O tribunal de Jesus e a sentença da graça

No momento em que Jesus fixou o olhar em Pedro (Lc. 22: 61-62), ele saiu pelas ruas e becos de Jerusalém chorando amargamente. O leite estava derramado.

No entanto poderemos ver nestes textos e na trajetória de Pedro dois grandes acontecimentos:

I – O TRIBUNAL DE CRISTO.

Jesus foi condenado à cruz e Pedro não estava junto dEle.
Depois da ressurreição, vemos o Senhor aparecendo várias vezes e a variados discípulos e não se dirigindo ao apóstolo:
Primeiro o Senhor fala com Maria Madalena;
A seguir aparece na casa;
Depois aos discípulos no Caminho de Emaús;
Mais tarde, novamente, na casa e conversa com Tomé.
E a Pedro não dirigiu palavra sequer. Creio que isso foi uma tortura ao apóstolo que tomava grandes decisões no Colégio Apostólico.

II – A SENTENÇA DA GRAÇA.

Se dura coisa é cair nas mãos do Deus vivo, por um lado, por outro, não somos consumidos pela sua ira por causa das suas muitas misericórdias.
Certo dia, estando Pedro a pescar com mais seis apóstolos o Senhor Jesus aparece a eles e se dirige, pessoalmente a Pedro.
Ele, ao ser argüido pelo Senhor ele passa por três maravilhosos processos:
Reabilitação. Ele diz que o ama e o Senhor Jesus o reabilita, perante os outros discípulos, curando-o, interiormente, de sua consciência traidora;
Designação. O Senhor o designa a ser pastor de almas (não mais pescador de almas) e,
Compromisso. Em seguida Jesus o chama a um compromisso de morte, profetizando que Pedro estaria dando a vida pelo Senhor.

Conclusão:

Concluímos observando que Pedro é o espelho onde retratamos nossas fraquezas e pecados, mas tendo também a grata satisfação em saber que temos um Poderoso Advogado no Céu que é Jesus.

Antonio Coine

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião