Um Deus paciente

1. Seu Potencial de Vida Não está em Suas Mãos

V. 6 Ó Israel, não poderei eu fazer contigo o que este oleiro fez com o pote de barro? Na verdade, tal como o barro nas mãos do oleiro, assim és tu nas minhas mãos!
Isaías 64:8 “Contudo, ó Senhor, és o nosso Pai. Somos o barro e tu és o oleiro. Somos todos criados pelas tuas mãos”.

O Oleiro não é uma Força Impessoal, mas um Paciente Pai
O Oleiro possui o Poder para Moldar o barro
O Oleiro tem um Perfeito Plano para o Barro Cumprir.

2. Seu Potencial de Vida não é Diminuído por Seus Enganos, Fracassos, Falhas ou Imperfeições.

18:4 Mas aconteceu que o jarro que estava formando não saiu como ele queria e tornou a amassar aquele barro, recomeçando o trabalho.

Quando o barro não pode cumprir seu propósito planejado, o Oleiro recomeça para moldar isto para um propósito novo simplesmente.

Nossos pais nos disciplinaram para um pequeno tempo como pensaram melhor eles; mas DEUS NOS DISCIPLINA PARA NOSSO BEM, para que nós possamos compartilhar na santidade dele. (Hebreus)

3. Você não pode pessoalmente determinar o seu destino, mas você pode dramaticamente determinar a sua direção.

Deus nos deu a capacidade de arrepender – mudar de atitude, mudar de rumo.
Recomeçar um privilégio que Deus nos confere e ele está neste processo.

4. Sua Responsabilidade para ouvir a voz de Deus está Intimamente ligado ao Desígnio de Deus para Sua Vida.

Uma desobediência persistente pode conduzir a um ponto de nenhum retorno.
Mas eles responderam: “Não percas o teu tempo. Não estamos minimamente interessados em fazer o que Deus diz. Havemos de continuar a viver como nos apetece, livres de restrições, cheios de rebeldia e de maldade!”

Obediência genuína envolve ouvir e obedecer a voz de Deus.

CONCLUSÃO
MINHAS OVELHAS ESCUTAM MINHA VOZ; EU AS CONHEÇO, E ELAS ME SEGUEM. Eu lhes dou vida eterna, e elas não pereçam; ninguém pode as arrebatar de minha mão.” (João 10:26-28)

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião