Natal: o presente da Alegria

I) ENTREGUE SUA ANSIEDADE PARA DEUS
Na época do Natal e fim de ano o nível de estress aumenta. Até mesmo pelas pequenas coisas. As pessoas ficam ansiosas por qualquer coisa:
Será que o dinheiro será suficiente para todas as despesas?
Será que estou esquecendo o presente de alguém?
Quantas vezes terei que enfrentar este trânsito de Niterói?
Será que irei viajar?
Será que dará pra passar para a próxima série na escola?
Será que passarei no vestibular?
Será que me manterei no emprego?
Será que meu negócio será bem sucedido?

Existem preocupações sérias e frívolas. Entretanto nenhumas é legítima se rouba a nossa capacidade de nos alegrarmos em Deus.

Precisamos entender que a ansiedade é a principal responsável pela perda da nossa alegria.

Há pessoas que se tornam tão ansiosas que perdem até a alegria de viver.

O fato é – se você permitir que o dia de amanhã seja dominado por suas preocupações, você não terá poder para viver o dia de hoje.

A palavra “ansiedade”, no grego, é feita de duas palavras que significam – “mente dividida” – Se a nossa mente fica dividida entre confiar ou não em Deus, isto provoca a quebra da nossa integridade espiritual.
Deixe-me ler duas passagens que irão ajuda-lo a lidar com a ansiedade:

Filipenses 4:4-7 – “Alegrem-se no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se! Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor. Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus.” (NVI)

Não é coincidência que Paulo faz referência a alegria e ansiedade no mesmo contexto.

A verdade é que se você buscar se alegrar no Senhor sempre você certamente aprenderá a derrotar a ansiedade.

O apóstolo Paulo está ensinando que a chave: entregar toda a nossa ansiedade para Deus.

Mateus 6:25-34 – “Portanto eu lhes digo: Não se preocupem com sua própria vida, quanto ao que comer ou beber; nem com seu próprio corpo, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante que a comida, e o corpo mais importante que a roupa? Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu lhes digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles. Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe a amanhã é lançada ao fogo, não vestirá muito mais vocês, homens de pequena fé? Portanto, não se preocupem, dizendo: “Que vamos comer?” ou “Que vamos beber?” ou “Que vamos vestir?” Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal.” (NVI)

O Senhor Jesus está nos ensinando que Deus – nosso Pai – sabe de todas as coisas de que precisamos.

OUÇA – Se você é um cristão, você é filho de Deus. Agora, isto é uma verdade extraordinária, um conceito incrível, que você jamais deverá tentar minimizar, nem mesmo fechar os olhos para esta verdade.

Leia o que diz o apóstolo João em sua primeira carta, capítulo 3, verso 1: “Vejam como é grande o amor que o Pai nos concedeu: sermos chamados filhos de Deus, o que de fato somos..”. 1Jo.3:1

Quando você realmente entende e crê que você é um filho de Deus, então você retira a ansiedade da sua vida… Deixe-me tentar ilustrar – Minhas filhas sabem que eu quero o melhor para elas e que estou trabalhando para supri-las. Elas não estão preocupadas com o que irão comer, vestir; onde irão morar, ou se fará muito frio no inverno, se haverá água e sabão para o banho.

Por que? Porque elas sabem que eu e Ruth, estamos cientes de todas as suas necessidades e, por isso, elas confiam em nós para supri-las todas.

Deixe-me fazer três perguntas para você:

Quanto mais Deus terá que suprir suas necessidades para que você confie nele?

Quanto mais Deus terá que ser seu Pai a fim de que você viva como filho de Deus?

Quanto mais Deus terá que salvá-lo a fim de que você viva como um salvo?

Agora se nós somos honestos conosco mesmo, teremos que admitir que a maioria das pessoas e talvez muitos de nós confiam muito menos nas verdades de Deus do que nossos filhos confiam em nós.

Por isso, nós precisamos desenvolver o hábito de nos voltarmos para Deus quando sentimos que a ansiedade quer nos aprisionar.

Antes de culpar as pessoas e a nós mesmos, antes de tomar qualquer atitude intempestiva; antes de sentirmos pena de nós mesmos, precisamos nos voltar para Deus, precisamos desenvolver esse hábito em nossas vidas.

Crendo no que nos diz o apóstolo Pedro: “Lançando sobre ele toda a nossa ansiedade…” (1Pe.5:7).
II) NUNCA SE ESQUEÇA A RAZÃO PELA QUAL JESUS NASCEU.

Em Lucas, capítulo 2, verso 11, nós lemos: “Hoje mesmo, na cidade de Davi, nasceu o Salvador de vocês – o Messias, o Senhor!” – Lc.2:11

Circule a expressão – “salvador de vocês”
“lhes nasceu o salvador”

Em João 3:16 nós lemos: “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.”

Circule a expressão – “não pereça”

A palavra grega traduzida para o verbo “perecer” significa destruir. De acordo com o Dicionário Internacional de Teologia do NT – significa: “destruição definitiva”, não meramente no sentido da extinção da existência física, mas muito mais no sentido de um mergulho eterno no Hades e o destino desesperador da morte”.

Ouçam bem, a razão do Natal – é que você precisa de um salvador – esta é a razão do Natal – é Deus presenteando você – então você, que crê em Cristo, não pode viver como um destruído, não pode viver uma vida sem sentido, não pode viver como um perdido.

É claro que somos pecadores. Que devemos chorar e lamentar os nossos pecados. Precisamos nos arrepender de todos eles. Precisamos estar bastante conscientes da nossa corrupção, das nossas contradições. Mas se você é um crente em Jesus – por favor – saiba que Jesus veio a este mundo para que você não seja destruído pelo seu pecado, pelo diabo, mas para que você tenha perdão, restauração, vida eterna, alegria, paz e esperança.

Por favor nunca se esqueça disso – na noite de Natal reúna sua família, seu amigos, acendam todas as luzes, ponham a mesa, ergam suas taças e digam juntos, aleluia – Jesus é o meu redentor, é o nosso redentor.

Uma pergunta – o que você pensa que Deus sente quando olha para nós, e nós vê com mais tempo, mais energia, mais disposição para gastar nosso dinheiro, preparando-nos para uma grande festa – mas dando tão pouco para Jesus e até mesmo barrando sua entrada na festa do seu próprio aniversário?

Como você acha que Deus se sente quando pessoas tem lindas festas de Natal enquanto outras naquele mesmo momento estão revirando latas de lixo para sobreviverem?

Se você quer manter seu coração alegre neste Natal, lembre-se da razão que trouxe Jesus a este mundo – Deus amou-o tanto que enviou seu Filho – Deus ama você tanto que não poupou o seu próprio Filho por amor a você.

O Natal só faz sentido se olharmos para a cruz…. A cruz só faz sentido se olharmos para o túmulo vazio… o túmulo vazio só faz sentido quando sabemos que Cristo está entre nós, vivo e que voltará cheio de glória.

Esta é a razão pela qual o Natal nos faz dizer com grande alegria – “Eu importo para Deus e isto é o que realmente importa para mim.” Não importa se a minha família não é perfeita. Não importa se tenho pouco das pessoas. Não importa se não realizei tudo o que eu planejei para a minha vida. O que realmente importa é que Deus se importa comigo.

Ouça. Nada poderá separar você da real alegria do Natal. Porque a real alegria do Natal – está alicerçada, ancorada e amarrada no amor de Deus.

Em Romanos 8:35-37-39
“Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?… Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Ouça, a maneira mais rápida de fazer com que você perca a alegria durante esse tempo de festa é se esquecendo da verdadeira razão do Natal. Se você quer sentir toda a “grande alegria”, a “mega alegria” dentro da sua alma – lembre-se a verdadeira razão do Natal.

III) CONSIDERE SEU FUTURO

Max Lucado – refletindo sobre o nascimento de Jesus escreveu:
Nenhum homem tinha mais razão para ser miserável que este – ainda que nenhum homem foi mais feliz.
Seu primeiro lar foi um palácio. Tinha empregados à sua disposição. O leve toque de seus dedos mudaram o curso da história. Seu nome foi conhecido e amado. Ele tinha tudo – saúde, poder, respeito. E agora ele não tinha nada.
Estudantes ainda ponderam sobre ele. Historiadores se confundem quando tentam explicá-lo.
Como poderia um rei perder tudo num único instante?
Num momento ele possuía prerrogativas reais, num próximo instantes ele era uma criança paupérrima.
Seu leito real se transformou numa cocheira.
Ele nunca possuiu até mesmo o mais básico modo de transporte e era dependente das esmolas dadas para o seu sustento. Em alguns momentos Ele tinha tanta fome que comia figos verdes tirados de figueiras silvestres.
Ele sabia o que era ter que ficar na chuva ou no frio por não ter onde morar.
Muitos o chamavam de lunático. Nem sua própria família acreditava nele.
Muitos tentavam ridiculariza-lo ou até mesmo usa-lo para os seus próprios interesses.
Muitos queriam favores, outros queriam truques, mágicas.
Para o povo ele era uma atração, uma novidade. Eles queriam vê-lo. Outros queriam ser vistos com ele – Até que ele saiu de moda. Então decidiram matá-lo.
Ele foi acusado de um crime que nunca cometeu. Testemunhas foram aliciadas para mentir. O júri foi fraudado. Nenhum advogado assumiu a sua defesa. O juiz se curvou aos interesses políticos, lavou as mãos e aplicou a pena de morte.
Eles o mataram.
Ele partiu como chegou – sem nada.
Ele foi colocado num sepulcro emprestado.
Seu funeral foi financiado por amigos piedosos. Embora ele tenha tido tudo, ele viveu e morreu sem nada.
Ele decidiu ter sido um miserável. Ele decidiu beber o cálice de fel até o fim. Ele tinha tudo para ter sido “o tal”, “o figurão”, mas ele não foi.

Mas Jesus nunca perdeu a alegria – Ela foi alegre mesmo quando foi pobre, abandonando e até mesmo crucificado.
Jesus decidiu teimar e ser alegre a despeito de tudo e de todos. Uma alegria que recusou-se a se curvar diante de tempos difíceis. Uma alegria que se manteve viva mesmo diante da dor.

Talvez você esteja pergunta aos seus botões – Como foi que Jesus, mesmo passando por tantas perdas e humilhação, pôde manter a sua alegria?

Em Hebreus 12:1-2 – temos a resposta –
“Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha e sentou-se à direita do trono de Deus.

A razão pela qual Jesus manteve a sua alegria foi ter vivido toda a sua vida com os olhos postos no seu futuro.

Você sabe qual é o futuro que está reservado para você?
Se você é um crente, as melhores coisas da sua vida ainda estão para acontecer.

Neuber Lourenço

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião