Jesus o filho de Deus nasceu.

Nesta noite estamos comemorando o natal. Um dia festivo. Um dia onde as pessoas mostram solidariedade. Ajudam os necessitados. As casas ficam enfeitadas com as árvores e lâmpadas. Época em que as pessoas dão e recebem presentes. Papai Noel é a figura central do natal. As lojas usam a figura de papai Noel para venderem muito. As pessoas se alegram com essa festa bela. Porém, o verdadeiro sentido do natal é distorcido. Quase todas as pessoas não sabem o verdadeiro significado do natal. As pessoas lembram e aprendem muito sobre o natal. Mas um natal falso. Um natal contrário a palavra de Deus.
O natal é uma festa para os cristãos e não para os descrentes. Essa data só tem significado para os cristãos. Só para os cristãos é motivo de alegria. Para os descrentes é mais uma data festiva. Onde eles podem beber, se prostituir e muito mais. Mas para nós tem um significado essa data tão especial. E qual é esse significado?
Nessa noite vamos olhar na palavra de Deus e ver qual o significado do natal bíblico.
Eu vos proclamo a palavra de Deus no seguinte tema:

1.Na época do imperador César Augusto.

Maria estava grávida de seu filho primogênito. Esse primogênito será chamado Filho de Deus (Lc 1.35). Ele quando nascer salvará o seu povo dos pecados deles (Mt 1.21). Ele é aquele que reinará para sempre. O qual outrora fora prometido por Deus. Agora falta pouco tempo para se cumprir. Maria está grávida, faltando pouco tempo para dá a luz ao menino. Mas em que época José e Maria viviam?
A época é a do imperador romano César Augusto. Ele decretou que a população do império tinha que se recensear (Lc 2.1). Esse recenseamento foi uma obra muito grande. Porque o império romano era imenso. O império romano dominava quase todo mundo então conhecido da época. Então, esse imperador quer alistar o povo para facilitar a cobrança de imposto. Assim ele poderia aumentar seu poder e império.
Quem era César Augusto? O que sabemos sobre ele? César Augusto começou a reinar após a morte de seu tio-avô, Júlio César, no ano 27 a.C. até o ano 14 d.C. Ele foi um sábio administrador e famoso organizador, especialmente de suas forças militares e de sua guarda pessoal. Como imperador ganhou muitas batalhas e conquistou muitas terras para seu império. Ele foi um grande imperador! Ganhou muitas batalhas. Sendo estimado por muito. Como administrador foi magnífico! Criou um sistema de governo que seus súditos o respeitavam. Ele foi até chamado de “rei benevolente” e ainda “o pai de seu país”.
Não estou dizendo que ele era quase um cristão! Longe disso! Ele era um pagão! Um descrente convicto! Ele adotou para si o título de Augusto, que quer dizer: MAJESTOSO, SUBLIME, SUPREMAMENTE REVERENCIADO. Ele se apossou indevidamente do título do Messias. Muitas pessoas achavam que ele era o próprio Messias. Aquele que iria colocar todos os reinos do mundo debaixo do seu poder. Ele também aceita o título de SUMO SACERDOTE, ou seja, cabeça de todo culto religioso. Ele próprio é um anticristo. Ele está trabalhando contra Deus.
Esse era o cenário histórico. A figura do Messias se popularizou. O título agora é usado para um imperador pagão declarado. O Cristo que há de nascer está se transformando em lenda ou no próprio César Augusto. O povo transforma-o no Messias prometido por Deus. O imperador se considera o salvador do povo. Aquele que está salvando o povo. Ele é chamado por muito de salvador! Uma realidade dura para os israelitas que criam que só Deus é Seu Salvador. Só Deus tem poder para fazer tal coisa.
O imperador quer colocar todos debaixo do seu poder. Por isso ele decreta o recenseamento. Ele quer saber quem são as pessoas do seu império. Onde moram; quanto ganham; se tem propriedade; quantos filhos e etc. Desse modo todos pagariam impostos e conseqüentemente se tornariam servos do imperador. Um imperador pagão que quer ser deus. Ele quer governar tudo. Mas não quer saber nada de Deus. Ele se acha o todo poderoso.
Porém, apesar de seu poderio, Augusto, estava fazendo a vontade de Deus. Com esse domínio do império romano, tornou possível a José e Maria fazerem essa viagem até Belém. Uma viagem de 140 quilômetros. Assim, Deus mostrou ao mundo que só Ele é soberano. Só Ele controla e governa todas as coisas. Só Ele é Deus. Só Ele merece toda honra e toda glória. Só Ele merece ser louvado e cultuado. Ninguém mais merece culto perene. Só existe um único Deus que salva e este é o Deus dos céus e da terra. Que criou e mantém tudo debaixo do seu poder.

2.Na cidade de Belém.

Irmãos, Deus usou aquele imperador romano para cumprir a sua promessa. Promessa esperada pelo Seu povo. Deus já tinha dito até a cidade que o Cristo deveria nascer. E qual foi a cidade escolhida? Não foi a cidade santa, Jerusalém. Aonde o rei reinava. A cidade que os judeus estavam esperando vim o Messias. Mas a escolhida foi a cidade de Belém! Belém era uma pequena cidade em uma colina. Ela ficava uns oito quilômetros de Jerusalém. Era uma cidade pobre, insignificante. Uma cidade onde o vento fazia a curva. Era igual à algumas cidades aqui do nordeste. Sem o mínimo de desenvolvimento. Mas, foi lá, naquela cidade desprezada pelo mundo, que Deus decidiu que seu Filho nasceria. Veja só o que diz o verso 4: “José também subiu da Galiléia, da cidade de Nazaré, para a Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e família de Davi”. Mas, por que é chamada de cidade de Davi? Porque foi lá que o grande rei Davi nasceu e cresceu. Foi naquela cidade pequena que nasceu o homem segundo o coração de Deus. E José sendo descendente direto de Davi deveria se alistar naquela cidade.
Faltava pouco tempo para a promessa feita a Davi se cumprir. Seu descendente irá reinar no seu trono. Deus prometeu e irá cumprir o que prometera. Assim a casa real terá o seu herdeiro.
O local é o indicado por Deus. A cidade de Belém. A promessa de Miquéias 5.2, enfim irá se cumprir. “E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade”. Essa profecia se cumpriu em Jesus Cristo, quando nasceu em Belém. As promessas de Deus podem demorar muito tempo para se cumprir. Mas tudo se cumpre quando Ele quer e determina. Ele nunca falha. Isso podemos ver na cidade escolhida por Deus. Uma cidade insignificante, desprezada, mas objeto de uma grandiosa obra de Deus. Deus escolhe as coisas que o mundo despreza, para envergonhar o mundo.

3. Na humilhação.

O Filho de Davi nasceu. Depois de nove meses, Maria dá a luz o filho de Davi. O descendente do trono de Davi. Aquele que vai apascentar o povo de Deus. Essa é a promessa de Deus. Mas, onde se espera que nasça um príncipe? Não é em um palácio? Rodeado de riquezas, de empregados para fazerem o parto? O príncipe nasceu. Aquele que vai reinar sobre Israel, mas não foi em berço de ouro. Foi em uma manjedoura. Um cocho aonde se coloca comida para os animais. Ele nasceu contrariando as expectativas do povo. O povo esperava um Messias que fosse um líder político para expulsar os romanos. Mas em vez disso, nasce um Messias rejeitado pelo mundo. Ele nasce em uma estrebaria, porque não havia lugar para ele na hospedaria. A hospedaria está lotada com os soldados romanos. Eles não querem ceder um espaço para os pais do Messias e por fim, ao próprio Messias! O único lugar que resta é na estrebaria com os animais. As pessoas rejeitaram o Messias até mesmo antes de nascer.
É lá, naquela estrebaria que Maria dá a luz ao nosso Salvador. Não há nada de romântico no nascimento de Jesus. As pessoas fazem um presépio colocando José, Maria e o menino Jesus alegres com os animais. Colocando muitos enfeites, deixando tudo bonito. As pessoas olham e vêem uma família abençoada e feliz.
Porém, a situação é totalmente contrária. Imagine um local onde se coloca animais. Cheio de estercos e moscas. Com um mau cheiro no ar. Um lugar onde só tem o teto para se proteger do sol e da chuva. Um lugar a beira da estrada. Quando os homens passam em suas montarias, enche de poeira o local. Sem energia elétrica. Sem conforto para os pais e o menino. Ninguém para ajudá-los. A única coisa que Maria pode fazer é enfaixar o menino para proteger seus ossos e das moscas. A única coisa que não foi enfaixado foi o rosto para poder amamentá-lo. José, só pode pegar um pouco de palha e colocar na manjedoura, para Maria colocar o nosso Salvador.
Humilhação! Humilhação! Esta é a palavra correta para descrever a encarnação de Jesus Cristo. Ele se humilhou se fazendo igual a nós, mas sem pecado. Ele quis ser nosso irmão! Ele veio para servir e não para ser servido. Ele veio para sofrer! Quando Jesus crescer, irá ser “varão de dores e familiarizado com a aflição”. Agonias indescritíveis irá ser sua porção. No entanto, no céu uma voz irá ressoar: “Tu és meu Filho, meu Amado; em ti me agrado”.
Quem no dia de natal está fazendo aniversário? Papa Noel? Uma tradição humana? Uma fantasia, uma mentira? Uma figura do marketing? Papai Noel no dia de natal é quem é lembrado. As pessoas desconhecem o que é o natal. E vocês irmãos, estão aqui hoje à noite para que? Vocês sabem o que realmente significa o dia de natal?
O natal é a época em que comemoramos o nascimento do Salvador. É o dia que Ele se humilhou e habitou entre nós. “Pois vocês conhecem a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico se fez pobre por amor de vocês, para que, por meio de sua pobreza, vocês se tornassem ricos”.
Este é o sentido do natal:
Por mim, querido Jesus, foi tua encarnação,
Tua dor mortal e o sacrifício de tua vida;
Tua morte de angústia e tua amarga paixão,
Para minha salvação.
Jesus nasceu no dia de natal para salvar pecadores perdidos. Pecadores que se arrependem de seus pecados e servem a Ele. O nascimento de Jesus só tem sentido para aqueles que reconhecem de todo coração, Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas. Em Jesus Deus habitou entre nós aqui na terra. Cristo se esvaziou para habitar entre nós e morrer por cada de cada um de nós. Ele deixou os braços do Pai para vir a terra. Para cumprir a promessa. Ele próprio é a promessa de Deus. Ele próprio é a boa nova de Deus para nós.
Jesus nasceu em um mundo corrompido para mostrar o amor de Seu Pai. Encarnou-se e se fez pobre. Tudo isso para que pudéssemos ter a salvação Nele. Hoje nós comemoramos a vinda do Salvador de nossas vidas. Por isso o dia de natal é tão importante para todos nós. Porque nesse dia sabemos que o nosso Salvador nasceu para que tenhamos a salvação e a vida eterna.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião