Exemplos de mordomos

A palavra mordomo tem origem na expressão grega oikonomos (ao pé da letra, lei da casa). O mordomo era o responsável por tudo que dizia respeito à casa, desde o suprimento da despensa até o cumprimento das tarefas pelos demais empregados.

Disse Abraão ao seu mais antigo servo da casa, que governava tudo o que possuía: Põe a mão por baixo da minha coxa,para que eu te faça jurar pelo SENHOR, Deus do céu e da terra, que não tomarás esposa para meu filho das filhas dos cananeus, entre os quais habito (Gênesis 24:2–3 ARA)

logrou José mercê perante ele, a quem servia; e ele o pôs por mordomo de sua casa e lhe passou às mãos tudo o que tinha. E, desde que o fizera mordomo de sua casa e sobre tudo o que tinha, o SENHOR abençoou a casa do egípcio por amor de José; a bênção do SENHOR estava sobre tudo o que tinha, tanto em casa como no campo. Potifar tudo o que tinha confiou às mãos de José, de maneira que, tendo-o por mordomo, de nada sabia, além do pão com que se alimentava. José era formoso de porte e de aparência. (Gênesis 39:4-6 ARA)

Mordomia, confiança e submissão

O mordomo de Abraão era o seu servo mais antigo. José ganhou o posto de mordomo de Potifar por causa das suas habilidades em administrar e pela correção do seu caráter. Você colocaria como mordomo de sua casa alguém em quem não confiasse? Certamente, não!

Deus colocou Adão e Eva como mordomos da criação porque havia uma relação de amor e confiança entre o Criador e Eles. Deus passava no final da tarde para ver como eles iam, imagine só! Em Adão e Eva, Deus entregou a criação à humanidade e disse: sujeitai-a, dominai, guarde e cultive.

Nós conhecemos a história. Adão e Eva desconfiaram de Deus e desobedeceram a suas orientações. A partir dessa quebra de relacionamento com Deus, temos perdido a noção de mordomia. Esquecemos que nada nos pertence, nem nossas próprias vidas.

Longe de Deus, temos lidado com Sua criação como se fosse nossa propriedade, destruindo, depredando e extinguindo. Temos tratado a própria vida como se fosse nossa, vivendo do jeito que achamos melhor.

• A vida humana é desprezada (mães abandonam os filhos, homens escravizados, jovens chacinados)
• Os animais são extintos (a criação que Deus afirmou boa, está desaparecendo)
• A natureza é destruída (rios poluídos, a floresta devastada)
• Os recursos naturais são desperdiçados (comida, água, papel)
• O corpo humano é maltratado (drogas, bebida, comida, sedentarismo)
• O tempo é mal usado (fofoca, discussões tolas, projetos que afrontam a Deus)
• A riqueza é mal distribuída (Ceará entre as 6 piores distribuições de renda do país)
• Os dons e talentos são enterrados (os dons não são seus, são presentes para serem usados)

Um apelo à devolução

Mordomia cristã é devolver o que não lhe pertence e seguir as orientações de verdadeiro dono sobre como devemos utilizar. Nada é propriamente seu, nem a sua vida e realmente sua; ela é uma dádiva, um presente de Deus: “soprou Deus o fôlego da vida e ele se fez alma vivente”. Esse é o ponto de partida para a mordomia cristã: Dar ao Senhor a legítima posição de proprietário de tudo que existe e perguntar para ele como deve ser usado.

Em outras palavras, quero dizer que tudo começa com uma atitude de submissão ao senhorio de Cristo. Sem que isso aconteça, a prática da mordomia não vai fazer sentido para você.

Se você até hoje tem vivido a vida como se fosse o legítimo proprietário daquilo que possui, eu quero lhe desafiar a devolver tudo para o dono verdadeiro.

Devolva sua casa, seu carro, sua TV e seu DVD;
Devolva suas roupas, os sapatos, as jóias e suas bijuterias;
Devolva o celular, seu computador e sua máquina fotográfica;
Devolva os seus sonhos, seus projetos e seus desejos;
Devolva seu dinheiro, sua saúde e sua inteligência;
Devolva sua vida e sua alma àquele que os criou;

Se você já aceitou a Jesus como o seu salvador, mas hoje compreendeu que tem negado a Ele o direito de propriedade sobre o que você tem e é, quero lhe dá a oportunidade de fazer uma entrega total hoje à noite: tudo que você tem e tudo que você é colocado aos pés do verdadeiro dono de tudo: O Senhor Jesus Cristo. Fique de pé.

Se você nunca aceitou a Jesus como seu Senhor e Salvador, e hoje compreendeu que Ele é o dono de tudo e deseja devolver a Ele o controle da sua vida aceitando a Jesus como seja Salvador e Senhor, levante uma de suas mãos.

Oração

Mordomia começa com a devolução de tudo o que somos e temos ao legítimo dono. Assim, os papéis são restaurados: ele é o dono e nós os mordomos.

Próximo domingo, vamos continuar a falar sobre mordomia cristã e trazer aplicações sobre como viver a vida quando Deus é dono dela e nós somos seus mordomos.

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários no Facebook