Como chegar ao coração da cidade em ruínas? Oração e Compaixão

Neemias capítulos 1 e 2.

A oração e a compaixão de Neemias foram a chave para compreender e a motivar o povo arruinado. Neemias, ao obter informações sobre a situação da cidade arruinada e da dor de sua comunidade, caiu num quebrantamento que durou vários dias O que terá passado em sua mente e seu coração? Como ele imaginava ser a alma de um povo arruinado?
Um povo que vive numa cidade arrasada vive uma completa desilusão. Estão desiludidos com a política cujo corrupção os levou a desgraça. Estão desiludidos com sua religião por que seus líderes se aliaram ao poder corrupto e corruptor dos poderosos. Estão decepcionados com o poder judiciário que não teve coragem e pulso para lutar pelos direitos e pela justiça. Por todo lado onde olham há sinais de violência, dor, luto, amargura, lágrimas, perdas de vidas inocentes, culpa, insegurança, desânimo, fome e carência… É difícil novamente confiar em alguém e sonhar pois por todo lado há inimigos semeando prepotência e humilhações( Ne1.10).

Neemias sabe que não tem poder nem capacidade para superar esta situação.

Só a misericórdia do Senhor pode mudar o espírito de um povo arruinado. Somente o Espírito do Senhor pode criar um novo alento que lhes permite sonhar com uma saída.
Neemias sabia que a oração move montanhas de problemas. Ela é a chave que abre as portas para a missão. Ele carregava o seu povo no coração e na oração, noite e dia.
Um série de circunstâncias o arrancaram da comunhão de sua comunidade de fé e o fizeram copeiro do rei na cidade de Susã, capital do Império Persa.
Um fato marcante que desencadeou o projeto de missão foi a visita de um irmão e alguns parentes de Jerusalém que lhe contaram da desgraça dos moradores da cidade (v.2). O coração de Neemias transbordava de saudade. E quando estes lhe contaram que sua comunidade vivia em completa ruína (v.3), Neemias caiu em quebrantamento e oração ( v.4). Ele assumiu a dor e a desgraça de seu povo e de sua cidade. Nesta profunda angústia clama ao Senhor com lágrimas e jejuns ao longo de vários dias.
A oração foi chave que abriu as portas para a missão de Deus em Jerusalém.
Vale lembrar que a prática da intercessão pela cidade é testemunhada ao longo da Bíblia. Abraão quando descobre os planos de Deus para Sodoma intercede longamente pela cidade diante do Senhor ( Gn 18.16-33). Jeremias exorta a comunidade dos deportados para que orem pela paz da cidade (Jr 29.6). Jesus lamenta e ora sobre Jerusalém afirmando: “Jerusalém, Jerusalém! Que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes” ( Mt 22.37).

A obra missionária começa com a oração. Se você ora por alguém ou por uma cidade, você compartilha suas dores e esperanças, e no seu coração vão crescendo vínculos de amor e compaixão. Sem estes vínculos não há missão. Neemias orou por cerca de três meses( do mês quisleu ( = novembro/dezembro)Ne 1.1 até o mês nisã (=março/abril)Ne 2.1) antes de revelar e colocar em prática a missão de Deus para Jerusalém.

1. A missão nasce no coração de Deus. Orar é buscar auscultar o coração de Deus. O que Neemias orou?

Na oração de Neemias (Ne 1.5 a 11) encontramos alguns passos importantes
1. Neemias clama pela misericórdia do Senhor. Deus é fiel e misericordioso (v.5), portanto, toda boa obra vem a nós como presente da graça de Deus. Deus é e será o Senhor de toda missão. Neemias deseja apenas se colocar nas mãos de Deus a serviço de sua missão.
2. A confissão de pecados. Neemias não acusa o governo nem os líderes de seu povo pela desgraça que estão vivendo. Ele vê que toda desgraça é fruto do pecado. Por isso ora: “Confesso os pecados que nós, israelitas, temos cometido contra ti” (v.6-7). Certamente o povo deportado de Jerusalém e os restantes sofreram muito sob a mão do governo da Assíria, mas o povo de Deus também se desviou dos caminhos do Senhor e não deu ouvidos às palavras de Deus proclamadas pelos profetas.
3. Neemias ora confiado nas promessas de Deus(v.8-9). Ele sabe que Deus é fiel às promessas de sua Palavra e vai tratar o seu povo com misericórdia. Esta certeza lhe dá a confiança para lançar-se de coração nos braços do Senhor.
4.Neemias recorda o Deus na aliança. Ele lembra o que o Senhor já fez pelo seu povo no passado (v.10-11). Deus mesmo tem um compromisso com o povo que leva o seu nome. Ele sabe que o Senhor também sofre com a desgraça que seus filhos sofrem. O povo de Deus foi liberto pela mão poderosa do Senhor da escravidão do Egito para viver em liberdade e não para novamente ser escravos de seus pecados. Na certeza de que Deus é fiel à sua aliança, Neemias, tem certeza de que Deus vai ouvir e responder sua oração e por causa de misericórdia d Senhor ele vai ser bem sucedido na obra.

2. Coragem para encarar a cidade em ruínas. Confiado no amor primeiro de Deus Neemias põe mãos à obra.

Não basta chorar pela dor dos irmãos e a desgraça da cidade nem criticar os que nada fazem. Neemias precisa fazer algo. Este segundo passo é muito arriscado. O seu coração está cheio da compaixão pela cidade arruinada e seu povo ao ponto de não mais poder esconder sua tristeza diante do rei: “Por que o seu rosto parece tão triste se você não está doente? Essa tristeza só pode ser do coração.” (Ne 2.2). Não há como esconder aquilo que move o seu coração.
“Com muito medo eu disse ao rei.”.( v 2b). Neemias tem orado a Deus por meses, clamando por misericórdia e benevolência (Ne 1.11) . Agora ele toma coragem e coloca a si mesmo como primeira resposta à sua oração. Ele confia no poder de Deus e conta sua aflição e seu plano ao rei. “Como não estaria triste o meu rosto, se a cidade em que estão sepultados os meus pais está em ruínas, e as suas portas foram destruídas pelo fogo?(v.3).
O rei pergunta pelo seu plano (v4). E novamente Neemias ora e coloca seu plano diante do rei e da rainha. Eles concordam e lhe concedem autorização para ir a sua cidade Jerusalém (V.5-6).
Ao chegar às ruínas da cidade de Jerusalém, Neemias saiu à noite com alguns homens para verificar o tamanho das ruínas da cidade. Ele examinou os pontos vulneráveis e fez um inventário de tudo que precisa ser reconstruído. Tudo isso ele fez em silêncio antes de manifestar seu plano.
Ele nos mostra que o conhecimento preciso da realidade e o estado de espírito dos moradores são pré-requisitos para o projeto missionário. Só depois de um criterioso estudo da realidade e das condições operacionais é que ele revela o seu plano de ação.

3. A rede de apoio e a construção da motivação.

A visão está clara e o projeto está elaborado e conta com a autorização para ser implantado. A realidade foi analisada detalhadamente. Agora vem um outro passo importante:
Quem podem ser os aliados? De onde vem os recursos para a obra?
Neemias estabeleceu uma rede de apoio. A rede de apoio é composta por pessoas que podem abrir ou facilitar os caminhos para a concretização do projeto. Além da concordância do rei e da rainha, Neemias levou cartas que lhe deram acesso a recursos e apoio dos governadores das províncias vizinhas(v.7), da guarda da floresta do rei (v.8), ganhou uma escolta do exército e de um grupo da cavalheiros(v.9).
Mas os contatos não pararam aí. Ao chegar a cidade de Jerusalém ele procurou os líderes e autoridades da cidade (v.16) se inteirou detalhadamente da situação humana e material da cidade. Só depois de conhecer bem de perto as necessidades e as condições para enfrentá-las, Neemias, abriu o seu coração para os líderes do povo, mostrando-lhes como a boa mão do Senhor estava com ele ( v18).
Assim ele motivou as lideranças do povo de tal modo que abraçaram o plano como sendo o seu próprio plano. A confiança gerou a motivação e a motivação os levou a colocar mãos à obra: “Disseram: disponhamo-nos e edifiquemos. E fortaleceram as suas mãos para a boa obra” (v.18).
Resumindo: Neemias ouviu falar da desgraça em que vivia sua comunidade de fé, tomado de compaixão orou ao Senhor e este lhe abriu os caminhos para enfrentar o seu rei, alcançar o apoio de governadores e lideres de seu povo. O seu testemunho produziu a motivação que levou o povo a colocar mãos à obra.

4. AS LIÇÕES DA PALAVRA PARA NOSSA VIDA

PRIMEIRO: O que faz você chorar pela sua cidade ou comunidade? Qual a dor e sofrimento da cidade que você carrega no coração? Quais as necessidades que levam a orar dia e noite pela sua cidade? Quais a ruínas que precisam de reconstrução?
Se nada faz você chorar e sofrer pela dor de outras pessoas, sua comunidade ou cidade, então você não está preparado para a obra da missão. Pois só estão aptos para assumir o seu papel na missão de Deus pessoas que tem um coração quebrantado e cheio de compaixão pela dor do pobre ou do oprimido.

SEGUNDO: Você tem a coragem de se colocar como a primeira resposta à sua oração?
A missão começou com o próprio Neemias. Ele não era sacerdote nem profeta, nem pastor ou mestre. Era um leigo que trabalhava como copeiro do rei. (O copeiro tinha uma função importante. Ele selecionava e levava as bebidas ao rei e à rainha. Tinha assim um contato direto e até particular com o rei e a rainha).
Mas ele entendeu a aflição de seus irmãos e levou a sério a dor deles. Ele estava disposto a arriscar tudo por amor à sua comunidade. Consagrou sua inteligência e criatividade ao Senhor e o Senhor lhe abriu as portas.
Qual a sua disposição para fazer algo no voluntariado por alguém que sofre ou por minha cidade? Quem são as pessoas de minhas relações de amizade que possuem recursos ou habilidades para ajudar num projeto?

TERCEIRO: Neemias nos ensina que quando a gente leva a sério a dor dos outros a gente pode descobrir sua vocação missionária. Pois, o caminho da dor pode levar ao coração de Deus, porque a missão de Deus sempre tem a ver com uma dor específica.
A vocação missionária não precisa ser algo extraordinário. Ela começa com o amor sincero e a vontade de promover o bem ou aliviar a dor de uma pessoas ou grupo. Onde a nossa comunidade poderia se envolver?

QUARTO: Neemias estabelece uma rede de apoios que abriram as portas para a missão. Quais, ao seu ver, são portas abertas que existem em sua cidade para promover a vida digna e abundante? Quais são os possíveis aliados – movimentos, instituições e organismos em sua cidade que somam forças pela transformação de sua cidade? Quais são as brechas na Lei Orgânica do município que permitem o engajamento da comunidade para transformar a cidade?

QUINTO: O que esta sendo feito para motivar pessoas para se envolverem na promoção do bem e da paz de sua cidade? Qual o projeto de missão de sua Comunidade para a cidade? Lembre que a compaixão de Deus é do tamanho da cidade.

Conclusão:
Se a sua comunidade ainda não está envolvido num projeto mais amplo pela cidade, orem em casa e pensam, inspirando-se no exemplo de Neemias.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião