Influência paterna

Até a criança se dá a conhecer pelas suas ações, se o que faz é puro e reto. Prov. 20:11.
Uma das mais lembradas máximas de Jesus é: “Pelos seus frutos os conhecereis.” S. Mat. 7:20. Estamos acostumados a julgar os adultos por essa regra, mas o que dizer das crianças e, acima de tudo, o que pode o bom exemplo delas ensinar aos adultos?
Com a idade impressionantemente precoce de 4 anos, Nicolaus Ludwig, Conde de Zinzendorf (1700-1760), reformador social e religioso da Morávia, converteu-se a Cristo. Embora seu pai tenha morrido enquanto Nicolaus ainda era bebê, sua mãe lhe contou acerca da devoção que ele nutria por Cristo. Suas agradáveis conversas causaram profunda impressão na jovem mente. Um pouco mais tarde, as palavras de um hino também exerceram influência profunda sobre a vida dele (“Tu és nosso Pai querido, pois Jesus é nosso Irmão”).
“Aquelas palavras”, diz o biógrafo citando Zinzendorf, “me impressionaram muito quando eu tinha quatro e cinco anos de idade; pensei que, de acordo com elas, todos nós tínhamos o direito de falar com o Salvador como com um irmão.” A biografia dele também relata como, durante a infância, ele escrevia cartas para Jesus e as soltava, adejando, pela janela do segundo piso de sua casa, com plena certeza de que seu Salvador as receberia e leria. E quem pode dizer que aquelas cartas, ou pelo menos o seu conteúdo, não chegaram ao Destinatário e foram lidas? (Ver S. Mat. 18:10 e II Reis 19:14.)
Com apenas 22 anos de idade, Zinzendorf abriu sua propriedade na Saxônia para os perseguidos irmãos da Morávia e ajudou-os a fundar a Colônia Herrenhut naquelas terras. Posteriormente, uniu-se a eles na sua crença. Em 1736, recebeu a ordem de sair da Saxônia por causa de suas atividades religiosas. Dali em diante, por muitos anos, andou viajando e disseminando as crenças da Igreja da Morávia. Seus postulados teológicos exerceram uma influência benéfica e marcante sobre o protestantismo do século dezenove – e quase tudo se originou com a educação recebida na tenra infância.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião