O teste da ressurreição

Introdução
1. Coelhos grandes e pequenos, ovos de chocolate cada um mais gostoso do que o outro. Foi este o resumo de sua Páscoa?
2. O mundo tem a capacidade de comercializar as datas mais importantes do cristianismo.
3. Esta comercialização não tem a mínima importância para nós, o que realmente importa é se entendemos o significado da ressurreição de Cristo e,
4. Se esta ressurreição tem transformado as nossas vidas.

Transição
Cristo já ressuscitou, é grito que atravessa os séculos, todavia, que importância tem esta ressurreição para as nossas vidas? Façamos, portanto, o teste da ressurreição:

I. Cristo já ressuscitou, é eficaz, portanto, a nossa pregação? (14)
A. O que pregamos ao mundo afinal? Poucos são os crentes que sabem exatamente o que anunciar a um mundo perdido no pecado.
B. Paulo usa a expressão Kerigma, que significa mais do que uma simples pregação, mas sim proclamação.
1. Proclamamos o Cristo crucificado.
– “Nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios” (I Co 1:23).
– “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado” (I Co 2:2).
2. Proclamamos o Cristo vivo.
– “Por quê buscais entre os mortos ao que vive?” (Lc 24:5).
– “Ele se apresentou vivo” (At 1:3).
C. Como pregamos ao mundo?
1. Com ousadia, porque esta é a única esperança para o mundo.
– “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1:16).
2. Com pressa, urgência, por causa da brevidade da vida.
– Disse Jesus: “É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” (Jo 9:4).
D. Teste: A ressurreição tem causado em nós um desejo ardente de pregar o evangelho ou isto não faz a menor diferença em nossas vidas?
E. Se no seu coração não arde o desejo de compartilhar Cristo, então para você pouca importância tem se ele ressuscitou ou não.

II. Cristo já ressuscitou, é eficaz, portanto, a nossa fé?
A. A fé (salvadora) o primeiro passo que alguém dá em direção ao Cristo Vivo, para depositar a vida aos cuidados dele. É aquele momento em que a pessoa abandona o desejo de controlar a própria vida e permite que Cristo entre em seu coração.
B. A fé é eficaz para nossa salvação e ela aceita as demandas do Cristo, porque somente nesta aceitação está a nossa salvação.
C. A fé santificadora é o segundo passo desta pessoa.
1. Paulo disse: “E esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gl 2:20).
2. Ainda mais: “Combate o bom combate da fé. Toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado, e de que fizeste a boa confissão, perante muitas testemunhas” (I Tm 6:12).
D. Teste: A ressurreição de Cristo tem produzido em seu coração um desejo de lutar e de vencer mesmo nos momentos mais difíceis ou isto não faz a menor diferença para você?
E. Se você não anda por fé, através da fé, então para você a ressurreição de Cristo tem muito pouca importância.

III. Cristo já ressuscitou, já deixamos a vida de pecado? (17)
A. Um dos propósitos da vinda de Cristo ao mundo foi para nos purificar de todo e qualquer pecado, de toda e qualquer injustiça.
B. Para cumprir com o seu propósito, ele se fez maldito em nosso lugar, ele se sujou com os nossos pecados.
C. Quando nós cremos que Cristo ressuscitou, devemos crer que na sua ressurreição nós também ressuscitamos com uma nova vida, e agora o poder do pecado não exerce mais controle sobre nós.
D. A ressurreição, portanto:
1. Produz um desejo de abandonar o pecado.
– “O aguilhão da morte é o pecado” (I Co 15:56).
– “Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões” (Rm 6:12).
2. Produz um desejo de santidade e pureza.
– “Torna-te padrão dos fiéis… na pureza” I Tm 4:14).
– Por causa da ressurreição no último dia, o Ap. Paulo afirma: “Por isso também me esforço por ter sempre consciência pura diante de Deus e dos homens” (At 24:16).
E. Teste: Você tem experimentado uma vida de santidade, você tem vontade de ser santo como Cristo? ou estes pensamentos não incomodam mais a você?
F. Se o coração continua sujo e o pecado é companheiro constante do seu viver diário, então para você, se Cristo ressuscitou ou não, não faz a menor diferença.

IV. Cristo já ressuscitou, somos as pessoas mais felizes da Terra? (20)
A. A ressurreição de Cristo produz em nós um sentimento de alegria porque o inimigo que mais nos amedrontava, a morte, foi vencido, derrotado. Vivemos, portanto, uma vida isenta dos temores de um futuro incerto.
B. A nossa esperança está além das coisas deste mundo, ainda que muitas vezes nos esquecemos disto. Nós olhamos para frente, para a consumação dos séculos.
C. A alegria é fruto do Espírito Santo:
1. “Mas o fruto do Espírito é alegria” (Gl 5:22).
2. Cristo foi ungido com oleo da alegria (Hb 1:9).
D. “A alegria do Senhor é a nossa força” (Ne 8:10).
1. “O coração alegre aformoseia o rosto, mas com a tristeza do coração o espírito se abate” (Pv 15:13).
2. “O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos” (Pv 17:22).
E. Teste: A sua vida consiste de andar de tristeza em tristeza? Tem você alguma razão para ser uma pessoa alegre?
F. Se a alegria do Cristo ressurreto não consegue invadir o seu coração, então para você, tanto faz se ele ressuscitou ou não.

Conclusão:
1. Temos vivido um cristianismo que mostra a verdadeira autenticidade de vida?
2. Cada um de nós deve viver consciente da responsabilidade que cabe a cada um.
3. Saibamos que diante de Deus somos responsável. Ele enviou o Seu Filho para morrer e ressuscitar por nós. Cumpramos com a nossa parte no pacto da aliança.

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários

comments

Contribua com sua opinião