Quão bom deve ser o homem para entrar no céu?

Ninguém é tão depravado a ponto de pensar que os maus irão para o céu. Todos nós, reconhecemos intimamente que o céu está reservado para os bons. Portanto, a pergunta não é se os maus vão para o céu; e sim, quão bons devem ser os bons para entrar no céu? Foi exatamente com esta pergunta que Jesus se deparou quando falava com uma multidão reunida. Então respondeu: “Se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus” v,20 Jesus foi apresentado à nação de Israel como seu Messias, Salvador e Rei. João Batista o apresentou como o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o salvador. Quando Jesus se apresentou ao povo, não o fez com a intenção de agradar, como fazem os políticos de nossa época, “eu prometo resolver todos os vossos problemas, dar emprego ao desempregado, moradia ao que não tem casa, remédio aos doentes, etc,” Na época de eleições há um dilúvio de promessas, mas depois nada é cumprido. Mas o povo gosta de ser enganado! Jesus olhou para as multidões, cheias de expectativas e disse: “Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas….não pensem que eu vim facilitar as coisas…eu vim para cumprir”. Para entrar no céu era necessário que a lei fosse cumprida, e muitas vezes de forma externa, mas Jesus veio para exigir muito mais do que aparência externa, Ele exige atitudes interiores. Tiago que entendia de lei disse: “Pois qualquer que guardar toda a lei, mas tropeçar em um só ponto, se torna culpado de todos” 2:10. A lei exigia obediência absoluta, perfeita. Se alguém guardava toda a lei, mas violava um ponto mínimo, ele era culpado. A lei demandava perfeição absoluta. Ao se dirigirem para Jesus a fim de ouvirem suas palavras, os Judeus já tinham conhecimento das exigências da lei; buscavam uma via de escape, esperavam que Jesus pusesse a lei de lado bem como a santidade e a perfeição que ela exigia; esperavam que Ele apresentasse um substituto, um acesso mais fácil à presença de Deus. Se Ele tivesse feito isso, naturalmente teria sido aceito, mas Ele declarou: “Não vim revogar nada do que a lei exige. Vim para exigir que ela se cumpra. Até que o céu e a terra passem, nem um j ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra”. Nem uma letra ou parte de letra deixará de ser cumprida. É verdade, Jesus veio para cumprir o que jamais ninguém fora capaz de cumprir, a lei. Nenhum humano jamais cumpriu a lei, e o povo sabia disso; era impossível cumpri-la. E Jesus agora diz: Eu vim para fazer com que a lei se cumpra. Isso foi uma pancada muito forte neles.

I- Como era a lei no Antigo Testamento

Todos os homens de Deus tinham conhecimento da santidade de Deus. Josué disse ao povo: “Não podeis servir ao Senhor, porque é Deus santo, Deus zeloso que não perdoará vossa transgressão nem os vossos pecados.”Jos. 24:19. Ana orou: “Não há santo como o Senhor”. Os anjos clamaram: “Santo, santo, santo é o Senhor Deus dos exércitos”. É revelado através da lei que Deus é santo. Todos os seres angelicais contemplavam a santidade de Deus: mas os homens caídos, pecaminosos, devido a sua cegueira e separação, não podem contemplar essa santidade sem que ela os consuma. Deus revelou sua santidade refletindo-a como que num espelho; e a lei era este espelho que também protegia os homens de serem consumidos pelo brilho da glória divina. Requer-se aos homens que sejam santos em sua maneira de viver, porque Deus é santo. No livro de Levitico 19:2 lemos: “Fala a toda a congregação dos filhos de Israel e dize-lhes: Santos sereis, porque Eu, o Senhor vosso Deus, Sou santo.” E Levitico 20:7 e 26 diz: “Portanto, santificai-vos e sede santos, pois Eu sou o Senhor vosso Deus. Ser-me-eis santos, porque Eu, o Senhor, Sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus.” Essa revelação foi dada para que o povo soubesse que Deus é santo e ninguém por si mesmo poderia alcançar a santidade de Deus, nem andar por seus caminhos de modo que se tornasse aceitável a Deus. A lei julga todos os homens culpados.

II- Como era o farisaísmo Neotestamentário

Era a maior religião do Novo Testamento, e era também um sistema inteligente para burlar as exigências da santidade de Deus. Os fariseus tinham as leis nas mãos. Conheciam a santidade divina ali reveladas; conheciam as exigências de Deus no tocante a conduta, mas admitiam não poder atingir esse padrão estabelecido por Deus. Os fariseus fizeram interpretações facilitadas da lei e diziam que se alguém vivesse como ensinavam seria aceitável diante de Deus. Traduziram a lei em 615 mandamentos, sendo 365 negativos (não faça) e 250 positivos (faça). Porém, todos estes mandamentos se relacionavam à conduta exterior. Enquanto a pessoa não fosse apanhada em algum delito, ela seria justa aos olhos dos fariseus. Os sentimentos, como o ódio, cobiça, ou atos que ninguém via, não tinha nada de grave. Mas, acontece que isso não estava satisfazendo as pessoas, que estavam em busca de alguém para as ensinar uma forma de religiosidade que lhes desse satisfação. O povo estava vivendo um conflito espiritual entre o que estava escrito na lei e o que era ensinado pelos fariseus. Jesus chegou a advertir seus discípulos contra a doutrina dos fariseus. “Interpelaram-no os fariseus e os escribas: porque não andam os teus discípulos em conformidade com a tradição…respondeu-lhes: Bem profetizou Isaias a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.” Marcos 7:5-7. “E, dizia: o que sai do homem, isso é o que o contamina, porque de dentro do coração dos homens, é que procedem os maus designios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vem de dentro e contamina o homem” 20-23. Jesus mostrou que o sistema dos fariseus era contrario aos ensinos de Deus.

Conclusão

Reunidos para ouvir as palavras de Jesus estavam pessoas de todos os tipos; pessoas que admitiam suas culpas, sua impureza aos olhos de Deus; pessoas que confessavam sua incapacidade de corresponder aos padrões da santidade divina; pessoas que buscavam uma saída fácil; mas Jesus lhes disse que a justiça dos fariseus nunca os conduziria a presença de Deus. De acordo com o padrão do mundo hoje, teríamos que admitir que os fariseus eram homens bons, de boa conduta, morais, retos, religiosos; mas Jesus disse: “Se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus” Mat. 5:20. Até que ponto alguém precisa ser bom para ser aceito. Jesus revela que a pessoa precisa ser tão boa quanto a santidade de Deus revelada na lei. O homem precisa ser bom como Deus é bom; precisa ser santo como Deus é santo. Mas quem poderá nos ajudar? Somente Jesus, porque foi o único que cumpriu toda a lei. Ninguém será bom a ponto de merecer o céu. “Não há um justo, nenhum sequer.” Mas através do sangue de Cristo, temos a purificação de nossos pecados e podemos entrar à presença de Deus. Talvez agora você consiga entender o que Paulo disse: “Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isso não vem de vós; é dom de Deus. Não vem de obras para ninguém se glorie” Efésios 2:8,9. Ou então: “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” Romanos 8:1. A justiça que Cristo comunicou o fez justo diante de Deus a tal ponto que Deus pode olhar para Ele e dizer: “Este me é aceitável”. Não há no evangelho palavras maiores do que estas. Isso que muita gente não entende! Não há salvação fora de Cristo. Ele é o único caminho para alcançarmos a Deus; Ele é o único mediador entre Deus e o homem; Ele é o único nome que existe debaixo do céu, pelo qual devamos ser salvos.. O restante é farisaísmo e perda de tempo. Os fariseus, reconhecendo a necessidade de justiça para chegar a Deus, buscaram provê-la por meio de obras, mas falharam. Ainda hoje os discípulos dos fariseus estão tentando alcançar o céu através de Boas obras, caridade, reencarnação, idolatria, rezas,velas, sacrifícios pessoais, mas tudo em vão. Porque Cristo é a nossa Justiça! Por melhor que seja o homem, jamais alcançará o céu. Jesus disse: Eu sou a porta. Que trágico é cair no caminho dos fariseus? E milhares de pessoas estão neste caminho e nunca chegarão ao céu. Como você pretende alcançar o céu? Através de sua bondade e justiça? Esqueça! Aceite a justiça de Cristo, pois foi o único que satisfez a Deus. Aceite a justiça de Cristo e você será justificado diante de Deus. Deus só aceita aquele que tem Jesus. “Quem a mim me recebe, será recebido pelo meu pai que está no céu” Quão bom deve ser o homem para entrar no céu? Tanto quanto Cristo o foi. Alcance isso se puder. Pois eu prefiro aceitar o que Cristo já conquistou para mim.

ilustre seu sermao – www.ilustrar.com.br

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião