O Senhor da igreja encontra Paulo e o converte.

A perseguição para com a Igreja de Jesus Cristo havia se tornado muito grande e ainda estava crescendo cada vez mais. Muitos cristãos eram caçados como animais. Arrancados de suas casas e levados para a prisão e mortos.
Alguns perseguidores pensavam que estavam fazendo a coisa certa, ao perseguirem os crentes. Pensavam que com esta perseguição à Igreja de Cristo, eles estavam servindo fielmente a Deus.
No início, um grande perseguidor da Igreja foi Saulo, ou Paulo. Ele acreditava que todos os cristãos deviam ser aniquilados da face da terra. Mas, o bom Deus tinha um plano bem mais alto para este perseguidor de sua Igreja. Deus ama a sua Igreja! Por isso, usaria este Paulo para o bem e o desenvolvimento da sua Igreja aqui na terra.
Algo grandioso e maravilhoso estava para acontecer na vida de Paulo. O SENHOR Jesus ia encontrar-se com ele e sua vida seria mudada.

1. O modo da conversão de Paulo! Versículos 3 e 4a.

A conversão de um pecador é sempre algo, assim, fantástico e dramático. E o Senhor Jesus sempre mostra no final quem realmente domina sobre quem. Com Paulo também não foi diferente.
Em sua posição de ser um bom e zeloso judeu, Paulo era uma pessoa extremamente arrogante para com os cristãos. Era uma pessoa cheia de si. Mas, ele já estava prestes a aprender que não era um bom negócio opor-se ao Senhor Jesus Cristo, o dono na Igreja!
O Senhor Jesus tem um método muito bom e infalível para converter pecadores, descrentes e arrogantes. Este método é também apresentado a nós aqui na conversão de Paulo.
Paulo estava bem adiantado em seu caminho para a cidade de Damasco. O seu desejo era um só: Prender os cristãos e levá-los para a prisão.
Mas Cristo age em favor do seu povo amado! E o arrogante Paulo vai para o chão. Ele aprende uma lição do próprio Senhor Jesus. Lucas nos diz assim nos versículos 3 e 4a: “Seguindo ele estrada fora, ao aproximar-se de Damasco, subitamente uma luz do seu brilhou ao seu redor, e, caindo por terra,…”.
O método do Senhor Jesus está aqui. O tão arrogante perseguidor da Igreja do Senhor foi derrubado ao nível mais baixo. O Senhor Jesus mesmo foi quem derrubou Paulo fazendo-o beijar o chão empoeirado. Paulo sentiu sim o peso da presença de Jesus que é maior do que ele. Não é possível ficar por cima na presença de Cristo. Aprendemos já irmãos, que Cristo derruba o arrogante e o converte.
Aprendemos que quem está no controle é o próprio SENHOR Jesus. E não nós, e não o homem carregado com os seus tantos pecados. Aprendemos que ninguém pode resistir a nosso SENHOR Jesus Cristo.
Humilhado, com o rosto ao chão, começando a entender que estava vencido por um ser maior e infinitamente mais forte do que ele. Paulo é sim conquistado por Cristo e para Cristo. Então, o belo diálogo na conversão começa.

2. O diálogo na conversão de Paulo! Versículos 4b-5.

Abatido, subjugado, vencido, humilhado e sim amedrontado com certeza, Paulo houve uma voz. É voz do seu conquistador. É a voz do Rei dos reis e Senhor dos senhores. O Senhor perguntava: “Saulo, Saulo, por que me persegues?”.
Paulo, já vencido, não argumenta contra a voz que lhe falava. Ele já não briga mais. O seu tão obstinado ódio pelos cristãos começa a ficar de lado. E pouco a pouco, a partir de então, será transformado em um profundo amor por Cristo e por todos os que fielmente seguem ao Senhor.
Paulo reconhece a grandeza de Jesus Cristo. Ele sabe: É maior do que eu! Não posso vencê-Lo jamais. E agora é Paulo quem pergunta: “Quem és tu, Senhor?!”.
Nesta pergunta de Paulo já vemos que a sua atitude mudou, ou pelo menos começa a mudar. Ele já não se sente assim, tão por cima mais. Já não é mais tão seguro de si mesmo. Ele começa a ter a atitude de um cristão: Reconhecer O Cristo como O Soberano Senhor.
Um crente não pode brigar com Cristo sobre as condições colocadas por Cristo. Um crente não pode levantar-se contra O Senhor Jesus Cristo e questionar os seus métodos. Um crente somente tem que aceitar a maneira do Senhor Jesus e ser obediente a Ele em tudo. Jesus Cristo é O bom Senhor que domina sobre todos os crentes.
Por isso, o Senhor responde a pergunta de Paulo mostrando realmente quem Ele é. “E a resposta foi: Eu sou Jesus, a quem tu persegues!”. Paulo perseguia a Jesus?
Paulo não perseguia aos cristãos? Não era a Igreja que Paulo perseguia? Como Jesus responde a ele: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues?”.
Nunca esqueça isto irmãos: Quem persegue a Igreja de Cristo, persegue o corpo de Cristo, do qual Ele mesmo é a Cabeça. Então, quem persegue a Igreja persegue a Jesus. Quem se opõe a Igreja de Jesus Cristo, se opõe ao próprio Senhor que é o dono da Igreja. Quem luta contra a Igreja, luta contra o Senhor Jesus Cristo. Quem luta contra Jesus Cristo não fica de pé, mas cai!.

3. A submissão de Paulo após a conversão! Versículo 6.

Paulo, que tanto esperava entrar na cidade de Damasco na plenitude de seu orgulho e de sua bravura. Como um conquistador autoconfiante e auto-suficiente, imponente.
Como um adversário de Jesus Cristo. Alguém que comandava a outros. Agora estava sendo guiado pelas mãos dos outros. Humilhado e cego, capturado pelo Senhor Jesus Cristo, a quem tanto ele odiava e a quem tanto ele queria destruir. Vejam o que Lucas registra: “mas levanta-te e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer. Então, se levantou Saulo da terra e, abrindo os olhos, nada podia ver. E, guiando-o pela mão, levaram-no para Damasco”.
Paulo havia descoberto que ele não era dono nem da sua vontade nem de sua vida. Para o seu próprio bem, o Jesus que ele perseguia, o qual era o Salvador da Igreja, tornou-se também o seu bom Salvador. Paulo estava sendo mudado.
Conosco não é diferente. Nós não somos donos nem da nossa vontade nem da nossa vida. E que bom que tudo pertence ao nosso Senhor Jesus Cristo. A Ele pertencemos e Ele manda em tudo.
Um dia, como fez com Paulo, nosso Senhor Jesus nos encontrou em uma estrada da vida, e graciosamente nos conquistou para Si. Ele teve um encontro decisivo conosco. Ele tornou-se nosso bom Salvador. Jesus pagou por nós. Somos seus!
Não podia haver nenhuma dúvida sobre o que aconteceu. O Senhor ressurreto apareceu sim para Paulo. Não era um sonho ou uma visão; era uma aparição real de Jesus Cristo ressurreto e exaltado. Ele apareceu cheio de glória e poder.
A luz que Paulo viu era a glória de Cristo e a voz que ele ouviu era a voz do Cristo vivo. Cristo interrompeu a impetuosa carreira de perseguição desenvolvida por Paulo e fez com que esse homem tão cheio de ódio se voltasse em direção contrária.
Resumindo, a causa da conversão de Paulo foi graça, a graça soberana de Deus. A causa da conversão de cada um de nós, é a graça de Deus. Deus olhou para nós, nos amou e em sua graça nos tomou para Ele.
Mas a graça soberana de Deus é uma graça gradual e suave. Passo a passo, e sem violência, Jesus transformou a mente e a consciência de Paulo. Então, Cristo se revelou a ele através da luz e da voz, não para esmagar a Paulo, mas para libertá-lo de si mesmo. Para libertá-lo de seu próprio eu e de seus pecados.
A graça divina faz com que os seres humanos sejam verdadeiramente humanos. É o pecado que prende; mas é a boa graça que liberta. Portanto, a boa graça de Deus nos liberta da escravidão de nossos pecados. Liberta-nos de nosso orgulho, de nosso preconceito e do egocentrismo, fazendo-nos capazes de arrepender-se e crer.
Não podemos fazer outra coisa, irmãos a não ser engrandecer a graça do bondoso Deus. O qual teve uma tão grande misericórdia de um fanático enfurecido como Paulo. Tem grande misericórdia de criaturas tão orgulhosas, rebeldes e obstinadas como nós. Por isso, irmãos bendito seja o nosso tão bom salvador, que em sua graça, nos encontrou, nos pegou e nos salvou!

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião