Uma Igreja Unida com Forte Amor Fraternal

Neste sermão vamos aprender sobre uma igreja unida com forte amor fraternal.

Introdução

Que grande desafio é ter este objetivo para a nossa Igreja, uma vez que labutamos em um mundo de valores torcidos. O desafio é grande porque envolve muitos fatores que se não forem bem cuidados, produzirão desdobramentos que impedirão a unidade e a comunhão do corpo de Cristo.

A fim de se alcançar este objetivo, o crente fiel tem que lidar seriamente com 3 fatores de risco:

1 – A igreja e a falta de conhecimento pleno de Cristo.

Lidamos diariamente com pessoas na igreja que já foram alcançadas pela graça de Deus, mas que ainda não aplicaram a obra da redenção a todas as áreas da sua vida. A ausência de um conhecimento maior a respeito de Cristo e do chamado para o cristão resulta em carência de entendimento e falha de caráter. Ele não é um incrédulo. É crente! Mas ainda não conhece suficiente, não se santificou adequadamente, não se submeteu perfeitamente ao senhorio de Jesus. Por isso, suas ações e principalmente suas reações são danosas na vida de seus irmãos, e suas ideias e crenças são distorcidas da verdade.

2 – A nossa natureza pecaminosa.

Como filhos de Deus, desfrutamos de uma nova criação em Cristo (2 Co 5.17) e de um novo relacionamento com Deus. Todavia, não deixamos de ter nossa velha natureza. Caminhamos na fé, tendo que mortificar o velho homem e nos revestir do novo a cada dia. Somos chamados a negar o eu e tomar a cruz diariamente. Quando não o fazemos, a carne aflora e somos suscetíveis aos mais terríveis pecados. Condenamos todos eles, mas quando menos se espera, estamos fazendo aquilo que condenamos (Rm 7). Afinal, a nossa tendência natural é destruir a união e quebrar a comunhão. Precisamos ser, o tempo todo, lembrados de quem somos, para não agirmos conforme a nossa natureza humana tão falha. Precisamos vigiar e cuidar do coração para que ele não exponha aos outros as suas maldades.

3 – Influencia do presente século na igreja.

Não vivemos numa bolha neutra, habitamos num mundo caído, cujos valores e metas estão na contramão do que Cristo nos ensina. Mesmo sem perceber o crente carrega em sua bagagem cultural, elementos do contexto em que cresceu, e anti-valores que lhe foram passados que nunca foram questionados à luz das Escrituras.

Apenas de relance, pense em algumas tendências do nosso tempo: Secularismo que nos leva a pensar só no aqui e agora; Consumismo que nos obriga a comprar coisas que não precisamos para impressionar quem não conhecemos; Individualismo que só se preocupa com seus direitos e interesses próprios; Gana por ter e não por ser; Interesse no sucesso a qualquer custo; Cenário competitivo onde uns passam por cima dos outros; Tecnologias escravizantes que aproximam quem está longe e distanciam quem está perto; Relacionamentos superficiais e profissionais que almejam conseguir sempre algo em troca; etc. Tudo isso e muito mais está o tempo inteiro sendo semeado em nossas mentes pelas pessoas deste século, pela mídia, e até mesmo de alguns púlpitos corrompidos.

O reflexo natural disso tem sido amizades virtuais, relacionamentos superficiais, desinteresse pelo sofrimento humano, insubmissão as autoridades eclesiásticas, “portabilidade eclesiástica” (mudança de uma igreja para outra) tão logo minhas necessidades pessoais e egoístas não sejam mais atendidas a contento.

CONCLUSÃO

Precisamos nos esvaziar de tudo isso e enchermo-nos da Palavra de Cristo (Cl 3.16). Se desejamos Ser uma Igreja unida com forte comunhão fraternal, precisamos voltar ao caminho antigo (Jr 6.16), acolher a Palavra implantada em nós (Tg 1.21) desejar ardentemente o genuíno leite espiritual para crescermos em nosso conhecimento de Cristo e de sua obra, aplicando o evangelho (Rm 1.16) a todas as esferas da nossa vida.

A crença correta na Verdade bíblica produz união e a atenta consideração e abstinência dos fatores que nos ameaçam, atrelado ao diligente esforço por preservar a paz (Ef 4.3), resultam em uma forte comunhão fraternal. A igreja deixa de ter relacionamentos superficiais, e passa a desenvolver profícuos laços de amor Cristão. Atitudes de amor abnegado começam a fazer parte do cotidiano dos irmãos que passam a prestar Serviço em amor uns aos outros. Intrigas, ciúmes, porfias, contendas, mexericos, … se tornam menos frequentes e ações de socorro e misericórdia mais abundantes. Isso acontece não apenas externamente entre um e outro. Mas no coração que está pleno de Cristo e sua doutrina.

Uma Igreja unida com forte comunhão fraternal não é algo utópico. É um grande desafio, mas é possível de ser alcançado, já que foi por Cristo ordenado e pelo Seu Santo Espírito habilitado. Portanto, Vivamos sempre unidos com mais ardente amor, e que Deus abençoe nossa santa união.

Autor: Rev. Daniel Alves

Visite: http://www.ejesus.com.br

Comentários

comments

Sobre Antonio C. Barro

É professor da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina. Formado em teologia, com mestrado e doutorado pelo Fuller Theological Seminary, nos Estados Unidos. É o criador e editor do blog cristão: www.coisado.com.br

Contribua com sua opinião