Que tipo de cristão você é?

“Ora, o rei da Síria fazia guerra a Israel. Depois de consultar os seus oficiais, disse: Em tal e em tal lugar estará o meu acampamento. Mas o homem de Deus mandou dizer ao rei de Israel: Guarda-te de passares por tal lugar, porque os sírios estão descendo ali. Pelo que o rei de Israel enviou homens àquele lugar de que o homem de Deus lhe falara, e de que o tinha avisado, e assim se salvou, não uma nem duas vezes. Este incidente turbou o coração do rei da Síria, que chamou os seus oficiais e lhes disse: Não me fareis saber quem dos nossos é pelo rei de Israel? Disse um dos seus oficiais: Ninguém de nós, ó rei meu senhor, mas o profeta Eliseu, que está em Israel, faz saber ao rei de Israel as palavras que tu falas na tua câmara de dormir. Disse o rei: Ide e vede onde ele está, para que o envie homens e mande trazê-lo. Deram-lhe aviso, dizendo: Está em Dotã. Então enviou para lá cavalos, e carros, e um grande exército, os quais vieram de noite e cercaram a cidade. Quando o moço do homem de Deus se levantou muito cedo e saiu, viu que um exército com cavalos e carros tinha cercado a cidade. Então seu moço lhe perguntou: Ai, meu senhor, o que faremos? Ele respondeu: Não temas. Mais são os que estão conosco do que os que estão com eles. E ourou: Ó Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e ele olhou e viu que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu. Enquanto o inimigo descia contra ele, Eliseu orou ao Senhor: Fere, peço-te, de cegueira esta gente. E feriu-a de cegueira, conforme a palavra de Eliseu. (II Reis 6:8-18)

Havia uma guerra em Israel. E o rei da Síria, junto com seus oficiais, traçava planos em como derrotar a Israel. Mas, todas as vezes que os sírios se preparavam para a guerra, Deus revelava a Eliseu quais eram os planos do rei da Síria, de forma que os exércitos de Israel sempre escapavam de qualquer emboscada.

Eliseu sabia dos planos de rei da Síria porque Deus revelava a ele. Enquanto Eliseu esta orando, Deus lhe falava o que os oficiais da Síria estavam planejando. No Novo Testamento, esta manifestação do Espírito Santo, é chamada de Palavra de Conhecimento, ou seja, uma revelação sobrenatural que recebemos de Deus de algo que não poderíamos saber de outra forma. Eliseu sabia dos planos do rei da Síria porque Deus lhe revelava.

Ao ver que Israel sempre escapava das suas armadilhas, o rei da Síria pensou que houvesse um traidor entre os seus homens pois não compreendia as coisas espirituais. Eliseu era um homem de Deus. Era um profeta. Era um homem que orava. Vemos Eliseu orando duas vezes neste texto (vs. 17 e 18), e por isso recebia revelações de Deus. Sabia que o mundo invisível (dos anjos e demônios) era tão ou mais real do que o mundo que podia ver com os olhos. Somente a pessoa que ora, e ora bastante, consegue discernir estas coisas corretamente.

Este Texto da Bíblia nos mostra quatro tipos de pessoas diferentes, e com certeza nós nos encaixamos em qualquer destes tipos.

O Primeiro tipo de pessoa, é revelado pelas atitudes de Rei da Síria e do Servo de Eliseu

Quando o rei da Síria viu que Israel conhecia seus planos ele disse: “…quem dos nossos é pelo rei de Israel?” (v. 11). Ele pensou que alguém estava o traindo.

Por sua vez, o servo do profeta Eliseu, ao ver que o exército inimigo havia cercado a cidade para prendê-los, perguntou a Eliseu: “Ai, meu senhor, o que faremos?” (v. 15).

Estas atitudes revelam um tipo de pessoa que só consegue ver o natural, o que é lógico, o que é visível aos seus olhos naturais. Só consegue enxergar os seus problemas, o tamanho dos gigantes, a lógica de que se “Eliseu sabe”, alguém nos traiu e contou para ele. Estas pessoas não conseguem enxergar o mundo invisível. Muitas vezes, em uma casa há discórdias, brigas, ódio e muitas outras coisas, mas as pessoas não conseguem discernir que o problema acontece na esfera espiritual. Lares são destruídos, a situação financeira fica difícil, mas este tipo de pessoa não consegue ver nada além de que seus sentidos naturais dizem. Eles perguntam amedrontados: “Ai, o que faremos?”. Efésios 6:12 diz: “A nossa luta não é contra carne, nem contra o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestiais.”

O Segundo tipo de pessoa, é alguém que pensa que realmente há um mundo invisível, mas ainda procura meios lógicos e naturais para encontrar a solução

O rei da Síria acreditou que Deus revelava os seus planos à Eliseu, acreditou que havia um mundo invisível sobrenatural, mas ao invés de tomar uma atitude correta mandou acharem a Eliseu e prendê-lo. Nem lhe ocorreu que se Eliseu “sabia as palavras que o rei falava em seu quarto”, certamente saberia que o rei queria prendê-lo. O rei deveria ter orado a Deus e perguntado o que ele deveria fazer, qual o caminho a tomar, como resolver esta situação, mas em sua cabeça natural, cheia de lógica, o problema seria resolvido se Eliseu fosse preso.

Mandou prendê-lo. Mandou cercar a cidade onde Eliseu estrava. Enviou centenas de soldados que viajara, toda a noite. Armou uma grande estratégia militar, mas seu plano foi um fracasso. Ficou envergonhado. Tentou resolver a situação à sua maneira quando a solução do problema era espiritual e não física. As atitudes deveriam ser tomadas depois de muita oração, debaixo da oração de Deus, e nem sempre os caminhos de Deus são a lógica do homem.

Muitas vezes as pessoas fracassam na sua vida porque ao invés de buscar a Deus para saber o que fazer, fazem o que lhes vem a cabeça, o que “acham” que é o melhor caminho.

“O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa vem do Senhor.”Pv. 16:1

O Terceiro tipo de pessoa, é a pessoa que acredita em Deus, acredita que há uma solução espiritual, mas não consegue enxergar o quão perto está.

O servo de Eliseu vivia com o profeta. Testificara muitos milagres. cria em Deus, mas não conseguia enxergar que Deus estava ali. Não conseguia crer que Deus iria livrá-los. Ficou apavorado. Pensou: “Estamos perdidos; estamos mortos. Que adiantou servir a Deus todos estes anos. Ai meu senhor, o que faremos?”

Não percebeu a presença de anjos. Não percebeu que os problemas de homens são só uma oportunidade para os milagres de Deus. Cria em Deus, mas em um Deus que está distante, em um Deus que não deve estar muito preocupado comigo, em um Deus que não está vendo a minha situação desesperadora. “Ai meu senhor, o que faremos?” Ficou com medo, pois não tinha em seu coração o pensamento que “se Deus é por nós, quem será contra nós”. Rm 8:31

O servo de Eliseu, como muitos cristãos, estava com os seus olhos espirituais fechados. Recebem o diagnóstico médico e ficam apavorados, desesperados, querem abandonar a fé. Parece que Deus está distante. Não sabem o que fazer, precisam ter os seus olhos abertos para enxergarem que “mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.”

O Quarto tipo de pessoa, são as pessoas que vêem o invisível, sabem que o poder está disponível e agem com tranqüilidade pela fé e oração

Eliseu era esta pessoa. Ele sabia o Deus que tinha. Seus olhos espirituais estavam mais abertos do que os seus olhos físicos. Não se preocupou com o exército inimigo, pois estava certo que “mais são os que estão conosco do que os que estão com eles” (v. 16). Não ficou com medo pois sabia que o “anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem e os livra.”

Eliseu orou. Não orou por si, mas por aquele que não cria: “Ó Senhor, peço-te que lhe abra os olhos, para que veja.” Deus ouviu a oração de Eliseu, e “o Senhor abriu os olhos do moço, e ele olhou e viu que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.” Havia mais anjos armados do que soldados armados. Não caberia mais cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu.

O monte estava “cheio”. Todo o tempo os anjos estavam lá, e Eliseu sabia disto, embora seus olhos naturais não vissem nada. Mas Eliseu era um homem diferente. Cria na oração. Via o invisível. Sabia que Deus não o abandona, que Deus cuida, que Deus protege os que o amam, que Deus interviria quando necessário, Que Deus o livraria, que Deus estava presente olhando tudo, que Deus estava vendo a movimentação dos soldados, que Deus não falharia. Eliseu não fez uma oração apavorada, de última hora, quem sabe numa última tentativa. Não, ele nem orou por si. Neste momento ele nem precisava de oração, pois ele estava tranqüilo. Afinal, ele servia ao “Senhor dos Exércitos”.

“Enquanto o inimigo descia contra ele, Eliseu orou ao Senhor: Fere, peço-te…”(v. 18). Não orou apavorado clamando por misericórdia. Não reclamou de Deus dizendo: “Que adiantou servir a Deus. Olha a minha situação agora”. Eliseu tinha o controle da situação porque sabia que Deus tinha o controle da situação.

Talvez algumas vezes em tua vida, parece que não há mais saída, que não há solução. Você tem a vontade de chorar e desesperar e abandonar a fé. Saiba que Deus cuida de você e mesmo que você não veja nada com os teus olhos físicos, Deus ordenou aos seus anjos para te guardarem em todos os teus caminhos. Então fique firme no Senhor. Fique firme com a Palavra.

“Não temas. Mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.” Ore bastante. Aprenda a jejuar, pois nada nos deixa mais sensíveis ao mundo espiritual do que o jejum e a oração e este é o tipo de cristão que Deus quer que sejamos

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários no Facebook