Eu me viro sozinho! E você?

Você precisa dos outros? Você valoriza o auxílio do próximo? A auto-suficiência gera em todo ser humano um sentimento de onipotência que é falso e pode levá-lo a crer que não precisa de mais ninguém para fazer e acontecer. Nem mesmo de Deus.
Li certa vez a história de um menino de 3 anos que caminhava ao lado de seu pai. Ele carregava um cantil cheio de água mesmo contra a vontade do seu pai. Já cansado de tanto andar ele lutava para não entregar os pontos pois dissera ao pai que aquele cantil não iria fazê-lo cansar mais rápido e que ele o carregaria até o destino final. Depois de mais alguns metros de caminhada ele finalmente disse:
Papai, me dá colo por favor!
Então com um sorriso o pai colocou o menino nos ombros e o carregou até o destino. No exato momento em que o garoto foi colocado no chão ele exclamou:
Viu só papai, eu consegui carregar o cantil até aqui!
Talvez a sua primeira reação seja de sorrir ao perceber a ingenuidade daquele garoto. Mas não é exatamente assim que tantas vezes nós nos comportamos com relação ao nosso Pai Celestial? Na nossa auto-suficiência comportamo-nos como se controlássemos tudo nas nossas vidas. Você consegue viver sem que Deus o permita? Você seria capaz de pensar e sentir alguma emoção se Deus não lhe desse esta capacidade? Você decide quando nasce e quando morre? Você é capaz de decidir ter ou não um câncer? Fazemos planos mas a resposta final vem de Deus diz a Bíblia.
É claro que em sociedade organizada podemos nos precaver e planejar algumas coisas, mas que ironia pensarmos que carregamos o “cantil” durante toda a viagem sozinhos.
Eu convido você a elevar seus pensamentos a Deus e agradecer pela sua vida, pelas oportunidades e particularmente por Ele amar tanto a você que chegou a dar seu único Filho, Jesus Cristo, para que crendo nele você não precisasse carregar o “cantil da vida” sozinho. “Entreguem todas as suas preocupações a Deus, pois Ele cuida de vocês.”

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião