Tudo posso naquele que me fortalece

Texto: Filipenses 4.13-20

A frase “tudo posso naquele que me fortalece” enche o nosso coração de força. Com certeza em muitos momentos em sua vida você se valeu desta verdade da Palavra de Deus para superar um desafio, para vencer uma luta espiritual, para conviver com uma enfermidade, para suportar a adversidade, para suportar uma perda. De fato esta palavra tem sustentado a muitos e durante toda a história da igreja.

No entanto esta frase não é solta na Bíblia. Ela não é uma varinha de condão, um amuleto, uma senha para tudo o que pensamos.

Como bem definiu Dennis Dowwin: nem tudo o que eu quero eu posso, nem tudo que eu posso, eu devo; e nem tudo o que eu posso, eu faço.

De fato existem circunstancias em que de fato Deus nos fortalece, mas isto não significa que podemos fazer tudo. O mesmo Apóstolo Paulo nos demonstra em sua própria vida que esta frase “tudo posso” não nos torna um super-crente, um super herói da fé.

No contexto desta frase entendemos que este poder de Deus em nós nos faz caminhar por terrenos distantes do que gostaríamos e sonhamos.  Às vezes este “tudo posso” nos assusta quando interpretado dentro do seu contexto. Então o que significa neste texto a expressão “tudo posso naquele que me fortalece”?

I- PODER PARA SER HUMILDE

O Apóstolo das nações nos ensina aqui que o poder de Deus em nós não nos exalta, mas nos torna humildes. De fato ele teve que ser humilde em alguns pontos:

1- Humilde para receber ajuda material de outros (v.10, 14-17). Às vezes achamos que estamos bem espiritualmente quando temos condições de ajudar os outros. Alguns acham até que receber ajuda é um sinal de fraqueza da fé. No entanto o texto nos ensina que Paulo não viu neste ato de receber ajuda material qualquer demérito, mas uma forma de experimentar o suprimento de Deus em sua vida. Ele entendia que quando um irmão ajuda o outro a ajuda se transforma em uma oferenda a Deus, em um sacrifício espiritual (v.18).

Lembremo-nos de que o nosso Salvador aceitou ser sustentado por mãos humanas:

Marcos 15.40-41:

40- Estavam também ali algumas mulheres, observando de longe; entre elas, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o menor, e de José, e Salomé;

41- as quais, quando Jesus estava na Galiléia, o acompanhavam e serviam; e, além destas, muitas outras que haviam subido com ele para Jerusalém.

Ele nos deu o exemplo para seguirmos os seus passos.

2- Humildade para receber apoio espiritual (v. 10). Penso que este cuidado da igreja para com o Apóstolo era mais que material. Eles se associaram a Paulo em sua luta espiritual, em sua tribulação (v.14). Alguns crentes reclamam que não recebem apoio espiritual, outros entanto se acham tão orgulhosos que não buscam nenhum apoio em outros irmãos.

É interessante que o Senhor Jesus não teve receio em pedir a companhia de seus discípulos:

Mt. 26.38:

Então, lhes disse: A minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai comigo.

O próprio Apóstolo Paulo se sentia fortalecido com a presença de seus irmãos, mesmo sendo estes menos experientes do que Ele. Sobre Tito ele diz:

2 Corintios 7.6:

“Porém Deus, que conforta os abatidos, nos consolou com a chegada de Tito;”

O quanto deste poder de Deus repousa sobre nós? Será que estamos dispostos a permitir que o poder de Deus nos conduza para terrrenos de tanta humildade assim?

II- PODER PARA SE ALEGRAR EM TUDO

Paulo demonstra que mesmo tendo passado por tantas necessidades, ele se alegrava no Senhor pelo suprimento (v.10). Logo após ele nos ensina que Deus o fortalece de tal forma que ele pode experimentar qualquer circunstancia. Ele conhecia bem o que nos ensina Eclesiastes 3.1-8, mas especialmente os versos 4 e 5 que diz:

Eclesiastes 3. 4-5:

4- tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar de alegria; 5- tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar;

Houve tempo em que o poder de Deus se manifestou em glória na vida de Paulo quando ele repreendeu demônios, quando orou e enfermos eram curados, quando pregou e muitos se converteram. No entanto em outros momentos ele foi visto em fraqueza física e emocional. Mesmo assim ele experimentou a força do Senhor em sua vida:

2 Co 10. 8-10:

8- Porque, se eu me gloriar um pouco mais a respeito da nossa autoridade, a qual o Senhor nos conferiu para edificação e não para destruição vossa, não me envergonharei, 9- para que não pareça ser meu intuito intimidar-vos por meio de cartas. 10- As cartas, com efeito, dizem, são graves e fortes; mas a presença pessoal dele é fraca, e a palavra, desprezível.

Como este Apóstolo devemos nos alegrar mesmo quando for difícil e sermos fiéis mesmo quando as circunstancias forem desfavoráveis. Mesmo na fraqueza o poder de Deus nos alcança e nos aperfeiçoa.

Quando falarmos “tudo posso naquele que me fortalece, que estejamos dizendo: Em qualquer circunstância eu me sinto fortalecido. Como bem diz uma de nossas músicas:

Seja onde for eu louvo, cada vez mais eu louvo, pois o seu amor rodeia-me como ar…

Que Deus nos fortaleça de tal forma que se cumpra em nós as palavras de  Paulo:

Romanos 8.31-39:

31- Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32- Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? 33- Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. 34- Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. 35- Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? 36- Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro. 37- Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. 38- Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, 39- nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

III- PODER PARA SE CONTENTAR

Paulo recebe a ajuda da igreja de Filipos, agradece aos irmãos e se diz satisfeito (v. 18). Ele não pede mais nada, mas se diz contente com o que recebeu.

Tenho observado que especialmente em nosso contexto capitalista o contentamento tem desaparecido de nossas vidas. Parece que queremos sempre mais. Se temos um carro bom queremos um melhor. Se temos uma casa boa, queremos uma maior ainda; se temos um celular razoável, queremos o melhor que existe; se temos uma igreja boa, queremos uma ainda melhor. Dificilmente encontramos uma pessoa que diz como o Apóstolo Paulo: Estou suprido (v.18). Este mesmo Apóstolo nos orienta sobre a beleza do contentamento em outro texto:

1 Tm 6.6:

“De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento.”

O autor aos Hebreus reverbera esta palavra:

Hebreus 13.5:

“Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei.”

“A satisfação faz com que os pobres tornem-se ricos; a insatisfação faz com que os ricos tornem-se pobres (Benjamim Franklin).

“Aquele que está sempre satisfeito, embora tenha tão pouco, é muito mais feliz do que aquele que está sempre a cobiçar mesmo tendo tanto” (M. Henry).

Eugene Peterson fala sobre a falta de “contentamento pastoral’, fazendo alusão a pastores que nunca estão satisfeitos em suas igrejas e com suas igrejas, querendo sempre algo novo e deixando o rebanho intranqüilo.

Que Deus nos dê poder para conquistarmos mais, para trabalharmos mais, para buscarmos mais; mas também que Ele nos dê poder para dizer: Estou satisfeito; não preciso de mais nada.

Que ouçamos as palavras do nosso Senhor Jesus que os orienta a não ficarmos inquietos, ansiosos, preocupados com as coisas materiais.

Mt. 6.25-30:

25- Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? 26- Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves? 27- Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? {ao curso da sua vida; ou à estatura} 28- E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. 29- Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. 30- Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé?

Contentar é uma confiança de que Deus em Cristo suprirá cada uma de nossas necessidades (v.19). Observemos que Paulo fala em cada um, em uma por uma. Deus sabe do que precisamos por isso devemos ficar despreocupados e contentes.

CONCLUSÃO

Será que agora podemos ler este versículo com estes significados apresentados nos pontos anteriores? Será que ao dizer isto estou de fato dizendo a Deus que estou fortalecido e tudo posso nEle?

Nele eu posso ser humilde e receber ajuda material e espiritual dos irmãos?

Nele eu posso ser agradecido em toda e qualquer circunstancia?

Nele eu posso dizer que estou contente e satisfeito?

Que na próxima vez que usarmos este verso nos lembremos de suas implicações e do que ele de fato quer nos dizer.

Que Deus nos abençoe.

Luiz Nunes de Araujo

 

Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Print this pageTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

Comentários

comments

Contribua com sua opinião