É tempo de vigilância

Ler ainda Jousé 8.1-8

“Então, disse o Senhor a Josué: Levanta-te! Por que estás prostrado assim sobre o rosto?” (Josué 7.10)

INTRODUÇÃO
– Com o tema geral “Conquistando a terra” estamos estudando durante o mês de janeiro, o livro de Josué.
– É oportuno, tendo em vista que seu conteúdo fala do começo do povo de Deus na Terra da Promessa.
– Creio que no início de um novo ano todos nós temos muitos sonhos, temos planos de conquistas para nossas vidas.
– A conquista no caso do povo de Israel começa pela travessia do rio Jordão que numa ação miraculosa de Deus se abre para que o povo o atravesse a pés enxutos, vimos isto no primeiro domingo.
– Em seguida numa estratégia novamente sobrenatural os muros de Jericó são derrubados de uma forma hollywoodiana, num roteiro que faz inveja aos cineastas modernos que gostam de grandes efeitos.
– A trajetória de sucesso até aquele momento é interrompida por uma derrota muito triste.
– A causa disto foi o pecado que contaminou o povo e eles não ouviram Deus como vinham fazendo até aquele momento.
– Os capítulos 7 e 8 de Josué nos ensinam lições preciosas sobre um processo de conquista:

I – NÃO PODEMOS BAIXAR A GUARDA

– Até agora tudo está perfeito, tudo está correndo muito bem, então, parece que houve um certo relaxamento por parte de Josué e o povo, tanto que o exército enviado para tomar a cidade de Ai foi de aproximadamente 10% da sua capacidade total.
– É incrível perceber o exército que até aquele momento se mostrara totalmente submisso à direção e à vontade de Deus, por causa de um pecado, nem sequer ouve a Deus para dar o próximo passo. O pecado nos cega.
– Na verdade o pecado até aquele momento estava oculto a Josué, mas trouxe conseqüências.
– Houve uma certa auto-suficiência. Os espias enviados por Josué voltaram e disseram: “Não suba todo o povo; subam uns dois ou três mil homens, a ferir Ai; não fatigueis ali todo o povo, porque são poucos os inimigos” (7.2b).
– Eles baixaram a guarda, eles subestimaram o inimigo. Numa guerra nunca se pode subestimar o adversário.
– Ex: Lembro do Presidente Busch no ano de 2003 dando uma entrevista comunicando ao mundo sobre a invasão que aconteceria no Iraque nas horas seguintes. No meu entender de uma forma auto-suficiente ele disse que em uma semana dominaria o Iraque. Neste mesmo pronunciamento ele disse a seguinte frase: “Não vamos aceitar nenhum resultado que não seja a vitória”. No próximo dia 20 de março de 2009 completaremos 6 anos desde a invasão e até agora não podemos dizer que houve vitória. Mais de 4000 soldados norte-americanos já morreram (última estatística de 25/03/08). A nação mais poderosa do mundo não conseguiu dominar um país que tem o tamanho do estado da Califórnia.
– O que houve? O inimigo para os norte-americanos foi subestimado.
– Quando tudo vai bem devemos redobrar a vigilância. Não podemos vacilar. Devemos sempre estar atentos, 24 horas por dia.

II – DEVEMOS MANTER UMA BOA ESPIRITUALIDADE

– O pecado havia minado o povo e despertado a ira de Deus. Isto trouxe influências catastróficas para o exército bem-sucedido até aquele momento.
– Josué como comandante-em-chefe não escutou Deus para saber como tomar Ai. Simplesmente ao ouvir o relato dos espias mobiliza de uma forma incontinenti o exército e sofre uma derrota humilhante.
– Somente quando a derrota “derreteu o coração do povo e se tornou como água” é que eles se prostraram diante de Deus para saber o que estava acontecendo, e eles o fazem de uma forma correta. No verso 6 lemos: “Então, Josué rasgou as suas vestes e se prostrou em terra sobre o rosto perante a arca do Senhor até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre a cabeça”.
– Josué procura Deus, se humilhando, e quando isto acontece Deus revela o porquê da derrota. Na parte b do verso 7 Deus diz a Josué: “Israel pecou, e violaram a minha aliança” (7.11a).
– É incrível como o pecado de um homem trouxe conseqüências para todo o povo. No verso 12 Deus fala novamente a Josué porque eles não venceram a batalha: “Pelo que os filhos de Israel não puderam resistir aos seus inimigos; viraram as costas diante deles, porquanto Israel se fizera condenado, já não serei convosco, se não eliminardes do vosso meio a coisa roubada”.
– Que expressão terrível “já não serei convosco”. A ausência de Deus foi a causa da derrota.
– Quando Deus não está conosco as derrotas são certas.
– Assim acontece conosco muitas vezes, quando as coisas vão bem a tendência é diminuirmos a oração, já não ouvimos a Deus para as nossas decisões.
– Se estamos num processo de conquista e as coisas estão dando certo, a tendência é de relaxarmos.
– Muitas vezes nossas derrotas são em virtude da existência de pecados não confessados, pecados ocultos.
– Somente quando experimentamos a derrota é que nos prostramos diante de Deus para sabermos o que está acontecendo.
– Que não seja necessário experimentarmos derrotas para nos voltarmos para Deus. Precisamos manter uma ligação constante com Deus buscando sempre na intimidade do quarto de escuta saber qual a boa, agradável e perfeita vontade de Deus para as nossas vidas.

III – DEVEMOS TRATAR O PECADO COM SERIEDADE

– Ao revelar a Josué que a causa da derrota era o pecado, Deus mostra a saída no verso 13: “Dispõe-te, santifica o povo e dize: Santificai-vos para amanhã, porque assim diz o Senhor, Deus de Israel: Há coisas condenadas no vosso meio, ó Israel; aos vossos inimigos não podereis resisitir, enquanto não eliminardes do vosso meio as coisas condenadas”.
– “Enquanto não eliminardes”. O pecado de Acã trouxe conseqüências para todo o povo e era vontade de Deus que ele fosse eliminado.
– Josué tão logo recebeu a revelação de Deus sobre o pecado que minava o povo, o tratou com seriedade. Não ficou alisando, foi firme. Tratou o pecado como pecado.
– Tratar o pecado às vezes não é muito fácil, as vezes traz tristezas, dores; mas precisa ser encarado de frente, com seriedade.
– No capítulo 8.1 Deus diz a Josué: “Não temas, não te atemorizes; toma contigo toda esta gente de guerra, e dispõe-te, e sobe a Ai; olha que entreguei em tuas mãos o rei de Ai, e o seu povo, e a sua cidade, e a sua terra”.
– “Entreguei em tuas mãos”. Só quando o pecado foi tratado com seriedade é que Deus novamente se junta ao exército e de uma forma perfeita e miraculosa entrega a cidade de Ai nas mãos do exército de Josué.
– Muitas vezes enfrentamos derrotas em nossas vidas porque não tratamos o pecado com seriedade.
– Ex: O pecado é que nem bicho de pé. No começo ele incomoda um pouco, mas depois a gente se acostuma. Só que com o tempo ele faz estragos.
– Pecado oculto é um câncer que corrói.
– Deus só move sua mão para nos abençoar quando o pecado é eliminado de nossas vidas.

CONCLUSÃO

– O povo se arrependeu do pecado e houve reconciliação. Desta forma mais esse passo rumo à conquista da terra prometida aconteceu sob a orientação de Deus.
– Nenhum processo se completa se não houver a participação de Deus do início ao fim.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião