Testemunhar o Ardor da Missão na Oração

Após o Pentecostes (Atos 2) Pedro e João são presos por falarem da ressurreição em Jesus Cristo. Após a prisão, os cristãos se reúnem numa das casas para orar e interceder a Deus. Trata-se da única oração comunitária relatada em Atos dos Apóstolos, e isso devido ao grande impacto desta oração na vida e missão dos primeiros cristãos. Mas o que podemos aprender à partir dessa oração?

“Tu, Soberano Senhor, que fizeste os céus, a terra, o mar e tudo o que neles há…” (v.24): A oração começa com a invocação a Deus com base no Salmo 2.1-2. Diante dos poderosos que poderão destruí-los, os cristãos encontram em Deus um poder maior, poder que cria e sustenta todas as coisas.

1º Pedido: “…Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que anunciem com toda a intrepidez a tua palavra…”(v.29): após a invocação vem o pedido para que Deus olhe para as ameaças dos poderosos que querem intimidá-los e destruí-los. Porém os cristãos não pedem para que as perseguições acabem, não pedem para que os perseguidores sejam destruídos, não pedem para que Deus os livre das dificuldades e tribulações. Eles pedem intrepidez para pregar, ou seja, coragem para anunciar com fidelidade a Palavra de Deus.

2º Pedido: “…Estendes a tua mão para fazer curas, sinais e prodígios…”(v.30): o segundo pedido passa pelos sinais e prodígios que acompanham aqueles que crêem no poder de Deus. Eles acontecem naturalmente com os que crêem e são realizados em nome de Cristo. Mas o principal sinal é o testemunho efetivo da comunidade em meio as perseguições e a sinalização do Reino de Deus através de atos concretos de amor e justiça (Atos 4.32-35).

Conclusão: Essa oração foi preservada na Bíblia pois retrata o comprometimento dos cristãos com o Evangelho de Jesus Cristo. E nos dias de hoje, qual tem sido a oração da igreja, o que temos pedido ao Senhor diante das lutas que enfrentamos?

Deus te abençoe,

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião