Histórico da Mentira

O 1º de abril parece ter nascido em 1564, quando o rei Carlos IX da França ordenou que o calendário francës começasse no dia 1º de janeiro

. Até então, o ano dos franceses começava dia 1º de abril, data em que se festejava a Assunção da Virgem Maria. A mudança não agradou a população, que continuou a mandar presentes, felicitações e convites no dia l° de abril, como se ainda fosse o primeiro dia do ano. Com o tempo, porém, aceitou-se o lº de janeiro como o primeiro dia do ano. O 1º de abril passou, então, a ser o dia de enganar os bobos. Da França, a brincadeira espalhou-se pelo resto do mundo, transformando-se numa data “oficial” que, em alguns casos, é comemorada no mês de abril inteiro. Em 1983, por exemplo, a revista mensal inglesa New Scientist publicou, em sua edição de abril, uma curiosa reportagem sobre a fusão genética do boi com o tomate, “obtida” por cientistas que “batizaram” o invento como o boimate. Era uma brincadeira com os leitores, mas foi tão bem feita que a reportagem acabou sendo reproduzida em algumas das mais importantes publicações do mundo, naquilo que ficou conhecido como um dos maiores dias da mentira da história. A Ciência explica Para a Psicologia mentir é o falseamento da verdade, utilizada como mecanismo de defesa. Principalmente, na criança, sempre que ela se vê ameaçada de sofrer algum castigo, há o recurso da mentira, a fim de se proteger. Este ato seria uma maneira consciente de agir. Entretanto, há mentiras inconscientes, provocadas pela sugestão ou pela imaginação muito fértil e sem controle. O problema da mentira, não apenas na criança como também no adulto, tem preocupado vários especialistas do comportamento humano – psicólogos, psicanalistas, psiquiatras, criminologistas, sociólogos, etc. – cada qual fazendo suas pesquisas no seu campo de trabalho, demonstrando, todos, o quanto a verdade é relativa

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião