Como o diabo trabalha

Conta-se a seguinte fábula, a respeito do perigo de adiar a decisão de aceitar Jesus. Um dia Satanás convocou os demônios para uma conferência, a fim de discutir planos para atrair milhares de pessoas ao inferno. Pediu a alguns deles sugestões sobre o problema espiritual do homem.
Um deles disse: “Deveríamos dizer a todos os homens que não há Deus, que Deus não existe.” Com isso todos os demônios concordaram, acenando as cabeças em sinal de consentimento.
Outro fez a sua sugestão: “Não seria melhor dizer a todos que há Deus, mas que Ele não os ama?” Os demônios bateram palmas em aprovação, concordando plenamente.
Um terceiro demônio declarou o que pensava sobre isso: “Vamos dizer aos homens que Deus existe e que Ele os ama, mas que não possibilidade para Ele fazer conhecido o seu amor para com eles.”
Este plano ganhou aplausos ainda mais vigorosos.
Depois de todos, Satanás ficou em pé, e disse: “Todas essas idéias são boas, mas eu tenho um plano que funcionará melhor: Vamos dizer as homens que há Deus e céu e inferno. Diremos que Deus os ama e fez conhecido o seu amor quando o seu Filho morreu no Calvário. Ainda mais, diremos a eles que pela fé em Cristo eles podem ser salvos do inferno e estar eternamente no céu. Mas, nessa altura, daremos ênfase à idéia de que não há pressa, que eles podem esperar outra oportunidade para aceitar a Cristo como Senhor e Salvador. Este meu plano deve ajudar a ganhar muitas pessoas para o inferno, deve atrapalhar muita gente que esteja pensando em fazer a decisão ao lado de Cristo.”
Esta, sem dúvida, é mera fábula. Mas é justamente assim que o diabo trabalha. Quão grande é o número de pessoas que rejeitam a Cristo com estas palavras: “Algum dia, agora não, mais tarde, farei minha decisão ao lado de Cristo!” Devemos buscar a Cristo “enquanto se pode achar” (Is. 55:6). “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações” (Hb. 3:7,8).

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião