O que é que alguém espera de Deus?

Introdução:
Jesus foi uma pessoa que veio a este mundo somente para fazer o bem. Tudo o que ele fez tinha dois objetivos:
1. Fazer a vontade de Deus.
2. Fazer o bem para a raça humana

Ele não fez nada para si próprio. Ele não fez nada para seu beneficio pessoal. Ele ofertou a sua vida ao serviço de Deus e em prol da humanidade.

Todavia, no momento mais crucial de sua vida ele foi abandonado:
1. Foi abandonado pelos seus amigos, até mesmo traído por algumas moedas. A Bíblia registra a seguinte frase: “Na noite em que Jesus foi traído…”. Ele ficou só e solitariamente foi crucificado na cruz do Calvário.
2. Foi abandonado por Deus: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”.
a. Desertar
b. Deixar sem nenhum ajuda
c. Totalmente abandonado, completamente esquecido.
d. Deixar para trás
3. Inclusive as pessoas diziam: “confiou em Deus, livre-o ele agora”.

Quando alguém olha para Deus o que é que esta pessoa espera dele? Usemos parte do Salmo 22 para nos ministrarmos nesta oportunidade:

1. Espera ajuda, auxilio.
a. Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que estás afastado de me auxiliar, e das palavras do meu bramido?
b. Mas tu, Senhor, não te alongues de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. Livra-me da espada, e a minha vida do poder do cão. Salva-me da boca do leão, sim, livra-me dos chifres do boi selvagem.

2. Espera consolo, conforto.
a. Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem acuda.

Conclusão:
“Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos…”. Esta expressão aparece muitas vezes no NT. Não foi Cristo quem ressuscitou a si mesmo, Deus o ressuscitou.
• Quando Cristo morreu, ele não dependia mais de si mesmo para voltar a viver.
• Estava completamente entregue nas mãos de Deus.

“Ora, Deus não somente ressuscitou ao Senhor, mas também nos ressuscitará a nós pelo seu poder” (1Co 6.14).
• Haverá períodos em nossas vidas em que não podemos mais depender de nós mesmos, mas sim de Deus.

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião