Graça na desgraça

O tema que desejo abordar nesta hora tem um título um tanto engraçado: Graça na Desgraça.

1. Alguém então pergunta: Pastor, pode existir graça na desgraça?

2. A minha resposta é esta: Dentro da espera humana não há desgraça que tenha graça.

3. Mas dentro da espera divina, espera espiritual toda desgraça tem graça.

Vejamos por exemplo a experiência de Paulo descrita em II Cor. 12:7-9

1. Aqui está a experiência de um homem que alcançou graça na desgraça.

2. Paulo tinha um espinho na carne que o fazia sofrer muito.

3. Por isso ele disse: “Foi-me dado um espinho para me esbofetear.”

Que espinho terá sido esse?

1. Terá sido alguém da família que o tivesse abandonado?

2. Terá sido um sofrimento de natureza psíquica? Inquietação pelas igrejas sempre tão cheias de problemas?

3. Terá sido remorso pelo seu passado de terrível perseguidor?

Especialmente pela sua participação no martírio de Estevão?

4. Terá sido uma doença física? Epiléptica? Enxaqueca crônica? Oftalmia?

5. A verdade é que ninguém sabe que espinho terá sido esse.

6. Tudo quanto se diga será mera especulação.

No seu infortúnio ele orou quantas vezes?

1. Três vezes pedindo alívio.

2. Qual foi a resposta de Deus?

3. A resposta de Deus foi surpreendente: “Paulo, a minha graça te basta”.

4. Aquela desgraça continuaria mas com a graça da comunhão divina.

5. Isto é: Ele não sofreria sozinho.

Ele teria a presença divina para dividir com ele o peso daquela desgraça… daquele espinho.

Ilustração

Um pai certa vez deu um castigo ao filho: Dormir no sótão. Lá pela meia-noite o pai foi vê-lo. Encontrou o filho com os olhos arregalados. “Me perdoe, papai. Deixe-me dormir na minha cama”. “Não, filho. O castigo não pode ser alterado. Você vai passar a noite aqui; mas o papai vem dormir com você”.

1. É isto que Deus faz… Ele não tira as conseqüências, mas Ele promete estar conosco nas provações, nos sofrimentos.

2. Ninguém mais que a senhora White sofreu espinhos na carne e não obstante Deus a sustentou e habilitou-a a escrever livros de inestimável valor para os cristãos.

3. Ela mesma, em seu livro: Primeiros Escritos, 46 disse: “O Senhor me mostrou que sua graça é suficiente em todas as nossas provações e se retivermos absoluta confiança em Deus, pela sua graça, sairemos vitoriosos”.

Há provações passageiras e provações que vem para ficar e se ficam, precisam ser curtidas em câmara lenta… isto é, suportadas pacientemente.

1. E essas provações fazem parte da nossa preparação necessária para o céu.

2. Quais são os espinhos, as provações que mais nos afetam?

– As vezes um casamento infeliz.
– Uma família mal ajustada.
– Filhos que dão o que chorar.
– Um amor contrariado.
– Uma desilusão.
– Um empreendimento mal sucedido.
– Um objetivo malogrado.
– Uma aspiração insatisfeita.
– Uma doença incurável.
– Um defeito físico.
– Um troféu perdido.
– Uma saudade amarga.
– Um passado que marcou para o resto da vida.
– Um lar desfeito.

São muitos os espinhos que nos ferem sem parar.

1. Mas o que nos alegra é a certeza da presença divina para dividir conosco o peso da nossa desgraça.

2. O sofrimento do nosso espinho.

3. Está alguém nesta hora sofrendo algum espinho? Alguma provação? Alguma desgraça?

4. Lembre-se que o mesmo Deus que esteve com Paulo…
Com os três hebreus na fornalha…
Promete estar com você também.

5. Confie nEle.

Amém.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião