Mensagem sobre a Oração – 7

“Orando ao Deus que muda as coisas”

UMA VISÃO GERAL DO TEXTO

Mais um ciclo de fome, em Gênesis. O Senhor diz a Isaque para não descer ao Egito (vv. 2-5) e ele obedece (v. 6). Isaque disse que Rebeca era sua irmã. Abimeleque (que não é a mesma pessoa de Gênesis 20.2 – o nome é um título – meu pai é rei) descobriu que não era (v. 8). Isaque levou uma “bronca” (vv. 9-10) e explicou. Tinha medo (v. 7). Depois, prosperou (vv. 12-13) e teve problemas com os homens (vv. 15, 19-20 e 21). Por fim, Deus lhe apareceu e lhe falou (v. 24) e ele levantou um altar e invocou o nome de Iahweh (o nome hebraico do Senhor).

ASPECTOS DO TEXTO

Há três aspectos para observarmos no texto: medo, visão e vitória. Ultrapassam os limites da vida de Isaque. Vejamos como nos dizem respeito.

1. MEDO – Isaque temeu (v. 7). Ele parece ser uma pessoa tímida, calada. Parece se retrair diante dos problemas. Mesmo com temperamento assim, não tinha motivos para temer: vv. 2-4. Deus estava orientando tudo. Não é nossa timidez nem nosso temperamento que nos produzem desânimo espiritual. É porque não olhamos para as promessas divinas. Isaque viu que Deus cumpre suas promessas (v. 12). Não bastava cavar os poços do pai. Era preciso confiar no Deus de seu pai (v. 3b). Não se pode contar com a fé do pai. Cada um tem que ter a sua. A alternativa ao medo é a confiança em Deus, nas suas promessas, e a crença de que ele se mantém fiel ao que promete. Houve violência, como vemos nas vezes que lhe tomaram os poços, mas todas as vezes em que foi prejudicado, Deus o abençoou. As pessoas e os problemas não são maiores do que Deus.

2. VISÃO – Ao medo de Isaque, Deus respondeu com um não temas (v. 24). Já dissera isto, antes, a seu pai (Gn 15.1). É o Deus do passado, mas também é o Deus do presente. Fez e faz coisas na vida dos seus. Foi esta visão de Iahweh a Isaque que o transformou. Até então, ele nunca levantara um altar ao Senhor, o que seu pai fazia em qualquer lugar em que chegasse. Fez, pela primeira vez: v. 25. Aí invocou “o nome do Senhor” (bê shem Iahweh, uma expressão que dá a idéia de colocar-se debaixo da tutela do nome, submeter a vida ao nome do Senhor). Arma sua tenda, para morar perto do altar, e abre outro poço. Não há mais medo. Ele e Deus estão próximos, um do outro. Lembramos que Deus está perto de nós? Façamos nossa tenda junto dele!

3. VITÓRIA – Partiu do meio de Abimeleque e seus pastores. Uma espécie de fuga. Agora, são Abimeleque, seu conselheiro Ausate, e seu comandante, Ficol, que vêm falar com ele: vv. 26-29. Eles o temem, não porque Isaque tenha exército, mas porque “tu é agora abençoado do Senhor” (v. 29). Eles viram que Deus estava com Isaque. As pessoas deveriam nos respeitar por verem o que Deus fez em nossa vida e não por qualquer outro motivo. Nosso caráter de filhos de Deus deve impressionar as pessoas, mais que nossos bens e outros motivos. A vitória é para chamar a atenção para Deus.

APLICAÇÕES DO TEXTO

1. Quem conhece as promessas de Deus não tem motivos para temer: Ezequiel 12.28.

2. A ausência de culto a Deus (mais que ir a uma reunião, mas adorá-lo na vida) é que produz medo. Quem adora a Deus e o ama, nunca teme: 1João 4.18.

3. As pessoas podem ser injustas conosco e nos prejudicarem muito, mas devemos crer que Deus abençoa quem está firme com ele. Foi assim com Isaque e foi assim com José: Gênesis 39.23. Cedo ou tarde, a providência divina se manifesta.
4. Não retribuamos ao mal. Deixemos isto com Deus. Os adversários de Isaque vieram até ele, temerosos. Deus levanta os seus. E cuida do resto. Isto basta.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião