Guiados pelo Espírito

Introdução:

Antes de qualquer coisa, gostaria de afirmar o que o Espírito Santo não é! Ele não é um ídolo para ser enclausurado em um nicho católico romano, ou sucumbido em uma homília protestante; Ele não é uma energia diferencial latente e isolada para meditação dos teosofistas; Ele não é uma fantasma, para viver amedrontando em vez de edificando a igreja, ou sendo objeto de manipulação por grupos intereceiros neo-pentecostais! O que Ele é enfim? Ele é uma pessoa, pois reúne as faculdades inerentes, tais como, inteligência, sensibilidade e volição! Para completar a sua majestade e soberania divina, Ele tem um corpo espiritual e atributos morais e naturais, através dos quais Ele rege e não é regido! Portanto, ser guiados pelo Espírito é ser submisso e conscientes de que abandonamos o nosso querer para seguir o de alguém superior a nós mesmos. Ser guiados por Ele é ter o conhecimento palpável de que nem todos os caminhos que trilhamos são exuberantes, altruístas e lineares como sempre almejamos. Aliás, Ele sabe que, por natureza e índole, somos egoístas e incapazes de vermos as nossas próprias armadilhas, pois ardiloso é o coração do homem! Ser guiados por Ele é entregar todos os nossos projetos, ser, dons e, por que não dizer, todos os nossos senões em suas soberanas mãos. Outrossim, ser guiado por Ele, é deixar o trecho curto e salutar do Mediterrâneo, em troca do longo, exaustivo e perigoso de Cades-Barnéia, mas que levaria o Povo à Terra Prometida; é ser baixado à ridículo por um cesto arrastado pelos muros da cidade, em vez de se esconder nos camarins perfumados de Festo; é dormir aprisionado entre algemas e ver as ilhargas milagrosamente caírem aos seus pés, do que descansar embalados no jardim de inverno de Herodes! Finalmente, é ter o doce companheirismo daquele que prometeu nunca nos deixar só!

Texto bíblico: Gl 5:16,25

Esboço da Mensagem:

1. Paulo não cumpriu a sua vontade, mas a do Espírito.
a. Regeitando a vontade da nossa natureza: Gl 5:16
b. Regeitando a vontade dos nossos ideais: At 21:14
c. Regeitando os impulsos do nosso coração: Rm 8:15

2. Moisés não cumpriu a vontade do Povo, mas a do Espírito.
a. Atravessando o Mar Vermelho: Ex 14:15
b. Enfrentando as águas amargas de Mara: Ex 15:22-27
c. Desafiando os 40 anos no deserto: Dt 8:2

3. Jesus não cumpriu a vontade do Adversário, mas a do Espírito.
a. No caminho do Egito, fugindo de Herodes: Mt 2:13
b. No caminho do Monte, para um encontro com o Tentador: Mt 4:1
c. No caminho do Gólgota, enfrentando a amorte: Jo 19:17

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião