Guiados por cegos





Já ouvimos muito falar da senhora idosa, num canto da rua, confusa e hesitante na tentativa de fazer a travessia diante de um tráfego intenso.

Temerosa, ela não conseguia sair do lugar.

Finalmente apareceu um cavalheiro que, tocando-a, perguntou se poderia atravessar a rua com ela.

Alegre e muito agradecida, a senhora tomou seu braço e juntos partiram em direção ao lado oposto.

Foi então que ela começou a ficar mais apavorada ao ver que o cavalheiro ziguezagueava pelo meio da rua enquanto buzinas soavam e freios eram acionados com motoristas dizendo palavras ofensivas.

Quando finalmente chegaram ao outro lado, ela, furiosa, lhe disse:

– "Você quase nos matou. Você caminha como se fosse cego!"

– "Mas eu sou. Foi por isso que lhe perguntei se poderia atravessar junto com a senhora."

Em muitas ocasiões nos encontramos aflitos e temerosos diante de situações difíceis e, aparentemente, sem solução.

Ficamos fragilizados e hesitantes e, quando aparece alguém propondo uma saída, logo abraçamos a nova possibilidade sem o cuidado de verificar se estamos trilhando terra firme ou nos dirigindo a um precipício.

visite www.devocionais.com.br


Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião

 

Guiados por cegos

A senhora idosa estava confusa e hesitante num canto da rua, na tentativa de fazer a travessia diante de um tráfego intenso. Temerosa, ela não conseguia sair do lugar. Finalmente apareceu um cavalheiro que, tocando-a, perguntou se poderia atravessar a rua com ela. Alegre e muito agradecida, a senhora tomou seu braço e juntos partiram em direção ao lado oposto.


Foi então que ela começou a ficar mais apavorada ao ver que o cavalheiro ziguezagueava pelo meio da rua enquanto buzinas soavam e freios eram acionados com motoristas dizendo palavras ofensivas. Quando finalmente chegaram ao outro lado, ela, furiosa, lhe disse: “Você quase nos matou. Você caminha como se fosse cego!” “Mas eu sou. Foi por isso que lhe perguntei se poderia atravessar junto com a senhora.”

“Deixai-os; são guias cegos; ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão no barranco” (Mateus 15:14).

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião