O homem vê o exterior, porem o Senhor, o coração

Uma das nossas maiores preocupações são as nossas roupas, e também as roupas de outros. O debate sobre as roupas está sempre vivo. Há irmãos que ficam tristes, ou até revoltados, quando vêem uma pessoa na igreja que não esteja usando roupas decentes. Vendo uma mulher que tem uma roupa ligada ao corpo, ou vendo uma menina de saia curta, aqueles irmãos acham que alguma coisa está totalmente errada. Logo, eles questionam o que viram. Em seguida surgem maus olhares, e também comentários, conversas cheias de dolos e críticas. E tudo isto não é de ontem, nem de anteontem. Já faz anos e anos que falamos sobre este assunto tão delicado. Já faz anos e anos que há preocupações quanto às roupas. Estas preocupações continuam, e jamais se acabam. Apesar de todas as conversas que já houve, até hoje nada mudou. As perguntas e as críticas continuam. Às vezes há angústia, principalmente quando pessoas lá de fora apontam com o dedo e começam a criticar a nossa igreja toda por causa de um irmão ou de um congregado que usa uma roupa considerada menos decente. Assim os irmãos que se esforçam para que apenas sejam usadas roupas decentes, ficam constrangidos. Assim os irmãos que zelam por roupas decentes na casa de Deus, se sentem envergonhados. Isto é uma tristeza. Ao mesmo tempo há outros irmãos nossos, que também estão bastante preocupados por causa das roupas. Há irmãos que querem vestir-se normal. Há irmãos que querem vestir-se bem. E para não dar ofensa a ninguém, eles não param de perguntar-se: “Que roupa posso usar? Essa roupa aí, será que ela pode ser usada na igreja? Como os irmãos vão reagir, se eu vestir essa roupa? Será que alguém vai criticar-me”? Devemos entender que essa preocupação também é uma preocupação verdadeira, que até pode tirar o sono das pessoas. Já aconteceu que pessoas entraram na igreja, achando que estavam usando uma roupa decente, uma roupa até linda. Já aconteceu que pessoas entraram na igreja com uma roupa novinha. Mas nem sentaram, e já levaram uma pancada. Logo ouviram outros irmãos criticando e condenando-a por causa daquela roupa. Assim estragou-se o domingo todo para uma pessoa que veio para participar do culto e para ouvir a palavra de Deus. Tal pessoa, que foi criticada pelas roupas, fica muito magoada, e até pode sentir o desejo de abandonar a igreja.



Irmãos, notamos que as nossas roupas continuam gerando preocupação e até constrangimento e angústia. Agora, será que isto é certo? É certo nós darmos tanta atenção e tanto valor às roupas? Será que as nossas roupas realmente devem causar tanto debate e tanta dor de cabeça em nosso meio? Devemos dar tanta atenção à aparência das pessoas? A Bíblia nos conta uma história de um homem sábio, que, ao que tudo indica, também deu bastante atenção à aparência das pessoas. Samuel, ele era um homem sábio, um homem temente a Deus, um homem que tinha coragem de ser diferente. Mas ele fez o que nós muitas vezes fazemos: Ele julgou pela aparência, pelo lado exterior. Aconteceu o seguinte: Deus mandou Samuel ungir Saul para este ser o primeiro rei sobre o povo de Israel. Aquele Saul era o moço mais belo do país. Não havia outro mais belo do que ele. Saul tinha estatura. Desde os ombros para cima ele sobressaía a todo o povo (1 Samuel 9:2; 1 Samuel 10:23). Samuel gostava tanto de Saul, que não parou de chorar quando o Senhor o rejeitou. Pois isto aconteceu. O Senhor rejeitou Saul, pois este tornou-se desobediente às palavras e ordens de Deus. Porém, Samuel não conseguiu conformar-se com a rejeição de Saul. Ele não entendia como o governo de um homem tão belo e tão forte podia virar um fracasso. Então o Senhor Deus ficou irritado e indignado com Samuel, e disse-lhe: “Até quando terás pena de Saul, havendo eu rejeitado-o, para que não reine sobre Israel” (1 Samuel 16:1)? Assim o Senhor deixou claro, também para nós: “Uma pessoa pode ter beleza exterior, uma pessoa pode ter tudo para fazer sucesso no mundo, mas para mim isto não é suficiente. Tem que ter algo mais, algo mais importante do que aquela beleza exterior”. Por isso Deus rejeitou o belo Saul, e mandou Samuel ungir um dos filhos de Jessé para ser rei sobre Israel.



Assim aconteceu. Samuel foi a Belém, para fazer o que o Senhor ordenou. Samuel entrou na casa de Jessé, e estes dois ficaram aguardando num quarto. Então chamaram os filhos de Jessé. Veio primeiro o mais velho, um homem chamado Eliabe. Quando Samuel o viu, o coração dele disparou e ele pensou: “Deve ser ele. Certamente está perante o Senhor o seu ungido. Ele é um altão, um guerreiro, um homem forte. Que boa escolha do Senhor”! Samuel já se sentia alegre. Mas o Senhor disse a Samuel: “Não é ele não. Não importa ele ser alto. Eu o rejeitei”. Então veio o segundo, Abinadabe. Também não era ele. Passaram os sete filhos de Jessé. Nenhum deles foi escolhido por Deus. Então, Samuel, que tinha vindo para ungir um dos filhos de Jessé, perguntou a Jesse: “O senhor não tem mais filhos”? Respondeu Jessé: “Ainda falta o caçula que está apascentando as ovelhas”. Então disse Samuel a Jessé: “Manda chamá-lo”. Então entrou Davi no quarto. Ele era ruivo, de belos olhos e de boa aparência. Então disse o Senhor a Samuel: “Levanta-te e unge-o, pois este é ele”. Agora, por que o Senhor escolheu Davi para ser rei sobre o povo de Israel? Será que o Senhor escolheu Davi por ele ser ruivo, de belos olhos e de boa aparência? Não o Senhor não escolheu Davi por causa da beleza exterior. Se fosse pela beleza exterior, Saul poderia ter permanecido no cargo, já que Saul tinha todas essas qualidades de beleza exterior. O Senhor usou outro critério para escolher Davi. “O Senhor não viu como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor o coração”.



Neste momento podemos tirar uma lição muito importante. Podemos concluir que a aparência das pessoas é uma coisa muito relativa. Olhando a aparência das pessoas, não dá para tirar conclusões sérias. A aparência engana. Até Samuel se enganou várias vezes pela aparência. Ele viu alguns homens altos. Ele viu Saul, Eliabe e mais outros e pensou que estes agradavam a Deus. Mas ele estava enganado. A beleza corporal, a beleza exterior, como também as roupas finas, elas agradam aos homens, sim. Só um exemplo de hoje: Aconteceu que um homem bem vestido, conhecido como o maníaco do parque, conseguiu enganar 8 mulheres, para depois estuprá-las e matá-las. A aparência daquele sujeito criminoso era muito boa. Aquele homem tinha tudo, até um telefone celular. Por isso aquelas mulheres acreditavam nele e embarcavam. Todas elas foram enganadas pela aparência, e acabaram mortas. Irmãos, vamos então tomar muito cuidado com a aparência! Os próprios fariseus, aqueles crentes de verdade, eles faziam questão de andar com roupas especiais. As vestes deles eram dignas e decentes. Mas vejam só! Aqueles fariseus tão bem vestidos, eram os piores. Eles devoravam as casas das viúvas, cobrando os dízimos delas. Aquelas viúvas nem tinham como alimentar seus filhos. Elas também não tinham como defender-se. Mas os fariseus não tinham compaixão. Para cumprir a regra dos dízimos eles sugavam as pessoas mais sofridas. Irmãos, o Senhor deixou claro que aqueles fariseus, apesar das roupas tão decentes, mereciam uma punição mais severa (Lucas 20:46-47). “Ai de vocês, mestres da lei e hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados; bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundície. Assim são vocês: por fora parecem justos ao povo, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e iniqüidade” (Mateus 23:27-28).



Então irmãos, cabe a nós tomarmos muito cuidado em relação às roupas que estão sendo usadas pelos outros. Não devemos pensar que aquele que têm roupas bonitas, já está com uma passagem garantida para o céu. Ninguém herda a vida eterna pelas roupas. Aquele que tem sapatos de couro fino, ele pode chegar lá. Aquele que usa tênis, pode chegar lá. Aquele que usa chinelas, pode chegar lá. Também não devemos pensar que aquele que usa brinco ou maquiagem, ou que tem uma roupa menos decente, vai para o inferno. Pensar isto, é mostrar ignorância. Pensar deste jeito é pensar como as crianças pequenas, que acreditam em tudo, mas nada entendem. Porque isto não é certo. Vamos supor o seguinte: Entra em nossa igreja uma pessoa que não tem roupas decentes. Pode ser uma menina que ainda na noite anterior participou de uma festa com trio elétrico. Ou pode ser um menino, que usa um vestido com desenhos sensuais, ou que tem tatuagens nos braços. Ou pode também ser um adulto. Irmãos, o que é que vamos pensar ou dizer? Como é que vamos reagir, vendo na casa de Deus um irmão com aparência ou roupas menos decentes? Vamos apontar com nosso dedo? Vamos dar maus olhares? Vamos falar com as nossas amigas, para dizer o que achamos, comentando, criticando e falando mal daquela pessoa? Mas espere aí irmãos! Aquela pessoa que não tem roupas decentes, ela veio para fazer o quê? Ela não veio para ouvir a pregação da palavra de Deus? Talvez, quem sabe, aquela pessoa tenha encontrado grandes dificuldades e angústias, estando agora em busca de orientação espiritual. Talvez aquela pessoa tenha sofrido por causa dos seus pecados, tendo agora o desejo sincero de romper com aqueles pecados, querendo começar uma vida nova. Talvez aquela pessoa esteja com coração quebrado, em busca de Deus. Então, quem somos nós para estender o dedo e para condenar aquela pessoa? Nós vemos apenas o lado exterior. Podemos estar profundamente enganados!



Neste momento quero dizer o seguinte: Irmãos, cabe a nós que somos cristãos termos moderação. Devemos ter moderação quanto à questão de como vestir-se, sim. Não é bom exagerarmos. O crente não deve tomar banho do mar com roupas muito pequenas ou transparentes. O crente não usa fio dental na praia. Da mesma forma o crente também não deve andar usando roupas super luxuosas, ou com muitos brincos e anéis de ouro e prata, como os apóstolos escreveram. A ordem é ter moderação. Agora, irmãos, falando neste momento de moderação, é preciso dizer também outra coisa: Apesar de não exagerar nas roupas, também não devemos exagerar em nossas críticas. Devemos ter também moderação em nossas críticas às roupas dos outros. Pois, isto já ficou bem claro: somos falhos. Até Samuel tropeçou. Assim nós também podemos errar. Se as pessoas de lá de fora criticam a nossa igreja por causa de roupas, vamos deixar isto por conta própria delas. Nós porém, não vamos criticar assim. Já fomos avisados pela palavra de Deus. Já conhecemos a opinião do Espírito Santo a respeito. Então, vamos tomar cuidado. Falemos com moderação.

A verdade é que a questão das roupas, que nos preocupa tanto, não é a questão fundamental para os crentes verdadeiros. O lado exterior, é apenas o lado exterior. No mundo só vale esse lado exterior: as roupas, o relógio, o cabelo frisado, um corpo escultural, sem gordura e sem pés de galinha, andar carregado de ouro e prata, e etc. No mundo é assim. Valem somente essas coisas. As pessoas bem sucedidas, os cantores e os astros de futebol, andam assim, usando roupas finas e tendo vários carros importados. Muitas outras pessoas, que não são tão bem sucedidas, têm esse sonho na cabeça. Querem alcançar isto. Querem usar tênis de uma marca boa, um carro importado, e etc. Assim há no mundo um padrão fixo. Aquele que não obedece aquele padrão, não importa e está fora. A roupa tem que ser assim, assim e assim. Senão, você não existe. Agora, para nós que conhecemos Deus, para nós que conhecemos Cristo, isto é diferente. Para nós que conhecemos a palavra de Deus, e que somos guiados pelo Espírito Santo, tudo é diferente e tem que ser diferente mesmo. Nós não somos regidos pela moda, nem se fossem leis de um pastor ou de um fariseu. Nós que somos cristãos, somos governados, graças a Deus, somente pela palavra de Deus e pelo Espírito Santo, também na questão das roupas. Entendemos, iluminados pelo Espírito Santo, que muito mais importante do que o lado exterior, é o lado interior. Pois a palavra de Deus diz: “O SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR vê o coração”.



Por isso digo eu, com a mão na Bíblia: queridos irmãos, vamos ficar menos preocupados com as roupas das pessoas. O assunto das roupas, não merece toda aquela atenção, nem deve causar tanta dor de cabeça. Vamos ter moderação, livrando-nos do exagero. E vamos fazer o que realmente importa: Vamos prestar muito mais atenção a nossa beleza interior. Vamos ficar mais preocupado com o nosso coração. Pois o coração vale muito mais do que as roupas. O coração é a vida. Tudo procede do coração. Agora, quais são os pensamentos, os sentimentos e os planos que nós temos em nossos corações? Temos corações limpos? Temos um coração onde prevalece a vontade de Deus? Temos um coração cheio de vontade de levar uma vida dedicada ao Senhor Jesus Cristo? E o Espírito Santo, dá para ele habitar em nossos corações? Ou devemos reconhecer que o nosso coração está cheio de egoísmo, de nojeira, de inveja, de ódio e de desrespeito? Ou devemos reconhecer que do nosso coração procedem muitas críticas e mentiras? Irmãos, vamos ficar mais preocupados com todas essas perguntas! Vamos falar menos sobre roupas! O mundo já faz isto. Vamos então estar menos preocupados com roupas. Vamos fazer outra coisa: Examine-se o homem a si mesmo. Será que temos a atitude certa? Será que temos a verdadeira fé em Deus? Será que temos e mostramos o amor de Cristo? Vamos vestir-nos com boas obras. É isto que agrada ao Senhor, segundo as Sagradas Escrituras. Vamos ter um espírito humilde, e um coração transbordando de agradecimentos a nosso grande e misericordioso Deus. Vamos amar os nossos irmãos, também aqueles que não tem inteligência de comprar roupas decentes. Vamos viver e conviver assim irmãos. “Pois o SENHOR não vê como o homem vê. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração”.

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários no Facebook