Um Convite Irrecusável

Introdução
Quanto uma pessoa pagaria para ter paz?

Transição
A paz e o descanso que muitas procuram e não encontram, são encontradas em Jesus de Nazaré. Vejamos esta verdade no convite irrecusável encontrado no evangelho de Mateus.

A. O Autor do Convite
1. A sua autoridade
a. Ele é a presença de Deus no meio do mundo
b. Ele é amado por Deus
c. Ele resistiu às tentações do Diabo

1. O seu background
a. Ele tem poder sobre as doenças
b. Ele tem poder sobre os demonios
c. Ele tem poder sobre a morte

3. Os seus ensinos
a. Ele trouxe uma nova perspectiva sobre a pessoa de Deus
b. Ele trouxe uma nova perspectiva sobre o próximo

B. Os convidados
1. Todos
a. O convite do evangelho é universal
b. A graça de Deus é suficiente para todos

2. Com deferência especial
a. Cansados
– Na palestina o povo estava cansado do jugo dos romanos e do jugo da lei dos fariseus
– Hoje o povo está cansado do jugo da miséria e do jugo das novas religiões onde o culpado é sempre o povo

b. Oprimidos (Sobrecarregados,
– Vida financeira desequilibrada
– As emoções abaladas
– Uma vida destituída da graça divina é uma vida vazia

C. A finalidade do convite
1. Receber alívio

2. Receber uma nova perspectiva de vida
a. Ver a vida na perspectiva de Jesus (jugo)
b. Submeter-se ao seu controle, domínio

3. Receber um exemplo de vida (aprender dele)
a. Manso
b. Humilde de coração

4. Receber paz no coração
a. “O verdadeiro descanso da alma outorga liberdade à vida” (Champlin).

5. Receber um novo direcionamento
a. O jugo de Cristo é suave
– Nas versões latinas benigno ou doce
– O jugo de Cristo traz bênçãos àqueles que o aceitam

b. O fardo de Cristo é leve
– Os Pais da Igreja falam do fardo de Cristo como uma pena de ave
– Não nos derruba ao chão, mas nos oferece a possibilidade de voarmos até os céus

Conclusão
1. Vinde a mim – não existe outro nome, não existe outra alternativa.
2. Se Cristo não pode oferecer o descanso, ninguém mais poderá

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião