Crescimento sadio da Igreja

Introdução.

O tema que Deus colocou no meu coração para vos ministrar é exatamente este: O crescimento da Igreja; pois imagino que crescimento de Igreja é o alvo de todo Pastor, obreiros e dirigentes de congregações bem como o de todo cristão sincero; isto é, daquele que realmente está comprometido com o cristianismo autêntico. Olhando o cronograma teológico veremos que Deus projetou o crescimento da Igreja; manifestou-se para que houvesse o crescimento; usou cativeiros visando o crescimento; se encarnou objetivando o crescimento; humilhou-se até a morte de cruz para que crescêssemos; desceu até as partes mais baixas da terra sinalizando o crescimento; ressuscitou mostrando o caminho do verdadeiro crescimento; edificou sua igreja para o crescimento; deu ministros a Igreja tendo em vista o crescimento; enviou o batismo com Espírito Santo para o crescimento da Igreja; enviou seus discípulos ao mundo inteiro para houvesse crescimento; nos chamou e nos inseriu no seu projeto de crescimento.

II Características e semelhanças da Igreja de Colossos. (Cl 1.2).

1. O tema da epístola aos Colossenses é conhecido como a supremacia de Cristo. É conhecida também como carta da prisão, juntamente com outras.

2. Observamos uma semelhança com a epístola aos Efésios, pois Efésios enfatiza o corpo de Cristo enquanto que aos Colossenses delineia Cristo com cabeça da Igreja.

3. Epafras, certamente o pastor desta Igreja (Colossos), relatou sobre o progresso da Igreja, mas também lamentou o fato de uma terrível heresia dentro da Igreja: O gnosticismo. Uma heresia caracterizada por uma mistura de espiritismo e ritualismo. Comprometia a fé genuína no Cristo ressurreto.

4. Essa mistura existente na Igreja levou os crentes ao questionamento sobre a “divindade de Cristo”; uma doutrina fundamental da fé cristã.

5. A preocupação paulina era profética. Verificamos que algumas igrejas ou movimentos estão vivendo um verdadeiro inchaço evangélico pelo fato de estarem “crescendo” com membros de outras igrejas, ou se acomodando com o curso deste mundo. (Ef 2.2).

III O crescimento que Deus não se agrada.

1. Sinalizações históricas:

a) Na ascensão do Imperador Constantino. Antes da suposta conversão de Constantino, ser cristão era estar disposto a dar a vida pelo Evangelho. Depois desta “conversão” de Constantino era moda pertencer à religião do imperador. Houve um crescimento de pessoas descomprometidas com o evangelho genuíno. Aos olhos humanos a Igreja cresceu, mas espiritualmente decresceu.

b) Houve acomodação doutrinária. O império inteiro era cristão, mas com poucos cristãos verdadeiros. A Bíblia foi deixada e deram mais valor as tradições, tratados e concílios. Veio então o que conhecemos como “idade das trevas”. Para mais informações sobre o assunto leia o livro “A era das Trevas” de Justus Gonzalez, Ed.Vida Nova.

2. A visão profética do Apóstolo Paulo. (Col 1.9; 2.1,2).

a) Não almejava apenas crescimento numérico. Esse tipo de crescimento seria rápido, se a Igreja se adaptasse com o sistema herético do gnosticismo da época. Nossa situação hodierna não é diferente. Se a Igreja se adaptar ao “curso deste mundo”, certamente crescerá velozmente; mas acredito que esse não é o crescimento que Deus queira para sua Igreja.

2.1 Enviou a mesma carta à Igreja de Laodicéia. (Col 2.1). Uma das sete Igrejas da Ásia que também recebeu carta de Jesus. Para esta Igreja (Ap 3.14-22), Jesus se apresenta como:

· O Amém;

· Testemunha fiel e verdadeira,

· O princípio da criação.

a) Profeticamente a Igreja de Laodicéia representa a era da apostasia: formalismo;mornidão, ascensão do anticristo; falta de compromisso, conformismo etc.

b) Jesus dá cinco conselhos a esta Igreja:

1o Comprar ouro provado no fogo

2o Comprar vestes brancas;

3o Comprar colírio: Ungir os olhos com colírio. (Sl 119.105).

4o Sê zeloso e arrepende-te.

5o Abra a porta: “Eis que estou a porta e bato.(v.20)

2.2 Para que haja um crescimento sadio, os conselhos são os mesmos: Ouro, vestes brancas, colírio, zelo, compromisso.

2.3 Cabe aqui ilustrar como se abre a porta do coração, na história do Quadro:

“Um homem havia pintado um lindo quadro. No dia de apresentá-lo ao público, convidou todo mundo para vê-lo. Compareceram as autoridades do local, fotógrafos, jornalistas, e muita gente, pois o pintor era muito famoso e um grande artista.Chegado o momento, tirou-se o pano que velava o quadro. Houve caloroso aplauso.

Era uma impressionante figura de Jesus batendo suavemente à porta de uma casa. O Cristo parecia vivo. Com o ouvido junto à porta, Ele parecia querer ouvir se lá dentro alguém respondia.

Houve discursos e elogios. Todos admiravam aquela obra de arte. Um observador curioso, porém achou uma falha no quadro:

A porta não tinha fechadura. E foi perguntar ao artista: – Sua porta não tem fechadura! Como se fará para abri-la? É assim mesmo – respondeu o pintor Esta é a porta do coração humano.

Só se abre do lado de dentro”.

Abra Seu Coração!

IV O combate Paulino pelo crescimento da Igreja.(Cl 2.1)

1. Agona. Paulo usa a expressão “Agona”. De acordo com alguns comentaristas, era também uma expressão para indicar o martírio ou a vida dos mártires que se ocupavam no conflito contra as forças do mal. No segundo século, essa palavra tinha esse sentido.

2. Paulo combate para que venha um crescimento de “conforto aos corações”. (Cl 2.2).

a) “Parakaleo” traduzido por “consolar, encorajar”. Essa é a mesma raiz para Espírito Santo ou o “Consolador”. Esse combate é acompanhado por um intenso desejo para que a Igreja conforte seus corações também com a presença constante do Espírito Santo.

b) Há um desejo intenso para que cessem as contendas produzidas pelas heresias.(Cl 2.8). Os grupos discordantes dentro da Igreja; os questionadores da boa doutrina.

c) O objetivo do esforço de Paulo é que aquelas almas fossem aprimoradas no tocante à obra remidora e santificadora de Cristo. O conforto descrito refere-se a um coração aberto para as verdades de Cristo. Ele é o comandante.

3.Há um combate para que haja crescimento na União e amor.(2.2).

a) A palavra união no grego é: “Symbibadzo”, (reunir, unificar). Palavra usada em relação a juntas e ligaduras, cuja função é a de unir os vários elementos do corpo.

b) Laços de união. O amor cristão é pintado como um “laço de união”, que une o crente ao outro mediante ao amor fraternal.Obs. Em Col 3.14, o amor é chamado de “vínculo da perfeição”. Há, portanto uma pregação para que a Igreja cresça no amor e na União. Urge, pois a necessidade de uma restauração de amor em muitos corações. (Ler 1 Co 13; Gl 5.22…).

4. Há um combate para que haja enriquecimento no conhecimento. (2.2)

a) Crescimento espiritual;

b) Crescimento cristológico;

c) Lembramos aqui, o crescimento que vem pelo conhecimento. Não se adquire conhecimento por adivinhação, por comodismo etc. O que leva um crente abandonar a Igreja ou trocar por uma seita ou movimentos contraditórios hodiernos? Certamente, a ausência de conhecimento.

5. Há um combate para que haja crescimento nas convicções.(2.2).Paulo usa a palavra grega: “Plerophoria”, que pode ser traduzida como “plena certeza, pleno entendimento” etc. Acrescentamos: “Plena certeza de fé”, que culmina em “riquezas da graça” conf. Ef 1.3.

6. Há um combate para que haja crescimento no conhecimento do Mistério de Deus: Cristo. (2.2) A palavra mistério significa algo oculto, escondido. Cabe relembrar as palavras de Soren Kierkgaard: “A grande negação do Cristianismo é a cristandade, que se dedicou a tornar fácil a difícil tarefa de ser cristão”. (Cl 3.3). Conhecer os mistérios de Deus implica principalmente em “renúncia”, virtude que eleva o conhecimento do mistério de Deus, Cristo. Jesus disse aos seus discípulos: “… A vós é dado conhecer os mistérios os mistérios do Reino dos céus…” (Mt 13.11). Leia ainda: (Mc 4.11; 1 Co 2.7; 1 Co 4.1; 1 Co 15.51; Ef 1.9; Cl 1.26; 1 Tm 3.9; 1 Tm 3.16). Há um desejo, um combate para que tenhamos uma revelação perfeita do Cristo Ressurreto. (Cl 3.1).

6.1 Um Conhecimento Pleno de Cristo é ter a presença do fogo, da graça, da sabedoria, da unção, do discernimento e de frutos que somados a outras virtudes resulta no CRESCIMENTO QUE DEUS SE AGRADA..

Portanto cresçamos em:

· Consolação, encorajamento;

· União

· Amor

· Conhecimento do Mistério de Deus;

· Fé

· Convicção

E tenhamos uma perfeita revelação do Cristo Vivo.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião