Cristo a nossa Paz

INTRODUÇÃO:

1. Começo do evangelho. No meio dos judeus, com membros judeus, cultura judaica. Alguns achavam até que o cristianismo fosse uma continuação do judaísmo.

2. Contudo Jesus, advertiu quanto a inutilidade de se aplicar remendo novo em vestido velho, Mt.9.16-17. O evangelho não teria limites geográficos: “Toda criatura”, “Todas nações”, “Até os confins da terra”.

“VAMOS VER NESTA NOITE ALGUNS PONTOS SOBRE CRISTO É A NOSSA PAZ”:

I – ELE UNE GENTIOS E JUDEUS

1. Ef 2.14. O sacrifício de Cristo na cruz desfez a separação entre os povos. Todos são irmãos entre aqueles, que confiam no seu sangue para remissão de pecados.

2. Antes de Cristo os gentios, estava separados da comunidade de Israel e estranhos ao Pacto da Promessa, Ef 2.11-12.

3. Pelo sangue de Cristo, eles haviam chegado perto, Ef 2.13.

4. Agora, podiam “ser um com os judeus”.

II – ELE RECONCILIA JUDEUS E GENTIOS COM DEUS

1. Ef 2.16, 18.

2. Tanto judeus como gentios, tem que seguir a justiça de Deus e não a lei.

III – ELE PROCLAMA A PAZ

1. Ef 2.17.

2. Isaías anunciou Jesus como “Príncipe da Paz”, Is 9.6.

3. Comunicação dos anjos aos pastores afirmava que Jesus trazia paz à terra, Lc 2.14.

IV – ELE É A PEDRA DE ESQUINA NA FAMÍLIA DE DEUS

1. Ef 2.20. A família de Deus, é comparada a um edifício construído com várias pedras, que somos nós. Cristo é a principal pedra.

2. O Templo em Jerusalém era um tipo da Igreja de Cristo.

V – ELE NOS REVESTE DE SUA JUSTIÇA

1. Gl 3.27. As bênçãos espirituais prometidas através de Abraão, são nos comunicadas pela fé, e não pela lei, Gl 3.9-11.

2. O objetivo da lei, era conduzir o povo de Deus a esse pacto, por meio do qual todos encontram a salvação, Gl 3.24.

VI – ELE NOS TORNA HERDEIROS DA PROMESSA

1. Gl 3.29. Se somos de Cristo, somo descendentes de Abraão e consequentemente temos as promessas a Ele feitas.

CONCLUSÃO

1. Em cristo, não há distinção.

2. Por Ele, você alcança a salvação e torna-se herdeiro de suas promessas.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião