A Igreja e Os Pobres

Propósito:
Conscientizar os cristãos sobre os princípios bíblicos com respeito aos que passam fome e não conseguem meios para a sobrevivência.

Introdução:
Hoje nós vamos trilhar a contramão do protestantismo atual.
O protestantismo atual está a caça dos ricos e influentes da sociedades pois quanto mais ricos e influentes dentro da igreja, mas importante é aquela igreja. Algumas igrejas se auto proclamaram como as igrejas das elites.
A teologia criada para sustentar esta aberração cristã é chamada de Teologia da Prosperidade.
• Ser pobre é uma vergonha
• Ser pobre é ser maldito
• Ser pobre é um castigo divino
• Ser pobre é estar debaixo de um pecado

Transição:
Aproximadamente no ano de 45 a 47 com o Imperador Cláudio havia fome na Judéia que foi uma das piores em todo o Império Romano. Fome ocasionada por diversas colheitas frustradas e também pela perseguição aos cristãos quando perderam seus bens e propriedades.
Falar em ofertar, contribuir em nossos dias é uma tarefa quase impossível. Todavia, é dever nosso pelo menos ouvir o que Bíblia nos ensina sobre este tema. Conheçamos as características de uma igreja que ajudou a suprir a necessidade dos outros:

I. UMA IGREJA QUE CONHECE OS PRINCÍPIOS BÍBLICOS (1-5)
1. Conhece os princípios bíblicos sobre as necessidades dos outros
2. Conhece quando é o momento de ajudar e está sempre pronta.
A. Prontidão: sabe o momento exato e não se esconde (boa vontade).
B. Serve de inspiração para as demais igrejas. O exemplo fala mais alto do que as palavras.
3. Conhece o quanto tem que zelar com respeito ao amor e a misericórdia.

II. UMA IGREJA QUE CONHECE A LEI DA SEMEADURA (6-7)
1. Quem semeia pouco – pouco ceifará
2. Quem semeia muito – muito ceifará
3. William Shakespeare: “A qualidade da misericórdia não é forçada, Goteja como a chuva suave dos céus, Sobre o lugar mais abaixo; é duplamente bendita; Abençoa quem dá e também quem recebe”.
4. Conhece a maneira cristã de contribuir:
A. Segundo propôs no coração
B. Sem tristeza ou dor.
C. Sem constrangimento
D. Com muita alegria

III. UMA IGREJA QUE CONHECE O SEU SENHOR (8-11)
1. Deus é poderoso para abundar em nós a sua graça e suprir todas as nossas necessidades.
A. Deus é dunatei. Dínamo.
B. Para ir bem em todas as coisas.
2. Deus sustenta quem procede com liberalidade e amor (Salmo 112.9)
3. Deus aumentará os nossos recursos
A. Ele dá a semente
B. Ele é a fonte da nossa riqueza
4. Deus nos enriquecerá para sermos mais generosos ainda
A. Ilustração do armador americano

IV. UMA IGREJA QUE CONHECE A MOTIVAÇÃO EM DAR (11b-14)
1. Deus seja agraciado com louvores por esta atitude.
A. Este serviço supre as necessidades (preenche, adiciona)
B. Este serviço redunda em honras a Deus
C. Este serviço glorifica a Deus
D. Este serviço promove mais orações entre os cristãos
2. “Bom é render graças ao Senhor, e cantar louvores ao teu nome ó Altíssimo, anunciar de manhã a tua misericórdia, e, durante as noites a tua fidelidade” (Salmo 92.1-2).

V. UMA IGREJA QUE RECONHECE OS DONS QUE RECEBEU DE DEUS (15)
1. Rende graças a Deus pelos dons inefáveis.
2. A salvação em Cristo é o dom mais precioso que alguém pode receber de Deus e é grande incentivador para todo e qualquer sacrifício.

Conclusão:
A pior coisa do mundo não é ser pobre. A pior coisa do mundo é ter recursos e fechar os olhos para as necessidades dos menos favorecidos. Não existe nada pior do que um coração ingrato. Deus prefere mil vezes um pobre do que um ingrato.
Muitos com recursos vieram de situações adversas. Lutaram para conseguir o tem. As vezes são os mais ingratos. Racionalizam: “Se eu consegui, porque outros não conseguem?”
Existem somente dois lugares para guardar bens: na terra e no céu.
Onde estamos guardando os nossos tesouros?

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião