Quando Deus é mais que um conceito

Nesta oração, Paulo quer que os efésios (e nós) apreendam tudo o que têm em Cristo e vivam o que aprenderam e pelo que aprenderam. No v. 16 Paulo ora para que o homem interior (coração) conheça o poder de Deus (dunamis) e tenha força espiritual. É incrível como alguns cristãos tratam a pessoa interior de forma tão descuidada, e a exterior com tanto cuidado (academias lotadas).

Ler: Efésios 3.13-21

Paulo faz um pedido básico a Deus: PODER (dunamis), ou seja, que Deus conceda seu infinito estoque de poder. Em At 1.8 isso foi uma realidade para os crentes no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo foi derramado sobre eles e ficaram plenos (cheios – saturados) de Deus, de “dunamis” para testemunharem e enfrentarem todas as oposições. O pedido de Paulo é para que sejamos fortalecidos interiormente com o poder (dominados pela força de Deus para que possamos dominar no seu dunamis), uma força dinâmica, como a dinamite, que rompe barreiras que parecem inquebráveis, força que abre o coração dos ouvintes. Dificilmente a dinamite teria medo das rochas e montanhas que tem que ser explodidas. A dinamite não tem medo porque tem uma força maior do que qualquer barreira que tenha de enfrentar. O Espírito Santo nos capacita, à partir do nosso interior, por meio da Palavra de Deus (1 Ts 2.13 e Cl 3.16) e da oração (v.20-21).

Os Apóstolos e os cristãos primitivos se entregavam “à oração e ao ministério da Palavra” (At 6.4), e Deus operava de forma poderosa neles e através deles. Paulo orou pelo fortalecimento espiritual dos crentes de Éfeso, para que Deus fosse mais que um conceito, uma ideia. · Do que precisamos para conhecê-lo e experimentar sua plenitude? · O que devemos esperar de uma vida “fortalecida com o poder de Deus”? · O que acontece quando Deus se torna mais que um conceito para nós?

  1. CRISTO TOMA CONTA DA CASA (v.17)

Paulo quer que Cristo “HABITE” (sinta-se em casa) no coração dos que creem. Cristo habita no coração de todo crente; mas nem todo crente é uma habitação confortável para Ele. Jesus amava ir para Betânia, porque seus amigos o amavam, se alimentavam com a Palavra dele e lhe serviam (Lázaro, Marta e Maria).

Quando Cristo veio à terra falar com Abraão, enviou anjos à frente para visitar Ló (Gn 19), porque não se sentia à vontade na casa de um crente mundano. Habitar aqui dignifica tomar conta de toda a casa, tendo autorização completa para fazer limpeza nas dispensas, mudar a mobília como quiser, jogar fora o que achar eu deve ser jogado.

Afinal, Ele é o dono da casa. A oração de Paulo trata de uma transformação de valores e de amores, trazendo um sofrimento que não é desastre, mas alegria. Jesus toma conta da casa e isso traz novos valores, amores, alegrias. · Ele se sente em casa no nosso coração? · Ele tem nossa autorização para limpar, mudar as coisas de lugar e jogar fora o que tem que ser jogado?

2. CRISTO ARRAIGA E ALICERÇA EM AMOR (v.17b)

Cristo se sente em casa no nosso coração quando encontra fé e amor nele (fruto do Espírito, resultado do dunamis). A palavra “arraigado” sugere um estado de prontidão, atos de fé e amor, como a árvore enraizada no solo.

Muitos cristãos querem o fruto do Espírito, porém não se enraízam nas coisas espirituais. Se estamos enraizados Jesus, vamos produzir os frutos Dele! Se Cristo espalhou seu amor em nossa “casa”, há um fruto a produzir e a semente é o amor que Cristo espalha em toda a casa.

O fruto a ser produzido são ações de amor, são as boas obras que surgem de sermos criados por Deus na nova criação, praticando as boas obras que Ele nos preparou para realizar antes da fundação do mundo (Ef 2.10). “Alicerçados” é a base que dá permanência a este resultado, estabilidade e continuidade, lembrando a casa construída sobre a rocha (Mt 7.27).

Nossas raízes estão profundas no amor de Cristo? · Nossos alicerces estão sobre ele para ficarmos realmente firmes?

3. CRISTO ENSINA A VIVER EM SEU AMOR (v.18)

Por “compreender”, Paulo quer das a ideia de “apreender – segurar”, ou seja, que tão compreensão vire uma realidade vivida. A geração Alfa (à partir de 2010) é assim, aprendem fazendo. Paulo Já havia orado para que compreendessem as bênçãos de Deus, agora ele pede que possam “pôr as mãos” nelas e agarrá-las para eles mesmos.

SiGAMOS AS PROMESSAS DE DEUS PELA FÉ, porque é um presente de Deus! Se tentarmos merecê-lo, Ele escapa de nós. Paulo quer que eles agarrem o amor incondicional e imensurável de Cristo, um amor que enche todas as coisas e preenche toda a vida em todo tempo. Paulo quer que eles provêm, que sejam capazes de participar desse amor insondável e incompreensível, mas oferecido graciosamente.

O símbolo desse é a Cruz. Amor prático, factual, doação, solidário. Disponível!

4. CRISTO NOS PREENCHE SOMOS PREENCHIDOS COM A PLENITUDE DE DEUS (v.19)

“Sejam cheios de toda a plenitude de Deus”. Esse é o propósito máximo de Deus para a nossa vida: que o glorifiquemos por estarmos “preenchidos” com Ele, assim como Cristo. Esse é o alvo da oração de Paulo.

A ideia de enchimento diz respeito ao controle de Deus em todos os sentidos, de dentro para fora, a partir do coração, o povo de Deus seja mobilizado, demonstrado o controle Dele sobre a Sua Igreja de forma tão profunda, intensa e completa que o mundo veja que é Deus operando e agindo e que sejamos assunto das conversas do céu (Ef 3.10). Cheios da plenitude de Deus, saturados da sua presença, controlados por Deus, no dunamis do Espírito Santo PARA… (Lc 4.1, 14-20) · Quem está no controle da sua vida? · Do que sua vida (coração) está cheia? (Preste atenção nas suas palavras… a boca fala do que está cheio o coração…)

CONCLUSÃO

Quando somos fortalecidos interiormente pelo dunamis, Deus passa a ser mais que um conceito e se torna real. SOMOS LEVADOS A INTIMIDADE COM DEUS, uma vida de UNIÃO COM ELE. Cristo “toma conta” da casa, somos enraizados e edificados no amor de Cristo, apreendemos e vivemos esse amor e somos preenchidos com a plenitude de Deus.

É um processo contínuo de vida. Os v.20-21 finalizam essa oração com uma adoração, com uma bênção emocionante:

DEUS OPERA EM NÓS! Deus opera por meio de nós! Deus é glorificado em nos! Nossa salvação é maravilhosa! Paulo está dizendo: “Pensam que estou pedindo muito?”. Deus é poderoso para muito mais do que acabamos de pedir. Nossas mentes são limitadas! Ele pode! Nada é impossível para Deus! Esse poder opera em nós à medida que abrimos nosso coração para Cristo, que cultivamos comunhão permanente com Ele, que o buscamos, que oramos e nos submetemos à Sua Palavra. E você? Quer desse poder (dunamis) interior?

Autor: Rev. Cesar Junker

Quinta IPI de Londrina

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião