A consolação de Deus

O sofrimento não faz acepção de pessoas. E parece que ele ataca com mais freqüência os bem-sucedidos ou quando tudo vai bem conosco.

O apostolo Paulo passou por grandes tribulações e angústias. Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida (2Co 1.8). Ele passou por tribulações acima das suas forças que pensou que iria morrer. Paulo, porém, tinha uma visão confortadora dos sofrimentos que passava. Ele nos ensina a encontrar ânimo em Deus, no meio da tribulação.

1. Lembre-se que Deus é o seu Pai.
Paulo diz: Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de toda consolação! (2Co 1.3). Somos filhos de Deus e recebemos o seu cuidado especial. Deus também é Pai de Jesus e Pai de misericórdias (Sl 51.1; Lm 3.22. Para o judeu, a expressão pai significa “aquele que dá a origem” (Gn 4.21). Deus é a origem da nossa vida e de toda misericórdia que necessitamos. Dele recebemos conforto e consolação paternal. Quando passamos por tribulação deixemos de olhar para o problema e olhemos para Deus (Sl 121.1,2).

2. Creia no que Deus faz em você através das tribulações
Paulo enfrentando os seus sofrimentos possuía algumas certezas:

• Deus controla e permite as tribulações. Quando Deus coloca seus filhos no forno da provação, Ele é quem controla o termostato ou o termômetro. O tamanho do sofrimento nunca é maior que o seu conforto: Porque, assim como os sofrimentos de Cristo se manifestam em grande medida a nosso favor, assim também a nossa consolação transborda por meio de Cristo (2Co 1.5). Deus é o Deus de toda consolação. Quanto mais sofremos, mais Deus nos conforta. Jamais pensemos que as dificuldades na vida do crente são acidentais. Deus está no controle. Tudo o que acontece ao cristão é por vontade de Deus.

• Deus nos livra das tribulações. Quando somos atribulados e a nossa força acaba, precisamos de um milagre. Paulo diz: o qual nos livrou e livrará de tão grande morte; em quem temos esperado que ainda continuará a livrar-nos (2Co 1.10). O verbo livrar é usado por Paulo, na voz passiva e em três tempos: passado, presente e futuro. O que significa isto? Deus livrou, livra e livrará o crente de todas as suas tribulações. Deus está conosco no passado, presente e futuro.

• Deus faz de você um consolador. Paulo diz: É ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus (2Co 1.4). Somos atribulados e consolados por Deus para podermos consolar aqueles que serão atribulados. Quanto mais Deus nos conforta, mais podemos confortar os outros.

• Deus é glorificado por meio de nossas tribulações. Quando Paulo contou o livramento que recebeu do Senhor, um grande coro de louvor e gratidão elevou-se a Deus. Ajudando-nos também vós, com as vossas orações a nosso favor, para que, por muitos, sejam dadas graças a nosso respeito, pelo benefício que nos foi concedido por meio de muitos (2Co 1.11). Tudo que acontece ao crente deve promover a glória de Deus.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião