Aprendendo viver acima das crises

A situação de Habacuque é semelhante a de Jó a tentativa de responder uma questão: Porque existe o mal? ou a questão do problema do mal.- O problema da aflição duma nação.- Habacuque é semelhante a nós, ele questiona, fica intrigado com Deus e desafia a Deus a dar uma reposta diante da situação em que se encontra – Aprendendo viver acima das crises.

O profeta sentia-se perturbado porque Judá estava desprezando as leis de Deus e praticando iniquidade, o profeta questiona Deus, por que Ele permite isso? Deus responde dizendo que Ele irá usar os caldeus como vara de correção do povo de Deus? Novo problema para o profeta, agora é, por que Deus vai permitir que um povo pagão e ímpio ataque o seu próprio povo, sendo um povo escolhido? O profeta se retira para esperar a ação e resposta de Deus.

AT-APRENDENDO VIVER ACIMA DAS CRISES. Habacuque nos ensina alguns elementos a serem considerados para este aprendizagem.

Aprender ouvir do Senhor vers.1-2

Diante dos fatos que estavam acontecendo com a sua nação especificamente com o povo de Deus- o servo de Deus parou de queixar-se e de questionar e passou a ouvir a respeito de Deus. A aparente apatia de Deus, descaso do Senhor não tinha fundamento

(Cf. Hb:4:2) o que o profeta precisava era ouvir a palavra com fé.

A fama

A obra

Temor

Pedido de manifestação

Conhecer a pessoa de Deus vers.3-7

Agora Habacuque num estilo altamente poético começa a descrever a pessoa de Deus. É uma figura pictórica, é uma pintura onde o artista expressa toda a sua inspiração e paixão pelo objeto a ser descrito – neste caso Deus-. Habacuque descreve Deus, levantando-se e saindo do templo para exercer a disciplina.

Ele apresenta a majestade de Deus vers.3-4

O domínio de Deus sobre a natureza vers vers. 4

A sua ação de juízo vers.5

A sua ação avaliadora vers.6

Veja a descrição apavorante para o povo que vai receber a disciplina. Habacuque lembra dos eventos do passado para extrair um imagem de Deus que responda aos questionamentos do momento. O profeta lembra de dois lugares geográficos para trazer a lembrança de que Deus não está ausente. Esta região lembra o povo do Sinai onde Deus se manifestou.

O profeta nos faz lembrar que nos não acreditamos em coisas mas em alguém.

Lembrar da defesa de Deus 8-15

Agora o profeta reconhece que Deus não é o Deus passivo que ele pensava que fosse. Em forma poética Habacuque descreve a ação libertadora de Deus. O texto começa com uma pergunta retórica. Quando Deus dividiu o Mar Vermelho ou o rio Jordão não era contra as águas que Ele estava irado O profeta-filosofo descreve Deus poeticamente

vers. 9 mostra o guerreiro em posição de combate. Segundo os estudiosos da língua hebraico aqui temos uma figura das flechas relacionada as águas- diluvio, enchente, trombadas- por isso a seguir diz “tu fendes a terra com os rio”- Sl:77:17-19

No versículo 10-11 continua a mensagem diluviana através de figuras poética. Es tamanha a força das águas que os montes se contorcem as mãos ( ou ondas) se levantam.

O versículo 12 mostra Javé como um conquistador. Habacuque sai da poesia para entrar na história. Pois foi assim com Egito, Edom, Assiria e agora Habacuque quer saber se será assim com os babilônicos. Javé saiu para a luta e ele não sai para derrota Ele sai para vencer –Cf:Ap:6:2- Ele sai para defender o seu povo, o seu ungido [que neste caso era o seu povo Israel]

Depositar a esperança em Deus 16-19

Após tudo o que o profeta descobre no questionamento ele esfalece (Cf. Is:6) Isaias viu a glória de Deus e sentiu-se morto. Agora é a vez de Habacuque esmorecer diante do fato – DEUS- simples 4 letras- que o homem desprezou, no considerou. Habacuque nos ensina o fim que deve produzir uma crise- ESPERANÇA EM DEUS.

A uma descrição emocionalmente forte. Esta emoção envolve os orgãos do corpo. Quatro figuras são apresentadas:

*”o meu ventre se comove”- “fique assustado” (BLH)

*”tremem os meus lábios” – “os meus lábios tremerem de medo” (BLH)

*”Entram podridão nos meus ossos”- perdi todas as minha forças

*”vacilam os meus passos” – ” e não pude ficar em pé”

REVER 2:20

A LUZ DE TUDO ISTO lhe RESTAVA AO PROFETA SÓ UM CAMINHO-Esperar em Deus. A beleza deste texto é que esta declaração é dada num momento de crise, de desespero… é aí que o profeta mostrou o que era viver pela fé. Faltaria

Frutos- figueira. Vide (vinho/passas) oliveira (azeite) campos (não trigo)

Carne- o rebanho seria exterminado

Leite- nos currais não haja gado

TUDO ISTO SIGNIFICA UMA COISA SÓ –FOME

Mas o profeta faz algumas declarações que nos envergonham

*Todavia eu me alegrarei no Senhor

*Exultarei no Deus da minha salvação

*O Senhor Deus é a minha força

*Ele fará os meus pés com os da corça

*Me fará andar sobre os meus lugares altos

RECAPITULANDO

APRENDENDO A VIVER ACIMA DAS CRISE

aprende a ouvir do Senhor [ da sua pessoa]

conhecer a pessoa de Deus

lembrar da defesa de Deus

Depositar a esperança em Deus

Deus deseja compartilhar conosco a sua obra, porem nos não queremos nos envolver. É uma coisa o outra. É o questionamento, a desculpa. Etc.

Habacuque via o seu povo praticando impiedade –Ele fica profundamente irado e questionador. Deus responde que Ele fará justiça, e ainda com um povo pagão. O profeta fica mais em crise. Moral da história- Deus é Deus e não me deve satisfação alguma.

Será que aprenderemos a lição?

Será que permitiremos que Deus atue usando o que ele desejar?

Até que ponto a nossa confiança está depositada na nossa força? Cremos que Deus é o Senhor da história?- por que nos desesperamos? Será a nossa finitude? Nossa incredulidade?

Cada um tem a sua resposta.
Autor: José Miguel Aguilera

Visite www.ejesus.com.br para centenas de auxílios inspiradores.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião