Uma porta, muitos adversários

Havia em Éfeso o templo dedicado a Diana, a deusa da fertilidade. Paulo com a sua pregação havia desestimulado muitas pessoas a abandonarem às práticas pagãs. Demétrio, ourives, convoca uma assembléia. Gaio e Aristarco, companheiros de Paulo foram levados a assembléia, Paulo fora impedido de ir pelos outros discípulos. Esta assembléia gritou por mais de duas horas: Grande é a Diana dos éfesios. Vamos ver neste sermão com o título: Uma porta, muitos adversários.
• Naturalmente, isto poderia incentivar Paulo a deixar a cidade rapidamente, todavia, o texto de hoje sugere que Paulo ao invés de fugir, vê aquela situação como uma porta aberta para o Evangelho.

Transição
• A vida do Ap. Paulo é uma inspiração a todos nós. No texto lido, nós somos desafiados em nosso cristianismo a ter pelo menos 3 coisas:

A. SENSIBILIDADE PARA VER A PORTA ABERTA
1. “Porta” aparece como oportunidade divina conferida para o serviço dos cristãos. Naturalmente que poderíamos afirmar que a porta fora aberta por Cristo. Em Ap 3.7 Cristo é apresentado como aquele que tem as chaves de Davi, que abre, e ninguém fechará, e que fecha, e ninguém abrirá.
2. Paulo viu a porta aberta em Éfeso em duas capacidades:
• Grande: A possibilidade da conversão deste povo escravizado a uma deusa. Provavelmente havia um desejo de preencher a vida com algo sobrenatural.
• Oportuna: Eles não conheciam a Cristo, aquele que pode dar sentido à vida.
3. Quem pode ver a porta aberta? Somente aquelas pessoas que estão sintonizadas com o coração de Deus. Elas veem portas onde todos veem muros.

B. COMPROMISSO PARA REALIZAR A OBRA
1. “Ficarei, porém, em Éfeso”. Seu desejo era partir para Corinto, todavia, a oportunidade da porta aberta faz com que os seus planos sejam adiados. Os planos de Deus são mais urgentes.
2. Quando uma porta se abre, o que se espera dos cristãos é que se entre por ela. Nós não sabemos por quanto tempo esta porta permanecerá aberta.
• Por muitos anos nós os crentes oramos pela queda do comunismo e por uma porta aberta para o evangelho. A porta foi aberta e totalmente invadida pelos Testemunha de Jeová.
3. Quem pode comprometer-se com a porta aberta? Somente aquelas pessoas que estão mortas para si mesmas e vivendo para Cristo.

C. PERSEVERANÇA CONTRA OS INIMIGOS DO EVANGELHO
1. Paulo faz uma afirmação breve que resume toda a luta do cristão: “e há muitos adversários”. Note o contraste: uma porta – muitos adversários.
2. Quando Cristo abre uma porta, o diabo também libera as suas forças para combaterem contra o evangelho: “As portas do inferno” foi a expressão usada por Cristo.
3. Quem pode lutar contra os inimigos do evangelho? Somente aquelas pessoas que consideram a sua vida como nada têm coragem para enfrentar as adversidades.

Conclusão
1. Um rapaz no Peru (1996) fez a seguinte afirmação quando soube que eu era do Brasil: “Uma nação só é rica quando ela envia missionários”. Eu pensei: uma igreja só é abençoada quando ela abençoa o mundo, e um crente só é feliz quando ele é comprometido com Jesus.
2. Russell Champlin: “No AT a prosperidade é a prova da bênção enquanto que no NT a adversidade é a grande bênção”.

Autor: Antonio Carlos Barro

visite www.sermao.com.br

Compartilhe a BençãoEmail this to someone
email
Print this page
Print
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Comentários

comments

Contribua com sua opinião