Um homem santo

Uma mulher, de reputação duvidosa, dá à luz um filho. Toda a aldeia fica indignada com o facto dela não ser casada e exige saber quem é o pai da criança. A mulher, mentindo, afirma ter sido violada por um monge que vivia isolado na montanha. Quando a criança fez um ano o chefe da aldeia pega nela e vai até a casa do monge.
Toma, foste tu que o concebeste, portanto deves ser tu a cuidar dele. O monge olha para a criança com um sorriso e diz apenas:
Muito bem. O aldeão, embora admirado pelo monge não ter contestado a acusação, continua:
Tens de o alimentar e tratar e os teus deveres para com ela estão acima dos deveres religiosos, percebes-te?
Muito bem, foi a sua resposta.
Os anos passaram e o monge zelou pela criança como se fosse seu filho. A mãe, porem, tinha cada vez mais saudades do filho. Não aguentando mais, acabou por confessar que o monge não era o pai da criança e que ela nunca fora violada. A culpa era só sua. Então o chefe aldeão foi novamente com a mulher a casa do monge.
Desculpai-me, mas esta mulher mentiu-me e eu obriguei-te a uma coisa que não era tua obrigação. Agora a mulher queria a criança de volta, mas não sei se a queres entregar, pois tens sido como um pai para ela. O monge pega na mão da criança e entrega-a à mãe com um sorriso, dizendo apenas:
Muito bem.

 

Eis aqui um homem santo, concluiu o mestre.

 

 

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião